Mesmo seguindo uma mesma base, cada treinamento deve ser adaptado às necessidade de cada cão
Freepik
Mesmo seguindo uma mesma base, cada treinamento deve ser adaptado às necessidade de cada cão

Quando o assunto é adestramento canino é provável que muitas pessoas pensem, em primeiro lugar, em cães realizando truques legais, como dar voltinhas, se fingindo de morto,  praticando atividades esportivas, entre outros truques daqueles de “impressionar a família”, mas tudo vai muito além disso.

O adestramento comportamental, como o nome já diz, é diretamente relacionado à maneira como o cachorro irá se comportar no dia a dia, em diversas situações: desde um dia comum em casa, um passeio no shopping ou até aquela visita ao veterinário.

É comum também que se pense em educar um pet desde os primeiros dias de vida, mas o treinamento é fundamental para corrigir comportamentos inadequados de animais já adultos – como cães adotados com mais idade e que precisam se adaptar a um novo ambiente e estilo de vida.

Por mais dicas que se possa ver pela internet, para ensinar comandos básicos ou acostumar o animal a usar uma caixa de transporte,  o trabalho de um adestrador comportamental profissional é indispensável e pode fazer muito bem para a saúde psicológica, não apenas do cachorro, como de toda a família, melhorarando a convivência de forma geral.

Como escolher um bom adestrador para o cachorro

O primeiro passo para escolher um bom adestrador comportamental é buscar referências, conversar com outros tutores que sejam ou já tenham sido clientes desse profissional. Conhecer o histórico do adestrador é fundamental, também sua reputação e quanto tempo ele está no mercado.

É importante saber quais são os métodos usados por esse adestrador, ter ciência de onde ele aprendeu, se fez cursos de especialização – e quais cursos fez.

“É importante saber que a profissão não é regulamentada, então o tutor deve levar em consideração a experiência do profissional. Apesar de haver diversos cursos, o treinamento de cães ainda adapta muito da psicologia humana, somada ao conhecimento do profissional sobre os cães”, explica o adestrador comportamental André Almeida.

Os melhores métodos

Os cães aprendem por repetições, os tutores devem seguir as orientações do adestrador para adaptar o comportamento ao dia a dia do animal
Treddy Chen/Unsplash
Os cães aprendem por repetições, os tutores devem seguir as orientações do adestrador para adaptar o comportamento ao dia a dia do animal

O reforço positivo é o mais recomendado por muitos especialistas em comportamento animal. Esse método garante que o cachorro irá aprender o que o tutor desejar que ele aprenda, e o papel do adestrador é ensinar o pet a obedecer – sempre dentro dos limites de cada indivíduo, vale ressaltar.

Tudo é feito por repetição e associação, o adestrador dá a ordem e, em seguida, uma recompensa que encoraje o animal a obedecer repetidas vezes, sem que se sinta entediado.

As recompensas usadas nem sempre precisam ser petiscos (inclusive o tutor pode escolher qual será o petisco oferecido, já que entende mais os gostos do pet), carinho, brincadeiras e elogios também são ótimos motivadores e fazem com que o cachorro se sinta feliz após um trabalho bem feito.

“Geralmente os treinadores iniciam com prêmios em alimentação e, após algumas semanas, vai intercalando com reforçadores de atenção verbal, com carinhos e brincadeiras. E, ao final do treinamento, alguns indivíduos precisam dos punidores positivos para controle em ambientes perigosos ou situações fora do controle do indivíduo em treinamento, porém a base feita com os reforçadores faz o pet passar pela situação sem traumas”, afirma o adestrador.

Submissão ou ameaças nunca devem ser usadas para fazer o animal seguir alguma ordem. O cachorro sentir medo durante os treinos está fora de cogitação, isso pode gerar ou piorar  eventuais traumas que o animal tenha do passado.

No geral, o reforço positivo dá excelentes resultados e tudo dependerá do modo como o adestrador executa o trabalho. É preciso saber dosar as recompensas, já que o uso exagerado do reforço positivo pode apenas desviar o problema para outra situação e não resolver de fato.

“Treinadores com diferentes ideologias dividiram a classe, muitos usam apenas o que parece bonito aos olhos humanos e isso gera um grande conflito na cabeça dos cães. Técnicas com embasamento científico são muito bem-vindas, as mais conhecidas são reforço positivo, reforço negativo, punição positiva e punição negativa. Muitos treinadores abandonaram qualquer tipo de punidor para não ir contra o que os tutores acham bom para o cão que, na maioria das vezes, não entende”, explica André.

Os diferentes métodos associados ao comportamento mostram para o cachorro se um determinado comportamento deve se repetir ou diminuir.

Atenção: quando se trata de correção de comportamento de um cão, termos como “punição positiva” e “punição negativa” podem surgir durante o treinamento, mas isso não significa que o cão está, de fato, sendo punido,  para entender melhor esses termos o Canal do Pet pode te ajudar.

Como o adestrador trata cada caso é importante

O adestramento comportamental é um estudo que deve ir além da teoria
Shvets Production/Pexels
O adestramento comportamental é um estudo que deve ir além da teoria

Antes de iniciar o treinamento, especialmente se for para correções de comportamento, é indispensável que adestrador mostre interesse em entender quais são as necessidades daquele animal – caso o mesmo tutor tenha mais de um cachorro, é interessante conhecer cada um especificamente.

“Costumamos dizer que o adestrador equilibrado é o melhor profissional, ele sabe a hora certa de reforçar um comportamento ou de punir outro que não deve se repetir usando os quatro quadrantes corretamente, e assim vemos o resultado aparecer”, conta André.

Um adestrador que usa a mesma fórmula de treino para todos os animais pode não estar fazendo o melhor, não há uma receita única para isso e cada animal leva um tempo diferente para aprender.

André diz que hoje existem muitos cursos on-line que, na maioria, estão embasados em teorias e não mostram resultados práticos, “alguns até têm depoimentos de casos específicos, mas que geralmente mudam quando a realidade do cão em questão é alterada, podendo não dar o resultado esperado se aplicado para outra família”.

O tutor deve observar ao longo do treinamento se há alguma melhora significativa no comportamento do pet. Porém, assim como o adestrador não deve cravar um prazo, o tutor não deve esperar um milagre e que o problema se resolva de um dia para o outro.

Junto ao tutor, o adestrador deve estabelecer a melhor estratégia para a necessidade daquele animal, que tende a dar resultado no decorrer das aulas.

A relação entre pet, adestrador e tutor

Tão importante quanto o entendimento entre o tutor e o adestrador comportamental, é a relação entre esse profissional e o principal interessado nos treinamentos: o cachorro.

O recomendável é que o tutor participe o máximo possível das sessões de treinamento do pet, mas não somente para assistir, ele deve participar ativamente. O adestrador precisa ensinar também ao tutor como dar continuidade a tudo o que o pet vem aprendendo ou, a longo prazo, não servirá de nada todo o esforço.

Contudo, nas primeiras sessões, a presença constante do tutor pode prejudicar o aprendizado do animal. André explica que, caso o adestrador não concorde que o tutor se mantenha presente, não é um sinal de que esse seja um mau profissional.

“Normalmente o profissional explica tudo o que está acontecendo no treinamento, mas a presença constante do tutor pode tirar o foco do cão e o adestrador pedir que ele se afaste. Nestes casos, a família pode pedir a gravação do início do treinamento até sentir total confiança”, orienta.

O tutor também deve estar atento à reação do cachorro sempre que encontra o adestrador para uma nova aula, se o cachorro ficar feliz ao encontrar o treinador é um bom sinal de que o trabalho está sendo bem feito.

Para garantir que o seu pet terá toda a ajuda sempre que precisar, iG Pet Saúde está com novos planos. Cães e gatos podem contar com consultas de rotina e de emergência, cirurgias, vacinas e muito mais.  Conheça todas a vantagens de se ter um plano de saúde pensado especialmente para você e para o seu pet!

Acompanhe o Canal do Pet  e os maiores destaques do  Portal iG no Telegram!

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários