Os gatos são animais mal compreendidos pela sociedade e pesquisa visa melhorar essa relação
Wirestock/Freepik
Os gatos são animais mal compreendidos pela sociedade e pesquisa visa melhorar essa relação

Um estudo científico recente sobre descobertas em relação à personalidade dos gatos, denominado “Cat-Tri+” traz o complemento de uma linha de pesquisa relacionada aos traços de personalidade dos felinos e a convivência deles com as pessoas.

Como base, o estudo mostra que os felinos contam com traços de psicopatia, mas como alerta  Juliana Damasceno , especialista em comportamento e bem-estar felino, o termo “psicopatia” remete a um sentindo muito negativo e possivelmente degradante para a imagem do felino. Porém, o sentido do estudo visa justamente melhorar a forma como os gatos de estimação são vistos pelas pessoas.

É preciso, antes de tudo, deixar claro que o estudo mostra traços da personalidade padrão dos gatos herdadas de seus ancestrais selvagens e que os ajudavam a sobreviver na natureza, sendo o instinto felino e que não se deve levar de forma negativa a palavra que, aqui no Brasil, é entendida de forma muito negativa.

Entendendo a pesquisa e os traços da personalidade dos felinos

CAT-Tri + traz uma série de questionamentos para que os tutores possam definir os traços de personalidade de seus gatos de estimação, levando em conta características básicas como: mesquinhez, desinibição e ousadia (que são ligadas à psicopatia).

  • Mesquinhez:  ou falta de empatia, seria um comportamento que traria benefícios para os ancestrais de nossos gatos domésticos para conseguir recursos, como território e alimentos, por exemplo.
  • Desinibição:  caso de gatos que têm um gosto todo especial em escalar, arranhar ou derrubar objetos pela casa.
  • Ousadia:  gatos mais desinibidos, que tendem a ser mais dominantes e menos tímidos/sem medo.

O teste tem como objetivo principal fazer com que os tutores consigam identificar o perfil de seus gatos e, por meio disso, buscar uma forma de corrigir ou diminuir certos comportamentos considerados mais indesejáveis, como mudanças de humor. Isso, segundo os pesquisadores, ajudaria a diminuir o abandono e sacrifício de gatos mal compreendidos.

De acordo com Juliana, que é doutora em psicobiologia, o termo usado se refere à dificuldade social dos gatos, ligadas à genética – ou ancestralidade dos felinos.

“Quando nós pensamos na ontogenia e filogenia dos gatos, nós não temos um animal social. Então ele é um animal que está em construção de características sociais, de acordo com o ambiente doméstico, tanto para interações entre gatos, assim como interações com pessoas”, explica a especialista.

Mesmo um gato que possa ser identificado como um gato não sociável, por meio da realização do teste, existem outras formas de tornar o gato um animal mais sociável. “No entanto, depende muito de como são colocadas em prática algumas formas de comunicação, porque o natural do gato é se comunicar de uma maneira diferente socialmente, além de ser uma espécie diferente, mas também de não ter um repertório social extenso”, conta a especialista.

Existem muitas divergências entre comunicações sociais entre diferentes espécies. Enquanto nós, humanos, nos comunicamos pelo olhar, os gatos, ao se contatarem pelos olhos, estão se confrontando. “Há muitas divergências nas nossas comunicações. Então é sempre importante trazer bastante conhecimento aos tutores de gato sobre as comunicações felinas para que nós encontremos vias de comunicações positivas”, afirma.

Quando o gato é muito vocal

Os gatos podem miar excessivamente por diversos motivos e os tutores precisam entender qual é a causa
Shahmie Mahmoud/Unsplash
Os gatos podem miar excessivamente por diversos motivos e os tutores precisam entender qual é a causa

Uma das questões abordadas no Cat-Tri+ se refere aos gatos muito vocais, ou seja, que costumam fazer muito barulho, especialmente durante a madrugada, e atrapalham o sono dos tutores.

“Como a própria pesquisa salienta, as questões comportamentais precisam de investigação, tanto física, quanto comportamental. As vocalizações noturnas, por exemplo, podem ter uma conotação de reprodução. Então nós precisamos avaliar se o gato é ou não castrado, e como foi castrado. Vocalizações noturnas podem também ser falta de gasto energético diurno. Então é importante ajustar os níveis de energia”, ressalta Juliana.

Conforme a especialista explica, quando se é feita uma avaliação de personalidade de um gato e, muitas vezes, essa avaliação vai dar indícios de questões comportamentais que merecem tratamento. A hipervocalização pode ser gerada por diversas questões, como hipertireoidismo, dor, conflitos e estresse.

“Conflitos e estresse por gatos no mesmo ambiente, por gatos fora do ambiente, ou seja, um gato no ambiente residencial avistando gatos externos que estão ameaçando o território deles”, diz. Além disso, a vocalização noturna também pode ser uma recompensa que o tutor, mesmo sem perceber, faz com que o gato tenha um padrão vocal.

“Por exemplo, se a pessoa levanta de madrugada e oferece comida na tentativa de fazer o gato parar de miar, ela recompensou o pet por chama-la de madrugada. Então, muitas vezes, os comportamentos inadequados, ou anormais, dos gatos também podem ser estimulados pelos próprios tutores. Por isso é importante a avaliação de um especialista em comportamento e também de um médico veterinário, para identificar se não há nada na saúde que esteja afetando o comportamento”, alerta.

Por que os gatos nos acordam durante a madrugada e o que pode ser feito

A linguagem corporal dos felinos pode dizer mais do que as expressões faciais
Gundula Vogel/Pixabay
A linguagem corporal dos felinos pode dizer mais do que as expressões faciais

Como explica a especialista em comportamento felino, os gatos são mais ativos durante a noite por serem animais crepusculares, ou seja, eles têm mais energia durante os fins de tarde e início de manhã.

Leia Também

(Continue a leitura logo abaixo)

Leia Também

“O que acontece, muitas vezes, é que os gatos não são estimulados no ambiente doméstico durante esses períodos e os curtos períodos de sono que eles têm à noite já são o suficiente. Então eles tentam ter alguma atividade durante a noite acordando os tutores”, alerta.

O ideal, para garantir que o pet e os próprios tutores tenham uma melhor qualidade de sono, seria realizar um gasto de energia, estimulando o comportamento de caça com brinquedos para os gatos,  antes de dormir, e evitar atender ao chamado de madrugada. Além disso, explica a doutora em psicobiologia, oferecer um alimento antes de dormir, sendo um alimento palatável, úmido, que vai oferecer maior saciedade após as brincadeiras, auxilia bastante.

Então o ideal seria realizar um gasto energético estimulando comportamentos de caça com brinquedos para os gatos à noite antes de dormir e evitar atender os chamados de também oferecer alimento antes de dormir, algo palatável, úmido que vai promover maior saciedade após a brincadeira auxilia bastante.

Cuidado ao corrigir o comportamento do seu gato

Muitas vezes vemos indicações de que o uso de um borrifador com água pode ser usado para corrigir comportamentos considerados inadequados. Está errado! De acordo com Juliana, o uso do borrifador é uma péssima ideia.

“A ciência traz que a utilização de metodologias aversivas - como o borrifador, fazer barulho, gritar, bater palma - não são técnicas eficazes para nós tratarmos o comportamento, pois não temos uma aprendizagem duradoura”, explica.

“Quando nós interrompemos um comportamento por meio da adição de algo desconfortável, podemos até agravar aquela questão. Então, por exemplo, se eu tenho um gato que está vocalizando por estresse e o repreendo, eu posso aumentar este estresse e eu posso promover uma reação de agressividade”, alerta a especialista.

Com a repreensão, o tutor estará instituindo o medo e ele gera uma sensação de ameaça que irá fazer com que o gato se defenda. “Então nós podemos agravar a situação comportamental quando usamos um aversivo, como borrifador, por exemplo. Então o ideal é que nós identifiquemos as causas que alteram os comportamentos”, ressalta.

No caso dos miados de madrugada, por exemplo, os tutores precisam ajustar o gato energético e tentar não reforçar o comportamento de ser acordado e fazer o gato entrar na rotina da casa.

“Os gatos são muito rotineiros e  é muito fácil fazer com que eles aprendam os horários que as coisas vão acontecer. Então, para nós tratarmos um comportamento, precisamos sempre identificar quais são as causas que levam até aquele comportamento. As motivações e as bases emocionais daquele comportamento. Do contrário não vamos ter uma solução e podemos até mesmo prejudicar ainda mais o estado físico e mental daquele indivíduo e também trazer prejuízos ao tutor”, completa.

Entendendo melhor os bichanos

Os gatos são socialmente diferentes dos seres humanos, o modo que eles se comunicam devem ser entendidos
Gundula Vogel/Pixabay
Os gatos são socialmente diferentes dos seres humanos, o modo que eles se comunicam devem ser entendidos

O que muitas pessoas apontam como algo negativo, quando não conhecem os bichanos, é o olhar aparentemente frio que os felinos têm. Acontece que os gatos não têm muitos músculos faciais.

Esse olhar vazio que se recebe de um gato não é porque eles estão planejando um ataque contra a humanidade, mas porque eles se comunicam de outras maneiras, usando a cauda, as orelhas e outros  sinais de linguagem corporal.

Os cientistas que realizaram o estudo teorizaram que comportamentos “psicopáticos” em gatos antigos provavelmente os deram melhor acesso a recursos como comida, água e o colo dos humanos.

Esses traços de personalidade também tornaram os gatos antigos mais adequados para um estilo de vida solitário, uma tendência evolutiva que acabou sendo interrompido quando as pessoas capturaram os gatos e os levaram para viver em casas e, muitas vezes, não entendem porque os felinos não se comportam de maneira “100% agradável”.

Primeiro, faça uma verificação de bem-estar. Muitos dos comportamentos negativos em que os gatos se envolvem decorrem de sofrimento físico ou mental (como explicado anteriormente). Se o gato de repente está “uivando” muito, sendo mais destrutivo ou indo ao banheiro fora da caixa de areia, o tutor deve levá-lo ao veterinário para descartar uma possível doença.

Também é sempre válido consultar um especialista em comportamento veterinário (ou terapeuta para gatos, se preferir), para determinar se os pets não estão passando por estresse ou outros gatilhos, resultando no comportamento indesejado.

Acompanhe o  Canal do Pet também pelo Telegram!

** Formado em jornalismo pela Universidade Nove de Julho, Renan Tafarel é apaixonado por pets e cultura pop. Escolheu o jornalismo por enxergar na profissão uma oportunidade abrangente de conhecer novas pessoas, culturas e histórias diversas.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários