Para cães que passeiam por locais mais abertos, o apito pode ser útil para que os pets localizem os tutores com mais facilidade
reprodução shutterstock
Para cães que passeiam por locais mais abertos, o apito pode ser útil para que os pets localizem os tutores com mais facilidade

Um acessório que desperta curiosidade em muitas pessoas, quando se trata do treinamento canino, é o conhecido apito para cães. Até um pouco controverso, alguns adestradores comportamentais dispensam o seu uso, sendo mais  utilizado para o treinamento de cães de serviço, como pastoreio.

O apito para cachorros projeta um som agudo que os seres humanos não conseguem ouvir, sendo muito diferente dos apitos comuns, como os utilizados pelos árbitros de futebol, por exemplo. Isso acontece graças à frequência em que o som é emitido, que é muito superior a que os nossos ouvidos são capazes de captar.

Mas por que os cães conseguem captar

A orelha interna dos cães e a dos humanos são, anatomicamente falando, muito semelhantes, conforme explica a médica veterinária Mayra Susenko. Ambas contam com o tímpano e um conjunto de ossos pequeninos que vibram – o que “traduz” o som. A maior diferença está na frequência do som que pode ser ouvido.

“Os humanos ouvem sons entre 20 e 20 mil hertz, já os cães captam sons entre 15 e 40 mil hertz. Quanto maior a frequência, mais agudo é o som”, diz a veterinária.

Em resumo, sons entre 15 e 19 hertz, ou entre 20.001 e 40.000 hertz não são perceptíveis para os ouvidos humanos, mas são ouvidos pelos cães. E é nessa última frequência que se encontra o som emitido pelos apitos para cães.

Formas de uso

O apito pode ser utilizado para que os cães encontrem os tutores em caminhadas por locais em que estejam separados por longas distâncias, como fazendas, por exemplo
Pixabay/ZigmarsBerzins
O apito pode ser utilizado para que os cães encontrem os tutores em caminhadas por locais em que estejam separados por longas distâncias, como fazendas, por exemplo

Adestradores, ou mesmo tutores, podem utilizar o acessório para diversas funções com os animais. O uso para reforço negativo, como fazer o cão parar de latir ou de ter algum comportamento indesejado não é recomendo.

O animal pode associar sons de alta frequência, seja ele emitido pelo apito ou não, como uma advertência e isso pode gerar ansiedade e estresse ao cachorro, que não entenderá o que está acontecendo.

Contudo, o apito pode ser algo bastante eficaz quando utilizado para adequar o animal a certos comandos. Mayra conta que alguns batalhões policiais utilizam o acessório para os cães em operações discretas e que demandam silêncio. “Além disso, comandos como sentar, rolar, deitar e dar a pata podem ser ensinados com o apoio do apito”.

Você viu?

Outra forma indicada para o uso do apito é para ensinar cães que frequentam trilhas, parques, praias e outros locais abertos, como matas e florestas. O som emitido pelo apito pode atingir uma distância média de até 3 km,  com isso os cães poderão localizar os tutores com mais rapidez.

O apito pode fazer mal?

A veterinária explica que o uso indiscriminado do acessório, seja de forma punitiva ou não, pode sim incomodar, e muito, a audição dos cães. Principalmente se o som for de uma frequência mais elevada. “Apesar de nós não conseguirmos ouvir o som estridente, o cão ouvirá e isso pode se tornar muito irritante para ele”, afirma.

Uma superaudição

O maior trunfo da superaudição dos cães se dá pela orelha externa deles, que funcionam como verdadeiras conchas acústicas, capazes de capturar sons mais distantes e filtrar os que sejam mais relevantes.

Os gatos também podem ouvir?

A audição felina é ainda mais sensível que a dos cães
Pixabay
A audição felina é ainda mais sensível que a dos cães

Os felinos também possuem uma frequência auditiva muito poderosa, podendo ouvir sons de até 65 mil hertz, ou seja, 25 mil vezes mais do que os cães. Por isso, a audição dos felinos é ainda mais sensível do que a dos cachorros, logo alguns ruídos serão ainda mais incômodos para os bichanos.

Curiosidade extra: Os Beatles 

Dizem que a música “A Day in the Life”, dos Beatles termina em uma frequência que apenas os cães conseguem identificar. A música se encerra em uma frequência de 30 hertz e teria sido adicionada pelo próprio John Lennon – que compôs a canção em parceria com Paul McCartney -, para que o cachorro do astro, na época, pudesse ouvir.

A música está aqui, chame o seu cachorro para ouvir.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários