paulinha portes leva passarinho tom zé em mochila
Acervo pessoal
A calopsita Tom Zé passou a acompanhar a dona, Paulinha Portes, graças a uma mochila adaptada especialmente para ele

Tutortores de animais com rotinas intensas e que passam muito tempo fora de casa têm preocupação redobrada com pets, já que os bichinhos ficam sozinhos em casa durante longos períodos. Não é o caso de Tom Zé, uma calopsita  que ganhou atenção principalmente de quem frequenta o centro histórico da cidade de São Paulo com olhos atentos.

O motivo: sua dona, a assistente de produção Paulinha Portes, o leva sempre consigo em uma mochila adaptada especialmente para ele, com visão panorâmica. Foi a maneira que ela encontrou para manter o amigo pássaro sempre por perto.

Antes da pandemia, os dois costumavam fazer longos passeios pelo Minhocão, em casas de amigos e em restaurantes que permitem a entrada de animais em São Paulo Tom Zé também ajuda a produtora a fazer compras no supermercado e até a acompanha em um cafezinho na padaria preferida dela.

O dia a dia de Tom Zé, das andanças e aventuras até momentos de cantoria em casa, é registrado e postado pela dona em um perfil no Instagram . “Tom é um carinha muito sociável, adora receber e estar no meio de pessoas. Tem uma personalidade bem forte e é super amigável, além de fotogênico”, define Paulinha, em entrevista ao Canal do Pet.


Paulinha explica que Tom Zé foi um presente de namoro. “Ele [Tom Zé] foi escolhido por mim em um criadouro. Eu queria o mais despachado e cantor”, lembra. Apesar de ter sido vendido como manso, a dona conta que demorou pelo menos um mês para conseguir ganhar a confiança da calopsita e acariciá-la. “Ele morria de medo de humanos e atacava qualquer aproximação com as mãos. Começamos a proximidade no ombro e aí fluiu”, diz.

Ver esta publicação no Instagram

👑

Uma publicação partilhada por tomzepassarinho (@tomzepassarinho) a



Tom Zé não foi o primeiro pássaro que Paulinha teve. Ela já criou um  galo e uma outra calopsita. A criação desses dois outros bichinhos eram similares a de Tom Zé, de forma mais livre possível. O galo chegava a atravessar a rua ao lado de Paulinha, enquanto a outra  calopsita passeava pela cidade em seu ombro.

Paulinha tentou fazer o mesmo com Tom Zé, mas uma série de viagens de trabalho fizeram com que o pássaro passasse mais tempo com a mãe dela, a "avó" do pássaro. “Ela não tem o mesmo manejo que eu e não teve coragem de sair com ele. Acabou que Tom Zé ficou medroso. Minha mãe mora a 65 km daqui e como não tenho carro, nem sempre arrumo um boa carona em que caiba a  gaiola dele, minhas coisas e eu”.

Ela conta que a primeira tentativa de deslocamento mais confortável foi com uma sacola de mão. “Era quadrada e devia servir para hamsters , não sei bem. Então não era tão confortável. Tom Zé mal cabia lá e ficava todo corcunda, tadinho”, relata.

Ver esta publicação no Instagram

Café da manhã com humanos

Uma publicação partilhada por tomzepassarinho (@tomzepassarinho) a


Até que um dia, uma "tia" de Tom Zé mandou uma foto de uma mochila para Paulinha. Pensou que seria uma boa ideia adaptá-la para levar a calopsita por aí. Apesar de ter adorado a mochila, a peça tinha um muito preço acessível.

“Um ano depois encontrei a mesma mochila por um preço melhor. Eu tinha acabado de concluir um trabalho e decidi me presentear com ela. Foi a melhor coisa que fiz”, conta.

Ao levar seu melhor amigo para todos os lugares, Paulinha sente que não só seu laço com Tom Zé melhorou, mas também a sua própria forma de encarar seus trajetos. “Precisei reduzir a velocidade ao caminhar para ele não chacoalhar tanto e comecei a dar mais atenção para as aves que estão ao redor”, explica.

Ver esta publicação no Instagram

"quem é esse cara na minha mochila?"

Uma publicação partilhada por tomzepassarinho (@tomzepassarinho) a


Existem pessoas que não olham com bons olhos a locomoção de Tom Zé na mochila, mesmo que ela seja totalmente adaptada para ele. De acordo com a tutora, muitos afirmam que ela está tirando a liberdade da calopsita.

“Teve gente que já falou que estou aprisionando o pássaro dessa forma, mas nem todo criador é uma pessoa legal e consegue pensar no que o pet precisa”, diz. Para ela, a mochila representa o contrário. É a maneira que ela encontrou de conseguir fazer com que Tom Zé pudesse ver o mundo, além de ser o que o transporta com segurança.

“Eu tento dar a melhor vida para o Tom Zé. Quero que ele esteja presente na maior parte dos momentos, preferencialmente solto”, ressalta. “Dentro de casa, a gaiola é o apartamento”.

    Veja Também

      Mostrar mais