Animais de estimação e tutores mais próximos durante a pandemia
Reprodução/Pixabay
Animais de estimação e tutores mais próximos durante a pandemia

Apesar de ainda não haver muitas comprovações científicas sobre os efeitos negativos da  Covid-19 na saúde dos pets, os bichinhos de estimação também podem estar sendo impactados pela pandemia e os novos estilos de vida da população, cada vez mais isolada dentro de casa. A companhia do pet também pode refletir na qualidade da saúde mental dos tutores.

Segundo a veterinária Juliana Furtado, o comportamento dos cães e gatos certamente pode ter passado por mudanças ao terem maior acesso aos donos. Para uns, o sentimento de euforia, para outros, uma certa estranheza em relação à mudança de rotina.

“A maioria dos cães adora passar bastante tempo com os seus tutores. O gato pode sentir mais esse tipo de mudança por ser um animal com uma rotina mais bem definida. Em um possível retorno dos tutores ao trabalho, ao contrário dos gatos, os cães devem ficar mais ‘depressivos’ , sem tanta companhia e atenção. Isso pode ser identificado como um problema”, explica a profissional.

Segundo o Hospital Veterinário Sena Madureira de São Paulo, 57% dos tutores brasileiros deram mais atenção aos pets na quarentena, tendo forçado uma maior aproximação entre os tutores e seus bichinhos, desde o aumento da quantidade de carinho dado até o cuidado com a limpeza das patinhas pós-passeio. Também é um momento de atualizar os exames, a vacinação e cuidar do bem-estar dos animais.

Tutores e animais ficam mais próximos com o isolamento, o que pode afetar o comportamento dos pets
Reprodução/Pixabay
Tutores e animais ficam mais próximos com o isolamento, o que pode afetar o comportamento dos pets


Esse convívio mais intenso com os animais também pode ser refletido na qualidade da saúde mental dos tutores. “São incontáveis os benefícios de um pet na vida dos tutores. Conheço inúmeras histórias de animais que tiraram os donos de estado depressivo, ansiedade e síndrome do pânico. Alguém que nos ame incondicionalmente só traz benefício aos que convivem com ele”, afirma a veterinária.

Os impactos de um pet na vida de um tutor são incontáveis. De acordo com um estudo feito pela Clínica Médico Psiquiátrica da Ordem, na cidade do Porto, Portugal, adotar um pet pode amenizar dores de pacientes com tipos perniciosos de depressões que já não respondem aos tratamentos médicos convencionais.

Os cães naturalmente podem ter passado a fazer mais barulho, um reflexo de uma maior agitação dos bichinhos durante o isolamento social.

Outro efeito da pandemia pode ter sido o aumento do peso dos animais . É normal ver tutores dando recompensas como petiscos aos bichinhos quando eles executam bem alguma tarefa ou comando. Com mais tempo juntos, essa prática pode ter aumentado em alguns casos, aumentando, consequentemente, a ingestão de alimentos pelos pets. Dados divulgados pela Wakefield Research, em parceria com o Banfiel Ped Hospital, dos Estados Unidos, mostram que 25% dos animais de estimação ganhou um pouco de peso.

Outra mudança comum neste período foi o aumento em 60% na procura por reservas de creches para pets, onde acontecem recreações e serviços de adestramento, segundo o Hospital Veterinário Sena Madureira de São Paulo. Uma das principais motivações dessa busca foi não deixar o animal totalmente sozinho em casa após o período da quarentena, momento em que os bichos ficaram acostumados em ter uma companhia humana.

Para  evitar o surgimento de problemas sérios de comportamento e saúde, é preciso que o tutor se mantenha atento às necessidades dos animais. Consultas de rotina podem ajudar no acompanhamento da saúde do pet.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários