Preto e marrom são as cores do Doberman
Allan MacDonald/Pixabay
Preto e marrom são as cores do Doberman

Um cão de origem alemã, a raça foi desenvolvida por Karl Friedrich Louis Dobermann, na cidade de Apolda, por volta do ano de 1890. Entre as funções de Friedrich estavam a cobrança de impostos, vigia noturno e a administração do canil da cidade.

Ao exercer o papel de cobrador havia o sério risco de sofrer agressões e, devido a isso, o homem decidiu que precisava de um cão que fosse seu companheiro leal e também protetor, desenvolvendo assim uma nova raça que unisse características que considerasse importantes em um cão.

Apesar de Friedrich Louis ter falecido em 1894, levando consigo as raças que deram origem à “receita” do cão, acredita-se que a raça veio da mistura de cães de um tipo antigo de Rottweiler, cães pastores de coloração preta, Dogue Alemão, Weimaraner, Galgos e a raça com a qual são mais comparados hoje, o Pinscher.

Criadores alemães continuaram o trabalho de Friedrich no desenvolvimento da raça, que recebeu o nome de Dobermann, em sua homenagem. A intenção era “produzir” um cão que fosse leal, protetor, inteligente e de personalidade forte.

Para amenizar o perfil mais agressivo, novas misturas foram adicionadas pelo criador de cães Otto Göller, como o Black and Ta Terrier, raça que já é considerada extinta. Otto foi também o fundador do National Dobermann Pinscher Club, em 27 de agosto de 1899.

A raça foi apresentada oficialmente em exposições caninas na cidade alemã de Erfurt, em 1897. Por volta do ano de 1900 alguns cães da raça foram levados para os Estados Unidos, onde chegou a vencer alguns prêmios e em 1908 foi reconhecido como raça pelo American Kennel Club. Já em 1921 foi fundado o Dobermann Pinscher Club of America.

O perfil protetor, leal e inteligente que Karl Friedrich desejou para seu cão tornou a raça muito querida entre os militares e pessoas mais abastadas.

A quase extinção de uma nova raça

O Doberman pode ser um pet calmo e apegado, apesar de ter fama de agressivo
Joshua Daniel/Unsplash
O Doberman pode ser um pet calmo e apegado, apesar de ter fama de agressivo

Os períodos das grandes guerras foram muito prejudiciais para muitas raças de cães, não sendo diferente para o Doberman. Durante a Primeira Guerra Mundial o número de Dobermans diminuiu drasticamente na Europa, muito disso se deve à fome. As famílias não tinham condições para se manter, muito menos teriam de manter seus animais de estimação.

Algo semelhante ocorreu também durante a Segunda Guerra Mundial. O que salvou a raça da extinção, acredita-se, foi a migração para os Estados Unidos, além do serviço militar e os animais de famílias mais nobres e criadores que conseguiram manter a raça.

Curiosidades sobre o Doberman

casas com quintais espaçosos são mais indicadas para ter um Doberman como pet
Samuel Rosalini/Pixabay
casas com quintais espaçosos são mais indicadas para ter um Doberman como pet

A raça é conhecida em diversos países como Dobermann Pinscher, o que faz com que  muitos acreditem que o Pinscher seja a versão mini da mesma raça. Na verdade, o Pinscher está na lista de principais ancestrais do Doberman.

No início dos anos 1900 a Alemanha deixou de usar o nome Pinscher associado ao Dobermann e, anos mais tarde, os britânicos fizeram o mesmo.

O trabalho no ramo militar fez render ao Doberman um status de heroísmo, especialmente pela busca e resgate de vítimas, como na tragédia do World Trade Center (as Torres Gêmeas) em setembro de 2001. Também foram cães de guerra, servindo como soldados na Guerra de Okinawa (Japão), conflito considerado um dos mais sangrentos da história norte-americana.

A Ilha de Guam, no Oceano Pacífico, recebeu um memorial de bronze dedicado à raça, chamado “Always Faithful” (Sempre Fiel). O memorial foi encomendado pelo United Doberman Club no ano de 1994.

Além de Karl Friedrich Louis Dobermann, outros criadores participaram do desenvolvimento que levou ao Doberman que conhecemos hoje, são eles Otto Göller, Goswin Tischler e Gustav Krumbholz, entre alguns outros.

A personalidade do Doberman

Se bem socializado, o Doberman se torna um cão carinhoso e obediente
Allan MacDonald/Pixabay
Se bem socializado, o Doberman se torna um cão carinhoso e obediente

O Doberman é um cachorro de personalidade forte e pode ser bastante dominador, por isso precisa de um tutor que saiba se impor com carinho, mas sem perder a firmeza. Assim como outros cães de porte médio para grande, ele recebe a injusta fama de ser um cão agressivo.

Este é um cão muito inteligente e facilmente adestrado, porém não é muito indicado para tutores inexperientes. Esse será um cão muito leal, apegado, protetor e obediente à família, mas não é do tipo que recebe ordens de qualquer um, é preciso conquistar a confiança do animal.

Leia Também

(Continue a leitura logo abaixo)


São muito alertas e protetores, por isso podem não se dar muito bem com estranhos, mesmo com visitas. É importante que seja bem socializado, se possível, desde filhote. Assim ele se dará bem com outros cães e também animais de outras espécies.

É um pet carinhoso com crianças e adora (e precisa) de atividades físicas que o estimulem física e mentalmente. Um Doberman que fica entediado e muito tempo sozinho pode ter problemas de comportamento – assim como qualquer pet.

Tendo uma rotina de exercícios adequada, o Doberman pode sim viver em casas menores e até apartamentos, mas o ideal é que sejam criados em ambientes mais espaçosos, para que possam gastar energia mais à vontade.

Com tutores confiantes e que sabem o que estão fazendo, a raça não terá problemas de agressividade e ainda serão excelentes companheiros. Contudo, independente de o cão ser ou não agressivo, é válido mencionar que não devem sair para passeios sem o uso da focinheira, algo obrigatório por lei.

Cuidados com a higiene e saúde do Doberman

Dobermans precisam de tutores firmes e dedicados
Joshua Daniel/Unsplash
Dobermans precisam de tutores firmes e dedicados

O Doberman pode ser visto em duas cores diferentes, o marrom e o preto, ambos têm a pelagem lisa, curta, dura e espessa. A queda de pelos é moderada, por isso é recomendado que seja feita a escovação ao menos uma vez por semana.

É importante que a prática da escovação se torne um hábito para o cão desde cedo, para que seja algo prazeroso, como um momento de proximidade entre pet e tutor. A escovação ajuda a manter a saúde e o brilho dos pelos, mas é preciso ter cuidado com a pele do animal. É mais indicado o uso de luvas especiais do que de escovas em si.

O Doberman tem hábitos de limpeza próprios, por isso costuma estar sempre limpinho naturalmente. Banhos devem ser dados apenas em caso de real necessidade, como sujeira ou para refrescar em um dia de intenso calor.

É preciso ter cuidados com as orelhas e ouvidos do cão, caso o tutor note excesso de sujeita, vermelhidão ou odor estranho, deve levar o animal ao médico veterinário. As orelhas do Doberman são naturalmente longas, algumas pessoas acreditam que o corte das mesmas seja uma forma de ajudar na higiene, mas especialistas apontam que não passa de um mito.

A prática, chamada conchectomia, tem caráter apenas estético e é proibida no Brasil. O mesmo vale para o corte da cauda, que é prejudicial para a saúde do animal, podendo causar sérios problemas de coluna ao animal.

A raça como um todo é bastante resistente e saudável, mas também está suscetível a uma série de doenças e é preciso ter cuidado. É fundamental manter a vacinação em dia, para evitar problemas com doenças como parvovirose e cinomose.

Problemas comuns em cães de grande porte  como a displasia coxofemoraltorção gástrica podem causar sérios problemas ao pet, por isso é preciso ter moderação nas atividades físicas e jamais permitir exercícios logo após as refeições ou caso o animal tenha ingerido muita água.

Mesmo tendo surgido da união de diversas raças diferentes, o Doberman não escapou de alguns problemas hereditários, entre os quais estão a síndrome da injúria neurológica, acne, escaras de decúbito, hipotireoidismo, problemas cardíacos, higroma e Doença de Von Willebrand.

Lembrando que não significa que todo o cão da raça terá qualquer uma dessas doenças, mas é de extrema importância que visitas ao médico veterinário sejam feitas regularmente, além de ter uma alimentação adequada e uma boa rotina de exercícios.

Especialmente por se tratar de uma  raça que é, geralmente, adquirida por meio de criadores, é fundamental que se conheça o histórico do canil. O Doberman tem tudo para ser um cachorro de estimação bastante saudável e feliz.

Acompanhe o  Canal do Pet também no Telegram. E, para garantir o melhor para o seu melhor amigo,  conheça todas as vantagens de ter um plano de saúde pet!

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários