Tamanho do texto

A data é usada como forma de conscientização para evitar que os números do abandono cresçam mais ainda

Desde 1992 o Dia Internacional do Animal Abandonado é comemorado no terceiro sábado de agosto. Na verdade, não existe de fato uma "comemoração", mas sim uma conscientização para evitar que cães e gatos, principalmente, sejam abandonados e entrem na estatística da Organização Mundial da Saúde (OMS). De acordo com a agência, só no Brasil existem mais de 30 milhões de animais morando nas ruas. 

Leia também: Cão levado por dono para eutanásia por estar muito gordo dá a volta por cima

cães e gatos arrow-options
shutterstock
Animais costumam ser abandonados em tempos de crise econômica



Segundo Silvana Andrade, fundadora e presidente da Agência de Notícias de Direitos Animais, os períodos em que o abandono aumenta são os de férias – por que os tutores não têm com quem deixar os animais para poderem viajar – e os de crise econômica. 

Outro grande problema é o descarte, principalmente de cadelas prenhas. “O abandono de filhotes e fêmeas gestantes é muito grave, já que mescla a insensibilidade de parte da população e a ineficiência do Poder Público na implementação de políticas para o controle populacional de cães e gatos”, completa Silvana.

Fatima Barbosa, da ONG Reciclando o Planeta, diz que a maioria dos pets abandonados são os SRD (sem raça definida) ou os doentes. Ela acredita que a compra de animais financia essa situação. “Ao incentivar a criação, o número de abandono aumenta. Muitos são maltratados para serem matrizes, e sacrificados quando nascem com algum problema”, explica. Além disso, as fêmeas ficam grávidas mais vezes do que podem aguentar, adoecem e não são tratadas, e acabam jogadas nas ruas por não “servirem” mais. 

São esses casos de canis não legalizados que pessoas como os de Luisa Mell expõe a exploração pela qual esses animais passam. A  ativista já chegou a fazer diversas denúncias, e em um de seus maiores resgates salvou mais de 1500 animais em condições precárias , que eram utilizados para reprodução de diversas raças. 

Por causa de tudo isso os abrigos estão cada vez mais cheios, e o protocolo de adoção mais minucioso. A condição financeira do possível adotante é sempre analisada, assim como o local onde a pessoa mora, outros animais que ela já tenha e outros critérios, para que os voluntários tenham certeza de que o pet não será abandonado novamente.

cães em canil arrow-options
shutterstock
Os abrigos recebem muitos animais que foram negligenciados

De acordo com Luiz Carlos Negri Filho, veterinário e professor do curso de Medicina Veterinária da Unopar de Arapongas, na hora de levar um novo animal de estimação para casa três passos devem ser seguidos: o local da adoção, o estado de saúde e a adaptação.

1º Passo: O local da adoção

O ideal é procurar por ONGs ou Centros de Controle de Zoonoses presentes na maioria das cidades. São alternativas seguras para adotar, pois as instituições mantêm o histórico e preservam a saúde do animal.

2º Passo: O estado de saúde

Tanto os centros de reprodução, quanto as ONGS e os centros de controle de zoonoses têm o hábito de disponibilizar para adoção apenas animais saudáveis, e muitos destes lugares possuem um médico veterinário com quem é possível se certificar do estado de saúde do pet. 

Em caso de animais recolhidos da rua, a consulta com o veterinário é indispensável, porque o risco de enfermidade é maior. 

3º Passo: A adaptação em casa

Todo animal precisa de um tempo de adaptação, é necessário que ele perceba que está em um novo lar. Pets que já foram vítima de maus-tratos costumam carregar traumas e exigem maior paciência para que se sintam mais seguros.

Leia também: 72 cães de raça são resgatados de maus-tratos em rede de pet shops de Curitiba

Gatos, principalmente, são mais ariscos em um novo ambiente e por isso é preciso ter calma. Um bom momento para iniciar a conexão e observar a personalidade do pet é o primeiro banho dele. Caso seja necessário um banho logo na chegada, a recomendação é levar o animal a um pet shop de confiança.