Tamanho do texto

Após vídeo ter sido divulgado na internet, a organização Four Paws, dos Estados Unidos, denunciou o zoológico por maus-tratos

Visitar um zoológico para conhecer animais selvagens pode ser uma atividade divertida para crianças e adultos, afinal, muitos daqueles bichos não são comuns no dia a dia dos humanos. Mas infelizmente nem todos esses estabelecimentos cuidam bem dos animais. O Rafah, jardim zoológico localizado na Faixa de Gaza, Palestina, por exemplo, cortou as garras de uma leoa na intenção de atrair mais clientes. 

Leia também: Conheça Hunter, o Shiba Inu pintor que já ganhou mais de R$ 16 mil

leoa na savana
shutterstock
Leoa tem garras amputadas no zoológico de Rafah


O zoológico de Rafah já era classificado como o "pior zoológico do mundo", e isso ficou ainda mais comprovado após um vídeo em que a leoa Falestine tem suas garras cortadas. A ação foi realizada precariamente na própria jaula do animal. Segundo o veterinário responsável, Fayez al-Haddad,  essa atitude foi tomada para que os visitantes pudessem brincar com a leoa sem correr grandes riscos. 

Cortar as garras de um leão é equivalente a amputar dedos humanos, ou seja, o animal sofre muito. O caso de Falestine é ainda pior, já que o procedimento não teve sedação, anestesia e muito menos um motivo justo para ser realizado. 

Leia também: Alerta para cães: fogos de artifício barulhentos voltam a ser permitidos em SP

A organização Four Paws USA denunciou o local e, após semanas de negociação, conseguiu com que mais de 40 animais, incluindo a leoa, fossem resgatados do Rafah. O Twitter oficial da Four Paws divulgou um vídeo mostrando as condições em que os bichos estão. Abandonados, com jaulas sujas e pequenas. Veja:

Leia também: Casal prova ração de cachorro antes de oferecê-la ao seu animal de estimação

A organização Four Paws espera que após o resgate e as denúncias o  zoológico de Rafah seja fechado, e que procedimentos como o corte de garras de grandes felinos não seja reproduzido em mais nenhum lugar do mundo.