Tamanho do texto

O pequeno Leon conseguiu o que muitos demoram anos para obter: um crachá de funcionário da Ordem dos Advogados do Brasil

Num dia de fortes chuvas no Amapá, estado localizado no norte do Brasil, um filhote de gato de rua achou que a OAB era o lugar perfeito para se abrigar. Desde então, o pequeno felino não saiu de lá, e começou a fazer parte da rotina de funcionários e pessoas que passavam por ali. Mas, apesar de ser muito fofo, algumas pessoas ficaram irritadas com a permanência do animal no ambiente.

Leia também: Conheça o Maine Coon, a raça de gatos gigantes que amam água

Foi então que Auriney Brito, presidente da OAB no Amapá, resolveu dar um jeito na situação: ofereceu um lar e um "emprego" para o  gato de rua , batizado carinhosamente de Leon. Para acolhê-lo oficialmente, Auriney se reuniu com a diretoria do órgão e todos aceitaram a ilustre presença do bichano, que ganhou crachá de identificação.

O gato de rua Leon com seu crachá da OAB
Facebook/Auriney Brito
O gato de rua Leon com seu crachá da OAB

Leia também: No Dia Mundial do Gato, veja porque cada vez mais os bichanos nos conquistam

O relato de Auriney foi registrado em seu Facebook, onde ele contou que Leon chegou com fome e frio, foi recebido, cuidado, e terá uma casinha nos fundos da instituição, além de ter uma família que vai garantir que ele cresça forte e limpo. Confira o texto completo abaixo:

A postagem já conta com mais de 80 mil compartilhamentos, fazendo com que Leon ganhasse até apelidos. O "advogato" já tem fãs pelo Brasil inteiro, e muitos aplaudiram a atitude de Auriney. "É o que se espera, a defesa de todas as espécies", comenta um internauta. Outros fazem brincadeiras envolvendo a dificuldade de conseguir o certificado da OAB. "Até o gato trabalha na OAB e eu não. Chateado", brincou outro. 

Leia também: Viajar com seu animal é possível. E muito saudável. Confira algumas dicas

Apesar de ter uma casinha nos fundos, o  gato de rua gosta mesmo é de ficar na recepção do local. Alguns dos comentários na postagem diziam que isso poderia ser benéfico para os visitantes da instituição, que quando estivessem estressados, poderiam fazer carinho em Leon.