Tamanho do texto

Comer na posição vertical é uma forma de evitar que o alimento fique parado no esôfago e seja regurgitado

Buck, um Labrador de um ano e cinco meses, sofre de uma doença rara que atrapalha sua alimentação. Sua condição, chamada de megaesôfago , é causada por uma desordem neuromuscular que faz com que os movimentos normais do órgão parem parcialmente ou totalmente. A consequência é a dilatação exagerada do esôfago. 

Leia também: Cadela com condição rara precisa de cadeira especial para comer

Por causa da doença, comer é um verdadeiro desafio para Buck. Todo alimento ingerido fica no esôfago em vez de ir para o estômago, por isso o órgão aumenta de tamanho. Porém, como ele também não funciona normalmente, é comum o Labrador regurgitar o que come. Isso tem causado uma séria perda de peso e o canino quase morreu de fome uma vez.

Labrador com megaesôgafo precisa de cadeira especial para conseguir se alimentar
Reprodução Facebook
Labrador com megaesôgafo precisa de cadeira especial para conseguir se alimentar

A solução para o problema é se alimentá-lo na posição vertical. Sabendo disso, professores universitários e a instituição de caridade Team Edward Labrador Rescue se uniram para desenvolver uma cadeira especial . A intenção é que, comendo dessa forma, a gravidade ajude o bolo alimentar "descer" para o estômago e Buck passe a ganhar peso. 

Leia também: Megaesôfago canino: entenda a doença, seus sintomas e tratamento

Desde que começou a usar a cadeira, o canino nunca mais regurgitou. Seus cuidadores estão oferecendo uma dieta de alta caloria para acelerar o aumento de peso. "Vimos a história do Buck nas redes sociais, e eu sabia que precisava ajudá-lo. Felizmente, Nick Rowan e eu tínhamos experiência para construir a cadeira rapidamente", disse Emma Drinkall, veterinária da Universidade de Nottingham, ao site Metro. 

Ainda não existe cirurgia para cães com megaesôfago, apenas medicamentos, por isso a cadeira tem sido tão importante em sua vida. Inclusive, ela foi projetada para que Emma e Nick consigam adaptá-la conforme Buck cresça e ganhe peso. "Estou muito feliz em ver com o cão ficou confortável na cadeira e que está se alimentando bem", comentou Nick. 

Leia também: Após nove meses, Chow Chow preso por morder policial volta para casa

Pets com essa condição também correm o risco de desenvolver infecções pulmonares graves, pois podem respirar partículas de alimento na hora do vômito. Com a ajuda da cadeira, as chances do Labrador ter outras complicações se tornam praticamente nulas. A tendência é que daqui pra frente ele engorde e tenha uma vida bem saudável. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.