Os cães não devem sair para passear ou ter contato com outros animais sem que antes tenham tomado todas as vacinas
artursafronovvvv
Os cães não devem sair para passear ou ter contato com outros animais sem que antes tenham tomado todas as vacinas

A cinomose é uma doença transmitida por um vírus da família Paramyxoviridae, que atinge os cães, especialmente durante os primeiros meses de vida, quando ainda não completaram o ciclo inicial de vacinas e estão com o sistema imunológico mais frágil.

O vírus da cinomose é bastante resistente e pode sobreviver por um longo período em ambientes frios e secos e até um mês em um clima quente e úmido, o que faz da cinomose uma doença ainda mais comum durante o inverno. Uma vez instalado no animal, o vírus pode atuar em todo o organismo.

Apesar de ser mais comum em filhotes, cães idosos, ou mesmo jovens, que estejam com a imunidade baixa também podem ser atingidos e correm um sério risco de morte. Por isso, a importância de uma boa  alimentação e de manter a cartela de vacinação do pet sempre em dia.

Como é transmitido

A vacinação é o único meio de prevenir a cinomose, assim como diversas outras doenças
FreePik
A vacinação é o único meio de prevenir a cinomose, assim como diversas outras doenças

O vírus pode ficar incubado no animal por um período de três a 15 dias, apresentando os primeiros sintomas após uma ou duas semanas. A transmissão pode ocorrer quando o animal entra em contato com mucosas – quando lambe outros cães, por exemplo – pelas fezes, urina, pelo ar contaminado ou mesmo por objetos que foram expostos ao vírus.

Por isso, mesmo que a cinomose não atinja seres humanos ou gatos, estes podem ser agentes transmissores para outros cães, caso tenham contato com a doença. O tempo de transmissão pode levar até 90 dias, por isso é melhor evitar que o cachorro saia ou tenha contato com outros animais em caso de suspeitas.

Animais entre três e seis meses de idade possuem um maior índice de transmissão e algumas raças são apontadas como mais propensas a doenças, entre elas estão os  Husky Siberiano, Weimaraner, Greyhound, Malamutes do Alaska e Samoieda. No início dos anos 1950 a  raça japonesa Shiba Inu quase foi extinta por um surto da doença.

Sintomas

Sem que esteja devidamente vacinado, o animal não poderá sair de casa
shutterstock
Sem que esteja devidamente vacinado, o animal não poderá sair de casa

Os sintomas podem demorar algum tempo a aparecer e se manifestarem de formas um pouco diferentes, dependendo do estado de saúde do animal, o que dificulta o diagnóstico. Para tirar dúvidas, muitos veterinários indicam exames de sangue ou testes de PCR – comuns em exames de DNA e que se tornaram muito populares pelos testes para identificar a Covid-19.

Os sintomas avançam por diferentes fases: a respiratória, com tosse seca ou com secreção (nasal ou pelos olhos, com mucosa em tons verdes ou amarelados), o cão pode apresentar pneumonia e dificuldade para respirar e também apresentar febre.

Com o avançar da doença ela atinge o sistema gastrointestinal do cachorro, provocando falta de apetite, vômitos, diarreia e dores abdominais. Após essa fase, ela atinge o sistema nervoso do animal, que pode começar a andar em círculos sem motivo, ter paralisia, espasmos e dificuldades para andar. A cinomose também pode apresentar problemas de pele, conjuntivite e lesões na retina.

Você viu?


Tratamentos e cura

Weimaraner está entre as raças com maior propensão para a cinomose
Pixabay
Weimaraner está entre as raças com maior propensão para a cinomose

A cinomose não conta com um tratamento específico, o que o médico veterinário faz é tratar os sintomas da doença de forma individual, administrando antibióticos, antieméticos, anticonvulsivantes e até pomadas e cremes, para o caso de sintomas de pele.

Uma boa suplementação alimentar também faz parte do tratamento, visando aumentar o sistema imunológico do animal  para que outras infecções não se instalem “aproveitando” a fragilidade em decorrência da cinomose.

Quando o animal tem um tratamento adequado e uma boa saúde, ele pode sim sobreviver à doença, contudo a chance de carregar sequelas é quase certa. Tratamentos como fisioterapia e acupuntura ajudam a diminuir estas sequelas e, em alguns casos, reduzi-las a quase zero. Um  exemplo popular é o cachorro Bolt, adotado pela advogada Gabriela Prioli,  inclusive é possivel acompanhar o tratamento do cãozinho pelas redes sociais. 


Prevenção

A única forma garantida de prevenir a cinomose é por meio da aplicação das vacinas (V8, V10 ou V11) que são aplicadas já nas primeiras semanas de vida: sendo a primeira aos 45 dias de vida do animal e outras duas com o intervalo de um mês, após isso, é recomendado que o cão tome uma dose de reforço anualmente.

A vacina possui uma eficacia de até 95%, reforçando que nunca se deve sair com um cachorro para passear ou levar o animal para qualquer local público antes que o ciclo vacinal esteja completo. 

Médicos veterinários alertam para que jamais se inicie um tratamento ou medique o animal de estimação por conta própria ou ofereça qualquer medicamento caseiro. A qualquer sinal de suspeita da doença, o tutor deve levar o animal para um hospital veterinário imediatamente.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários