As mudanças do cotidiano trazidas pelo isolamento do novo coronavírus (Sars-Cov-2) afeta também os animais de estimação , que podem ficar mais estressados e ansiosos. Por isso, os donos precisam ficar atentos a qualquer sinal de mudança de comportamento do pet e se preocupar em manter a saúde mental dele. 

Leia também: Tutores relatam como pets ajudam durante o isolamento social

Cão olhando triste pela janela
shutterstock
Pets podem ficar mais estressados e ansiosos durante o período de isolamento

“Geralmente o animal começa a fazer coisas que não eram comuns antes, como latir mais ou em horários que não o fazia. Também pode passar a ter um comportamento destrutivo e começar a morder ou rasgar as coisas, rosnar, uivar, estranhar as pessoas conhecidas e até se tornar agressivo", explica Luciana Pellegrino, veterinária da Purina. 

A dica da especialista para manter a saúde mental do animal de estimação no período em que toda a família está 24h em casa é criar um ambiente e estabelecer uma rotina com horários para alimentação, carinhos e brincadeiras. Outras atividades que podem ajudar muito são: 

  • Escutar música: além de melhorar o humor, a música ajuda a diminuir o estresse e ansiedade dos bichinhos. O ideal é que a altura seja de som ambiente e as músicas sejam calmas. Algumas plataformas de streaming,  como o Spotify, já têm conteúdo preparado especialmente para os pets com playlists temáticas.
  • Assistir televisão: um pouco de televisão também ajuda – já existem canais dedicados exclusivamente aos companheiros de quatro patas com imagens e sons gravados especialmente para eles. Mas nada de deixá-los muito tempo em frente a tela porque isso também pode prejudicar os bichinhos.
  • Carinhos em forma de massagem: coloque seu gato ou cachorro em uma superfície confortável (como um almofadão, travesseiro ou a sua própria caminha) e comece a fazer carinhos alongados pela área na qual ele mais gosta de receber carinho. Sempre com movimentos gentis, vá aos poucos indo para outras partes do corpo. Fique atento a qualquer sinal de desaprovação do animal ao explorar uma nova área e não insista se ele não gostar. Com apenas alguns minutos o pet irá ficar mais relaxado.

Outros cuidados

A veterinária Luciana Pellegrino ainda afirma que não é saudável que o animal fique o tempo todo junto com o dono ou alguém da família.  Isso pode causar problemas como ansiedade de separação posteriormente. O mais indicado é reservar um espaço onde ele tenha tudo - brinquedos, caminha, água, tapete higiênico - e deixá-lo lá por um tempo, que pode ser aumentado gradativamente. “É importante ele entender que existe uma rotina de trabalho e afazeres pessoais que não os envolvem e isso precisa ficar claro”, explica.

As atividades dentro de casa, sempre com horário para acontecer, também devem ser incluídas no dia a dia. Com passeios mais curtos e diminuição das tividades ao ar livre, o cachorro fica com mais energia e, consequentemente, mais ansioso. Brincadeiras como ensinar novos truques e brincar de buscar objetos são opções boas para entreter o pet

Por fim, mas não menos importante, a veterinária alerta para a importância dos cuidados com a higiene. Caso tenha passeado com o cachorro em ambientes externos – qualquer lugar fora de casa –, o dono deve higienizar as patas com água corrente e um shampoo veterinário ou com sabonete de glicerina neutro antes de deixar ele solto dentro de casa. O mesmo vale para os gatos caso eles resolvam dar um passeio.




    Veja Também

      Mostrar mais