Tamanho do texto

A síndrome aparece quando o bichano salta de grandes alturas sem pensar nas consequências do seu ato

Você já ouviu falar da Síndrome do Gato Paraquedista? O nome pode soar engraçado e não causar espanto num primeiro momento, mas é um problema que acomete muito felinos domésticos, principalmente os que moram em altos prédios. 

Leia também: O pet está arisco? Saiba como lidar com um gato bravo

A Síndrome do Gato Paraquedista , também chamada de Síndrome do Gato Voador, é quando o animal salta de grandes alturas sem imaginar as consequências do seu ato. Isso acontece muito quando o felino está perseguindo outro bicho ou algum objeto e decide pular pela janela para ir atrás do seu objetivo. 

Nem todos os saltos que um bichano dá são considerados uma  síndrome . Quando pulam de grandes alturas, eles conseguem rotacionar o corpo para corrigir a postura, abrir os membros e reduzir a velocidade da queda, de forma que o impacto seja amortecido. O mesmo vale para baixas alturas, pois não demandam esforços para caírem com graça. 

O problema está em alturas intermediárias, já que são altas demais para um salto simples e baixas demais para rotacionarem o corpo a tempo, e alturas extremamente altas, pois o bichano não tem condições de reduzir o impacto, mesmo usando suas habilidades. 

A síndrome aparece quando o felino salta de maneira decidida, sem considerar os riscos de sua decisão, como por exemplo pular de um prédio de 20 andares. O animal entende que é muito alto, mas mesmo assim salta pela janela se estiver perseguindo alguma coisa. 

Gatos mais propensos a desenvolver a síndrome

A Síndrome do Gato Paraquedista, também chamada de Síndrome do Gato Voador, é quando o animal salta de grandes alturas sem imaginar as consequências do seu ato
reprodução shutterstock
A Síndrome do Gato Paraquedista, também chamada de Síndrome do Gato Voador, é quando o animal salta de grandes alturas sem imaginar as consequências do seu ato

Ser fêmea ou macho não é um fator influenciador, mas os gatos não castrados são mais propensos devido o impulso sexual de procurar por uma parceira. É bastante custoso controlar a vontade de se reproduzir e, nessa fase, as tentativas de fugas aumentam e uma opção é sair pela janela ou varanda. 

A idade também torna alguns bichanos mais propensos do que outros, visto que a curiosidade e inexperiência são estimulantes para os mais jovens. Além disso, o impulso sexual é bem mais intenso nessa fase, tornando essa idade a mais perigosa quando se trata da síndrome. 

Leia também: Seu pet se machucou? Confira as dicas de primeiros socorros

Em relação aos filhotes, a predisposição é mais forte devido à inexperiência e a falta de conhecimento de mundo. Nessa idade, a ausência da noção de distância é muito forte, por isso existe o risco de saltarem de uma janela ou varanda sem pensarem nas consequências. É preciso ficar de olho aberto para evitar acidentes graves. 

Contudo, independente da idade ou gênero, a síndrome ainda pode aparecer se o gato não for ensinado a agir como todos os felinos. É importante que ele aprenda a se comportar como a espécie e, principalmente, ter noção de distância. Se não, mesmo o bichano sendo idoso, ainda existe a possibilidade de pular. 

Primeiros socorros em caso de queda

Devido à variedade de possíveis resultados, os primeiros socorros ficam limitados. A recomendação padrão é ligar para a emergência, contar detalhadamente o acontecimento e seguir os passos informados
reprodução shutterstock
Devido à variedade de possíveis resultados, os primeiros socorros ficam limitados. A recomendação padrão é ligar para a emergência, contar detalhadamente o acontecimento e seguir os passos informados

Se você notar que o bichano sofreu uma queda séria, é importante não o pegar no colo ou movimentá-lo, pois isso pode piorar a situação. Ligue para a emergência, conte o que aconteceu e espere as recomendações de como agir. 

Quando o salto ocorreu de uma altura intermediária, há uma grande chance de existir feridas internas e graves. Por isso, não acredite que o gato está bem porque não tem machucados externos, ele ainda precisa de atendimento médico imediato. 

Caso a queda tenha provocado feridas externas, dependerá da gravidade das mesmas e do estado geral do animal. É importante seguir as indicações dadas pela equipe de emergência, afinal pode ser necessário estancar sangue ou imobilizar algum membro até a ambulância chegar.

Leia também: Aprenda a montar um kit primeiros socorros para seu pet

Saiba que, geralmente, as quedas de gatos com síndrome de paraquedista provocam feridas internas, sobretudo a rotura do maxilar e das patas dianteiras, seguidamente de roturas no tórax e abdômen. Essas lesões são as mais preocupantes, então não hesite em ligar para o veterinário. 

Por último, um resultado também provável é o falecimento do bichano. Isso acontece em especial quando a queda ocorreu de uma altura muito elevada. A morte pode ser imediata ou após um tempo devido às feridas internas. 

Por causa da variedade de possíveis resultados, os primeiros socorros ficam limitados. A recomendação padrão é ligar para a emergência, contar detalhadamente o acontecimento e seguir os passos informados. Se você precisar levar o bichano ao veterinário, peça dicas de como realizar o transporte em segurança. 

A vida do seu companheiro estará em suas mãos nesses casos. Portanto, mantenha a calma e siga os passos com prontidão. Quando mais rápido conseguir atendimento médico, maiores são as chances de recuperação. 

Evitando possíveis quedas

Invista em redes de proteção para impedir que o gato pule da janela ou varanda
Reprodução/ Shutterstock
Invista em redes de proteção para impedir que o gato pule da janela ou varanda

A castração é uma forma de reduzir as chances de queda, pois diminui a probabilidade de fuga para ir atrás de uma fêmea. Além disso, você também evita que o animal se reproduza e os filhotes sejam abandonados futuramente. 

Outra dica simples é limitar o acesso às janelas e varandas. Caso não seja possível, invista em redes de proteção em todas as saídas. Isso irá impedir que o pet consiga pular quando não estiver olhando e permitirá que ele mate a curiosidade de conhecer o mundo externo. 

Por fim, certifique-se que o ambiente da casa é suficientemente divertido e atrativo. Compre vários brinquedos, realize jogos interativos, coloque arranhadores pela casa, ou seja, use a imaginação para que o animal não precise buscar diversão do lado de fora. 

Leia também: Redes de proteção em casa evitam acidentes envolvendo os pets

Seguindo essas dicas, dificilmente o animal sentirá necessidade de saltar pela janela e não terá que se preocupar com a Síndrome do Gato Paraquedista

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.