A endoscopia em cães é um exame que permite analisar e diagnosticar alterações no sistema gastrointestinal e respiratório, para que um tratamento seja receitado. É bastante simples e minimamente invasivo, mas é necessário que o paciente esteja anestesiado para evitar desconfortos ou lesões acidentais. Só deve ser realizado por um profissional capacitado. 

Leia também: Veterinária dá dicas de cuidados com cachorro neste verão 

Nesse procedimento, um tubo longo, muito fino e flexível, com uma pequena câmera na ponta, é inserido pela boca do animal. Esse dispositivo, chamado endoscópio, é essencial para que a endoscopia em cães funcione com sucesso. O exame é bastante parecido com o realizado por humanos. 

Além da câmera, que permite ao veterinário enxergar o problema, há um pequeno canal no endoscópio para inserir instrumentos médicos. É por ser um procedimento tão completo que a endoscopia é utilizada no diagnóstico e tratamento de inúmeros distúrbios. 

Além disso, é um exame com vários benefícios para o cão, o dono e o profissional. É rápido, simples, indolor, pouco invasivo, tem um preço razoável e o animal se recupera rapidamente. Não é necessário também muitos cuidados no pré e pós-operatório, o que facilita para todos os envolvidos.

O funcionamento da endoscopia em cães

undefined
reprodução shutterstock
Antes de realizar a endoscopia em cães, o médico pedirá vários exames para descobrir se o cão está apto para passar pelo procedimento, afinal será necessário sedá-lo

O primeiro passo é descobrir se o cão está apto para passar pelo procedimento, afinal será necessário sedá-lo. É bem provável que o médico peça alguns exames para determinar a exata condição de saúde do pet e definir um perfil analítico pré-anestésico de acordo com seu tamanho, características, peso e tipo do animal.

Apesar de ser uma etapa cansativa, é muito importante realizá-la para que o médico tome a melhor decisão durante a endoscopia, de acordo com o metabolismo e as características do bichinho.

Assim que passar pela revisão, o cão deve ser admitido na clínica ou hospital veterinário para receber a anestesia geral. Em poucos minutos o líquido entra no organismo do cachorro e faz efeito. Quando estiver adequadamente sedado, um tubo endotraqueal é inserido para garantir a respiração do paciente. 

Leia também: Cirurgia em animais: como preparar o pet para o procedimento?

Em seguida, o veterinário insere cuidadosamente o endoscópio pela boca do canino e vai guiando a câmera para observar todas as paredes do sistema gastrointestinal e respiratório. A ponta do dispositivo normalmente é lubrificada para ter melhor acesso ao organismo. Na maioria das vezes é preciso inserir uma boa quantidade de ar pela boca para melhorar a visualização. 

Caso seja encontrado um corpo estranho, o profissional pode optar por realizar uma cirurgia ali mesmo e removê-lo. Não é tão estranho encontrar objetos parados no trato respiratório ou no estômago dos cachorros, uma vez que são bem curiosos e podem acabar ingerindo uma peça ou outra. 

Assim que o procedimento terminar, o médico irá sugar o excesso de ar da cavidade gastrointestinal e depois remover com cuidado o endoscópio. Por fim, o animal será levado para um quarto até passar o efeito da anestesia, o que dura em torno de 30 minutos após o fim da endoscopia. O procedimento costuma levar de uma a três horas. 

Se tudo ocorrer bem, o paciente poderá retornar para casa em pouco tempo. Depois é só esperar de três a sete dias para receber o resultado do exame.

Quando é necessário realizar uma endoscopia?

undefined
reprodução shutterstock
Esse procedimento só serve para confirmar ou descartar um possível diagnóstico já suspeitado pelo médico observado em exames de sangue, urina, ultrassonografia ou raios-X

Por mais simples que a endoscopia seja, ela não faz parte dos exames de rotina. Dessa forma, o veterinário só costuma pedir quando observa algo anormal em exames de sangue, urina, ultrassonografia ou raios-X. Esse procedimento só serve para confirmar ou descartar um possível diagnóstico já suspeitado pelo médico. 

Ao menor sinal de anomalia no sistema digestivo ou respiratório, é bem provável que o profissional solicite a endoscopia. O estudo permite observar as membranas mucosas e coletar amostras ou massas anormais para realizar uma biópsia. 

Leia também: Confira as doenças caninas típicas de verão e proteja seu pet

Além disso, esse exame é aplicado como tratamento imediato ou para evitar complicações de certas patologias, como é o caso da torção gástrica e gastropexia. A endoscopia também pode ser aplicada em caso de colocação de tubos intestinais ou gástricos (alimentação enteral), ressecção parcial do pâncreas e abdômen e remoção de corpos estranhos ou massas anômalas.

Fase de recuperação do paciente

undefined
reprodução shutterstock
Evite abraçá-lo ou acariciá-lo antes da consciência voltar e não ofereça água ou alimento. A região da garganta, esôfago, estômago e intestino estarão sensíveis nas primeiras horas

Assim que endoscopia terminar, o cachorro acordará desorientado. O recomendado é não fazer movimentos bruscos e esperar o efeito passar completamente. Evite abraçá-lo ou acariciá-lo antes da consciência voltar e não ofereça água ou alimento. A região da garganta, esôfago, estômago e intestino estará sensível nas primeiras horas.

Por causa disso, só ofereça água em pouca quantidade e 30 minutos após recuperar a consciência. A comida só é recomendada depois de três ou quatro horas, também em pequenas porções. Passado essa fase inicial de recuperação, provavelmente o médico permitirá que o animal volte para casa.

Leia também: O coração do seu pet está saudável? Confira alguns cuidados necessários

Se for preciso realizar a endoscopia em cães , lembre-se de encontrar um profissional e uma clínica confiável. Não deixe a saúde do seu companheiro nas mãos de qualquer pessoa. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários