Luisa Mell cobra posicionamento de empresa aérea após morte de filhote de cachorro
Reprodução/Instagram
Luisa Mell cobra posicionamento de empresa aérea após morte de filhote de cachorro

Na última semana um cãozinho foi enviado por um criador de cães para uma estudante carioca que havia comprado o filhote, o transporte foi feito de avião, o que acabou causando a morte do pet. A ativista da causa animal, Luisa Mell, mostrou sua indignação por meio das redes sociais e cobrou um posicionamento, não apenas da empresa aérea, como de deputados que apoiam os direitos dos animais.

Nos stories do Instagram, Luisa Mell disse: “Deputados da causa animal? Vamos mudar isso daí? Demorou! Desculpa, mas já passou da hora. Agora se elas [companhia áreas] não fazem, vocês têm que fazer!”.

Em seguida, ela conscientiza sobre a compra de animais e os males que essa prática pode causar aos animais, como doenças genéticas pelo cruzamento de cães da mesma família, para manter as conhecidas “raças puras”.

A ativista compartilhou a resposta enviada pela companhia áreas (que pode ser lida ao final desta nota).

Entenda o acontecido

Na última sexta-feira (17), a estudante carioca Gabriela Duque Rasseli acusou a empresa aérea Latam de maus-tratoa aos animais, após o cãozinho da raça Golden Retriever chegar debilitado de um voo de São Paulo para o Rio de Janeiro e falecer momentos depois.

Após a reclamação de Luisa Mell, a empresa mandou uma nota informando o acontecido, dizendo que equipe seguiu todas as normas de segurança durante o transporte do animal. A nota pode ser lida na íntegra:

“Nós da Latam lamentamos muito o que aconteceu e estamos em contato com a cliente Gabriela desde o desembarque do animal, prestando toda a assistência necessária até o momento presente. Informamos que, desde o embarque no Aeroporto Internacional de Guarulhos (SP), o pet foi acompanhado de acordo com os mais rígidos protocolos de segurança, aguardando em ambiente refrigerado até a entrada na aeronave e permanecendo hidratado ao longo do trajeto.

Logo após o pouso, ainda dentro do kennel, nossa equipe do Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro (Galeão) identificou que o animal encontrava-se com sinais de mal-estar e, imediatamente, atuou para que ele fosse transportado a uma clínica veterinária em uma van dedicada e em tempo mais rápido do que o padrão para esta operação. Nossa equipe esteve junto com o pet e sua tutora durante todo o atendimento, e se manteve disponível via telefone após a internação do pet.

Esclarecemos que a Latam obedece às mais restritas normas de segurança para transporte de pets, seguindo procedimentos baseados no Regulamento de Animais Vivos da IATA e tendo protocolos ainda mais rígidos que a portaria 93 do IBAMA, garantindo uma execução segura em todas as etapas do processo de transporte. Salientamos ainda que a operação ocorreu respeitando os intervalos de tempo seguros desde a entrega do pet à equipe da LATAM, inclusive após o desembarque.

Reforçamos que a segurança é um valor inegociável para nós, reiterando nossa solidariedade com a tristeza vivida pela cliente e fazendo tudo que está ao nosso alcance para oferecer o suporte necessário. A Latam permanece em contato com a Gabriela, que sinaliza a sua compreensão ao posicionamento e procedimentos aditados pela companhia”.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários