Passeio com gatos depende do quão habituado o felino está para sair de casa e para o uso de coleira
Pixabay
Passeio com gatos depende do quão habituado o felino está para sair de casa e para o uso de coleira

Gatos são animais que adoram dar escapadinhas vez ou outra para passear, o que não é muito seguro, mas bem difícil de impedir que o façam, dependendo da casa do tutor. Mas, principalmente para quem mora em apartamento, os gatos não têm uma via de fuga tão fácil e ficam trancados o dia inteiro, a menos que os tutores os levem para dar um passeio.

Mas é realmente saudável para os gatos saírem para dar um passeio? Qual é o melhor tempo para passar com o bichano na rua e qualquer gato pode sair para dar uma voltinha? Para responder a essas e outras perguntas, o Canal do Pet conversou com a médica veterinária Mayra Susenko.

Para os cães, além de saudável, é recomendado passeios de ao menos 30 minutos por dia, para que o animal gaste energia, desestresse e faça as necessidades. A veterinária esclarece que, diferentemente dos cães, que adoram um bom passeio, os gatos são animais mais caseiros e seletivos, com personalidade forte e um grande instinto de caça.

Na grande maioria, os gatos são bastante sensíveis ao toque e não gostam de objetos que restrinjam seus movimentos, como é o caso das coleiras. “Por conta disso, eles não são muito fãs de passeios com coleiras, mas isso não quer dizer que o comportamento não possa ser adquirido se o felino tiver esse estímulo (andar com a coleira) desde filhote”, diz.

Para a veterinária, um ambiente bem pensado para o gatinho, com arranhadores, obstáculos e lugares em que ele possa subir e se esconder já suprem quase todas as necessidades de atividades dos felinos, sem estresse.

As melhores coleiras

Passear com o gato na coleira pode ser uma forma de estar mais perto do animal
shutterstock
Passear com o gato na coleira pode ser uma forma de estar mais perto do animal

Para passeios, o recomendado é que o tutor dê preferência aos peitorais específicos para felinos, que são mais adequadas do que as coleiras de pescoço. Dessa forma os gatos ficam mais seguros e se evita que ocorram “puxões” na região sensível que é a garganta, sem risco de provocar sufocamento ou engasgos.

“E a guia não deve ser muito longa e nem retrátil, para que o tutor tenha maior controle sobre o gato”, explica.

O tempo limite para o passeio quem dita é o próprio gato

Mayra afirma que o tempo limite para os passeios depende unicamente da tolerância do bichano. “Os que não estão acostumados a sair provavelmente se sentirão desconfortáveis nas primeiras vezes, por isso o ideal é começar com passeios curtos e aumentar aos poucos de acordo com a adaptação do pet”.

O importante é que não se force o animal a ficar de coleira ou na rua além da vontade dele. Se o pet não curtiu o passeio ou não se adaptou, não force. Caso o pet goste de dar uma voltinha, os melhores lugares para o passeio são ambientes mais tranquilos, como jardins e praças pouco movimentadas, já que os felinos costumam se estressar com maior facilidade com movimentação.

“Se estes ambientes apresentarem locais para ‘exploração animal’, como plantas, bancos e moitas, o passeio fica mais divertido”, conta.

Saindo apenas para apreciar a paisagem

Locais com maior presença de natureza tornam os passeios mais divertidos
Pixabay
Locais com maior presença de natureza tornam os passeios mais divertidos

Os passeios geralmente são para que o animal se exercite e gaste energia, para aliviar o estresse, alguns tutores levam os pets em carrinhos, bolsas ou mochilas especiais para o transporte do pet, mesmo quando o objetivo – que é mais comum – não seja ir até o veterinário, mas apenas dar um passeio com o gato em lugares mais movimentados e que não seja muito apropriado ir de coleira, para isso o pet precisará ser habituado desde filhotes.

“Gatos normalmente não são fãs de sair de casa e, se isso não for muito bem trabalhado com o felino ainda filhote, cada saída de casa tem potencial para se tornar estressante – independentemente de ser com coleira ou caixa/bolsa de transporte”, garante.

Para isso, caso haja necessidade de transporte, estão disponíveis no mercado feromônios que podem ser usados com a finalidade de tranquilizar o animal. “É mais adequado manter um ambiente enriquecido com desafios de escalada e possibilidades de esconderijo para os felinos desestressarem, se distraírem e manterem a forma física” recomenda a profissional.

Quando não se deve sair com o pet

Cuidado com lugares com buracos ou moitas que possam servir de esconderijo para os felinos
Pixabay
Cuidado com lugares com buracos ou moitas que possam servir de esconderijo para os felinos

É importante evitar o estresse de sair de casa quando o gato já é mais idoso, principalmente quando ele não gosta de passear. Animais que não estão acostumados a sair na rua são sempre um ponto de atenção.

“É claro que é importante evitar ambientes muito movimentados e estressantes, mas via de regra não existe uma situação específica, e sim se o felino gosta ou não de sair de casa, e se ele gosta ou não de conviver com pessoas diferentes. A personalidade deles é que deve ser respeitada em primeiro lugar”, afirma.

Como acostumar o gato aos passeios

Gatos devem estar acostumados ao uso de coleira antes de sair para o primeiro passeio
Reprodução Pinterest
Gatos devem estar acostumados ao uso de coleira antes de sair para o primeiro passeio

A veterinária recomenda que o tutor comece com o animal ainda filhote e o deixe passar alguns minutos com uma coleira específica para felinos e estimule que ele desbrave os lugares, mesmo que ainda dentro de casa. Então, aos poucos, apresente novos ambientes, com novos desafios e até mesmo pessoas diferentes para o gatinho.

“Mas sempre com cuidado e respeito à personalidade do felino. O objetivo é tornar o ato de passear algo divertido e não estressante”, recomenda.

Para aproveitar ao máximo os passeios, o tutor deve ir para ambientes com mais natureza presente e o menos movimentados possível, deve ficar atento também aos locais que sejam de fácil acesso e não muito propício para esconderijos perigosos – e serão esses que os gatos vão querer entrar, caso tenha oportunidade.

“Mais importante: entenda os sinais do seu pet sobre estar gostando ou não daquela situação e não force passeios caso não seja da personalidade dele”, Mayra ressalta.

Caso o felino seja do tipo que aprecia um passeio ao ar livre e esteja adaptado ao uso de coleiras, o tutor também deve garantir que o pet esteja com as vacinas em dia, além da vermifugação correta e com antipulgas e anticarrapatos.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários