As orelhas dos cachorros são órgãos complexos que vão muito além da audição
Jawestad/Pixabay
As orelhas dos cachorros são órgãos complexos que vão muito além da audição

A anatomia dos animais é mais complexa do que podemos imaginar e cada detalhe do corpo deles tem funções específicas, o que torna conhecê-los ainda mais interessante. As orelhas dos cachorros, por exemplo, além de um elemento que contribui, e muito, para a “fofurice” deles ainda contribuem para muito em quesitos que vão além do óbvio, que é a audição.

"As características físicas das orelhas dos cães estão relacionadas aos padrões genéticos de cada animal, alguns podem ter orelhas longas, pequenas, caídas, levantadas. É importante compreender a estrutura da região, que é responsável pelo equilíbrio e pela audição canina", conta a veterinária Nathalia Fleming.

A orelha dos cães é dividida em três partes

A orelha dos cães é dividida em três partes
mirkosajkov/Pixabay
A orelha dos cães é dividida em três partes

Ouvido externo: composto pela pina (parte feita de cartilagem, pele e coberta por pelos) e o canal auditivo. O formato da pina, ou pavilhão auricular, é feito para capturar as ondas sonoras e canalizá-las pelo canal auditivo até o tímpano. O tamanho e o formato das orelhas variam dependendo da raça do cachorro. O canal auditivo é mais profundo do que o dos humanos e cria um funil mais eficaz para levar o som ao tímpano. Em média, um cachorro pode ouvir quatro vezes melhor do que uma pessoa, incluindo sons em frequências que os ouvidos humanos não conseguem detectar, como o  som de apitos para cães.

Ouvido médio: inclui o tímpano e uma pequena câmara cheia de ar que contém três pequenos ossos que são o martelo, a bigorna e o estribo, e dois músculos que são a janela oval e trompa de eustáquio – um pequeno tubo que conecta o ouvido médio a parte posterior do nariz, permitindo que a circulação do ar para o ouvido.

Ouvido interno: uma estrutura que inclui o órgão responsável pela audição, chamado cóclea, e o sistema vestibular que é o órgão responsável pelo equilíbrio.

A veterinária explica que, em relação aos tipos de orelha, essas características são determinadas pela anatomia de cada cão, mas a função que exerce é a mesma independentemente da aparência física de cada um.

"As orelhas pequenas e eretas, por exemplo, estão presentes em raças como Yorkshire. Já a orelha pequena e semi-ereta é característica no Bulldogue. Já a orelha grande e ereta é comum no Husky Siberiano. Já cães como Beagle, Basset Hound e Cocker Spaniel têm como característica as orelhas grandes e caídas", exemplifica.

O número de músculos presentes nas orelhas caninas varia conforme a raça, mas há uma média de 18 em cada uma.
shutterstock
O número de músculos presentes nas orelhas caninas varia conforme a raça, mas há uma média de 18 em cada uma.


As orelhas dos cães servem também como uma ferramenta de comunicação , ajudando a identificar como eles estão se sentindo de acordo com a posição. São cerca de 18 músculos em cada ouvido – o que varia de acordo com o tamanho das orelhas do cão, que os permite inclinar, levantar e girar as orelhas em diferentes direções e de forma independente.

Ter uma orelha se movimentando diferentemente da outra ajuda com que os cães possam focar em um determinado som de interesse, ao direcionar uma orelha na direção do som e reduzir os ruídos ao abaixar a outra.

Leia Também

(Continue a leitura logo abaixo)

Leia Também

A superaudição faz com que até mesmo as horas mais calmas da noite sejam barulhentas para os cães, que podem ouvir pulsos de alta frequência do ressonador de cristal usado em despertadores digitais e até vibrações corporais de cupins na madeira.

Além disso, as orelhas também podem auxiliar no poder olfativo dos cachorros, por isso cães farejadores que fazem parte do grupo Hound têm orelhas mais longas, como o Basset Hound, os Beagles, os Bloodhound, entre outros. As orelhas longas desses cães concentram os aromas próximos ao focinho. No Livro dos Recordes existe até uma categoria de “maiores orelhas em um cão vivo”, que atualmente pertence a  um cachorro da raça Coonhound preto e castanho chamado Lou.

Cães com orelhas maiores apresentam maior propensão a infecções
Reprodução/ Redes Sociais
Cães com orelhas maiores apresentam maior propensão a infecções





O canal auditivo dos cães é curvado em quase 90°, tendo o formato de “L”, horizontalmente em direção ao tímpano. Este formato torna exames mais desafiadores e tornam os cães predispostos a uma variedade de doenças e infecções de ouvido por parasitas e fungos.

Entre os sintomas mais comuns de que pode haver algum problema com as orelhas dos cães são coceira excessiva e constante, balançar a cabeça com frequência e odor forte na região, além de secreções escurecidas e sinais de dor quando tocam na orelha do animal.

É preciso realizar a limpeza dos ouvidos dos cães com certa frequência, com cuidado para não utilizar álcool ou soro fisiológico, essas substâncias têm componentes que podem agredir o canal auditivo e a pele dos cães, para isso é indicado usar produtos específicos para este fim, sempre buscando a orientação de um médico veterinário.

"O canal auditivo dos cães é profundo e fechado, o que facilita o aparecimento e replicação de ácaros, fungos e bactérias que podem estimular o desenvolvimento de uma série de doenças, entre elas, a otite. Por isso, é tão importante higienizar corretamente essa região", afirma a veterinária.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários