O verão só chega em dezembro, mas os últimos dias estão sendo tão quentes quanto mesmo durante a primavera. A s pessoas já começaram a sofrer com as altas temperaturas e com os nossos amados bchinhos de estimação isso não está diferente.

Os pets podem sofrer muito em altas temperaturas, e de acordo com a veterinária Thaís Matos, da Doghero, cães ainda mais. "Eles podem apresentar sinais de que estão sofrendo muito com calor e alguns podem até chegar ao óbito", alerta. 

Os pets também podem sofrer muito com altas temperaturas
reprodução shutterstock
Os pets também podem sofrer muito com altas temperaturas

De acordo com a especialista, os cachorros não transpiram como os seres humanos, mas controlam a troca de calor do corpo e conseguem manter a temperatura ideal por meio da respiração. Algumas raças costumam sofrer mais com o calor, como os husky siberianos, são bernardos, berneses e chow chow. Eles tendem a sentir mais calor que os cães de pelagem curta como os vira-latas, pinschers e dachshunds.

As raças braquicefálicas (aquelas que apresentam o focinho achatado), como os pugs, buldogues, boxers e shih tzus, apesar da pelagem curta, também podem sofrer mais com as altas temperaturas. "Essas raças têm maior dificuldade para respirar e também de trocar calor com o ambiente. Por isso, os tutores devem ficar atentos aos sinais do animalzinho", explica. 

Além de conhecer melhor os hábitos, a rotina, a personalidade, as características de cada raça e observar seu comportamento em dias quentes, os pais e mães de pets precisam saber o que pode e o que não pode fazer para ajudar o seu filhote, aconselha a especialista.

Quais sinais indicam que meu pet está sofrendo com o calor?

O ato de respirar rápido com a língua para fora indica não só que o pet está cansado, mas também que pode estar com calor. Esse é o primeiro sinal de que a temperatura pode estar incomodando. Outros sinais de incômodo são:

  • O cão deitar-se em locais com piso frio com a patas traseiras esticadas
  • Beber muita água.
  • Ficar mais quieto que o habitual
  • Procurar sempre locais cobertos sem exposição ao sol, frescos e ventilados

Como deixá-los seguros, saudáveis e longe dessa sensação? 

Para amenizar o sentimento de calor e levar bem-estar aos animais, os tutores devem sempre deixar água fresca à disposição. Durante as altas temperaturas, os pets costumar beber muito mais água e o líquido costuma ficar quente mais rápido. "Uma sugestão é colocar pedras de gelo dentro dos potes para manter a temperatura da água agradável por mais tempo", complementa.

Outra dica é fazer as refeições do pet em horários mais "amenos". O ideal é oferecer a comida nos períodos da manhã ou ao anoitecer. Os passeios são outro fator que também deve sofrer alteração de horário. O ideal é realizá-los antes das 10 horas e após às 17 horas, para evitar que o pet tenha contato com o chão quente, evitando que queimem as patinhas.

Em relação aos banhos, em época de altas temperaturas eles também devem ser mais frequentes. No entanto, é preciso ficar atento na hora de secar o animal. "Mesmo com o calor, o tutor deve secar o pet para que a umidade não colabore na proliferação de fungos e no aparecimento de problemas dermatológicos no cãozinho", alerta.

Em caso de cães com pelos longos, a sugestão é manter a tosa baixa a fim de diminuir o tamanho do pelo e, consequentemente, o calor. "Não se deve retirar toda a pelagem, o ideal é que permaneça pelo menos 5 centímetros de pelo, pois eles atuam como um isolante térmico e evitam que o animal perca ou receba calor em excesso também", diz a veterinária.

Em algumas raças, o ideal é fazer a tosa higiênica na região da barriga, para quando o cachorro deitar no chão, a pele terá maior contato com o piso frio, ajudando-o a aliviar o calor. "Outra opção é deixar a temperatura mais amena com ar-condicionado ou ventiladores ligados no ambiente que o pet está. Assim ele ficará mais refrescado".


    Veja Também

      Mostrar mais