Levar o pet para tomar banho e dar aquela caprichada no visual é bom de vez em quando. Muitos tutores optam por deixar o animal na mão de profissionais para esse tipo de tarefa, e alguns pet shops oferecem um serviço a mais: o feedback sobre o comportamento do animal.

O assunto veio à tona quando a dona de um cão resgatado recebeu um bilhete de advertência falando sobre sua falta de cooperação na hora da tosa . O caso aconteceu nos Estados Unidos e abriu o questionamento: no Brasil os profissionais que tomam conta dos pets na hora do banho também avaliam os animais?

Os animais podem ficar agressivos em um ambiente diferente
reprodução shutterstock
Os animais podem ficar agressivos em um ambiente diferente


Como alguns cães não são muito amigáveis em um ambiente diferente e sem seu tutor por perto, Gabriela Bressan, do pet shop Filhotes & Fricotes localizado no Shopping Iguatemi, em São Paulo, afirma que essa troca de feedback é feita por telefone, com o responsável do animal, quando os funcionários identificam o comportamento. 

“Geralmente a gente não tem problema com os pets, mas se um cão apresenta comportamento agressivo ou stress, paramos o banho e ligamos para o tutor vir acompanhar”, conta. “Na maioria das vezes desmarcamos e remarcamos para o primeiro ou último horário, quando não tem mais outros animais , e nem tantos secadores ligados”, completa.

Você viu?

Leia também: Veterinária alerta sobre os perigos dos acessórios para pets

Já o Crystal Pet & Boutique, que fica na Vila Prudente, também em São Paulo, faz esse contato com a “avaliação” do animal em outras circunstâncias. “Sempre damos o feedback, principalmente quando é primeiro banho em pet shop, se o cão é filhote ou até mesmo se o animal já teve algum trauma em outro lugar”, explica Carolina Pires, gerente do Crystal. Essa avaliação é feita pessoalmente quando o tutor vai buscar o animal de estimação. “Muitos deles perguntam se o cão se comportou durante os procedimentos”, finaliza Carolina.

Frances Marie, veterinária e sócia, do Pet Fun, no Rio de Janeiro, conta que seus funcionários são treinados para lidar com cães e gatos que não cooperam muito bem, mas que às vezes, é necessário tomar medidas mais firmes. "Em alguns casos sugerimos até mesmo que os animais não venham ao pet shop e que tomem banho em casa, no seu ambiente de conforto, evitando assim risco para ele ou os funcionários."

Segundo ela, a comunicação é essencial quando o cão ou gato é considerado "animal de risco". "Sempre nos comunicamos verbalmente, por telefone, ou presencialmente com os responsáveis, alertando-os e orientando sobre a melhor maneira de cuidarem da higiene de seus animais de estimação. Não chamo de advertência, mas sim comunicação e orientação. É nosso dever profissional saber lidar com essas situações e orientar pessoas sobre cada caso individualmente", completa.

Por isso é sempre bom ter certeza que seu animal de estimação não fica estressado durante banho ou tosa, e se esse for o caso, esses estabelecimentos preferem que o tutor avise com antecedência, e se puder, levar uma focinheira para evitar acidentes. Quando for a primeira vez do cão no pet shop , tente ficar lá durante o processo, em um lugar visível para que o animal se sinta seguro. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários