Tamanho do texto

Quando foi resgatado o cachorro ainda enxergava, a perda da visão veio após alguns meses no abrigo

Alex é um Terrier de quatro anos que foi resgatado em outubro por um abrigo no Reino Unido. Esperto e amigável, ele logo se tornou a estrela entre os funcionários do local. Um dia o cão começou a bater nos móveis e nas pessoas enquanto andava. Foi aí que seus cuidadores perceberam que tinha algo de errado, mas não imaginavam que ele teria se tornado um cachorro cego.

Leia também: Convivência entre idosos e animais de estimação faz bem para saúde

Depois de levarem Alex ao veterniário, chegou o diagnóstico: o Terrier havia sofrido um descolamento de retina, o que resultou em que ele se tornasse um  cachorro cego . Infelizmente, segundo os médicos, essa condição é muito difícil de ser curada, e provavelmente Alex continuará cego pelo resto de sua vida.

Alex, o cachorro cego
Instagram/Dog Trust
Alex, o cachorro cego


Leia também: Quantos anos vive um cachorro? Entenda a variação da expectativa de vida

Os funcionários do abrigo Dogs Trust Evesham, em Worcestershire, agora tem a missão de encontrar não somente um novo dono para Alex, mas também um humano que possa ser seu "humano guia", semelhante aos cães-guia que ajudam pessoas cegas. 

Eles procuram pelo dono certo, que tenha um lar que possa receber Alex, e esperam que a falta de visão do cachorro não seja um problema. Emma, uma das funcionárias do Dog Trust, contou ao site Metro qual seria o tipo perfeito de casa para o cão. "Um local calmo, onde não mudem os móveis de lugar e sem muitos novos visitantes."

Ela também fala sobre o aprendizado do cachorro. "Mesmo que Alex tenha aprendido a usar seus sentidos sem a visão, é preciso que seu novo dono tenha paciência e o ajude a se locomover e achar comida, além de se acostumar com o novo lar." 

Leia também: Filhote de pit bull que ficou preso em telhado fica muito feliz ao ver resgate

Sobre a movimentação e brincadeiras do cachorro, Emma diz que ele é inteligente e disciplinado. "Ensinamos ele a levantar a patinha quando percebe que tem um degrau na frente, assim ele não tropeça. Quando quer brincar, utilizamos bolinhas com sinos dentro, para que ele saiba para onde elas estão indo", conta. 

Mesmo tendo se tornado um  cachorro cego da noite para o dia, literalmente, Alex não teve problemas em se adaptar. Os cuidadores provisórios esperam que ele encontre logo um novo lar com alguém que esteja disposto a ser seu "humano guia", além de fazer com que ele seja muito amado.