Tamanho do texto

Essa mutação genética provoca a produção excessiva de melanina, deixando a pele ou a pelagem escuras

Você já ouviu falar sobre melanismo em animais? Provavelmente não conhece por nome, mas com certeza já encontrou bichos com esta condição. O melanismo é uma mutação genética que provoca a produção excessiva, concentrada e considerável do pigmento negro, chamado de melanina. A consequência são seres com pele ou pelagem escurecidas.

Leia também: Heterocromia em cães: conheça as raças propensas a ter essa anomalia

Quando a condição atinge o ser vivo, cria áreas com excessiva pigmentação pelo corpo, fazendo com que a pele, penas ou pelos nasçam pretos ou com manchas escuras. No ser humano, esta mutação é uma doença chamada melanose. Contudo, o melanismo em animais não os afeta de modo negativo, eles podem até serem mais resistentes a patologia. 

Qualquer bichinho pode ser afetado pela condição, já que depende da combinação dos genes. Saiba um pouco mais sobre o melanismo e como ele afeta a pele. 

As causas do melanismo em animais

O melanismo é uma mutação genética que provoca a produção excessiva, concentrada e considerável do pigmento negro, chamado de melanina.
reprodução shutterstock
O melanismo é uma mutação genética que provoca a produção excessiva, concentrada e considerável do pigmento negro, chamado de melanina.

Para entender o que causa o melanismo, é importante conhecer o funcionamento da pigmentação na pele. Pigmentação significa cor e a responsável por colorir a epiderme é a melanina. Ela é produzida por células especiais da pele que, quando não trabalham corretamente, provocam alterações no pigmento de cor.

Além das causas genéticas, motivada pela existência de genes recessivos, a condição também pode derivar de fatores externos. Por exemplo, quando a fêmea vive num ambiente muito quente durante a gestação, o aumento de temperatura ativa os genes. O resultado são transtornos na coloração da epiderme, como acontece no albinismo e melanismo. 

Apesar dessas condições serem opostas, ambas afetam animais e humanos. No caso do albinismo, a mutação provoca a falta de pigmento na pele e, na maioria das ocasiões, nos olhos e cabelo também. Pessoas e bichos albinos têm mais problemas com a exposição ao sol e podem ter um sistema imunológico enfraquecido. 

O mesmo não ocorre com o melanismo. O excesso de pigmentação torna a epiderme mais resiste aos raios solares e, em certos casos, fortalece a parte imunológica. 

Leia também: Por que alguns pets têm olhos de cores diferentes?

Tipos de melanismo

Um exemplo clássico de melanismo animal ocorre no gênero Panthera, especialmente nas espécies leopardo e onça-pintada
Reprodução Pixabay
Um exemplo clássico de melanismo animal ocorre no gênero Panthera, especialmente nas espécies leopardo e onça-pintada

Existem três tipos de melanismo e cada um é motivado por questões diferentes. O melanismo adaptativo, por exemplo, pode ser provocado pela necessidade de adaptação ao meio, algo que será passado de geração em geração. Animais com esse tipo de condição conseguem se camuflar e passar despercebidos durante a caça. 

Já o melanismo industrial está ligado a interferências humanas na natureza. As atividades industriais afetam tanto o ambiente que alguns animais foram obrigados a se adaptarem ao novo espaço para sobreviverem. O fumo e a contaminação são os principais motivadores dessa seleção natural.

Um exemplo clássico de como isso funciona foi observado no Reino Unido, onde o número de mariposas com a coloração escura aumentou consideravelmente. Antes das indústrias, essa espécie era vista principalmente em tonalidades claras. 

Por último, o pseudo-melanismo, que afeta apenas parcialmente o ser. Geralmente é motivado por uma mutação genética. Em determinadas espécies, as manchas e listras caraterísticas aparecem maiores, mais largas e mais escuras. Está presente em alguns raros animais, como tigres, guepardos, leopardos, etc. 

Animais mais afetados pelo melanismo

Apesar dos felinos serem mais afetados pelo melanismo em animais, outras espécies também podem desenvolvê-la.
Reprodução Pixabay
Apesar dos felinos serem mais afetados pelo melanismo em animais, outras espécies também podem desenvolvê-la.

Um exemplo clássico de melanismo animal é o que ocorre no gênero  Panthera , especialmente nas espécies do Leopardo e da onça-pintada, onde os exemplares melânicos são apelidados de "pantera negra". No Brasil, o fenômeno é visto no jaguar, em que a coloração amarela é substituída por pelos escuros. 

Já na Malásia e sudeste Asiático, metade dos indivíduos de leopardos possuem tal anomalia, o que pode ser explicado como maior resistência aos vírus. Como visto, os felinos são os mais afetados pelo melanismo, mas não os únicos. Outras espécies também são atingidas, como a Serpente Real Mexicana, Porquinho-da-índia negro, Lobo negro e Borboleta negra. 

Leia também: Por que alguns pets têm olhos de cores diferentes?

Se seu bichinho nascer com essa anomalia, não precisa ficar preocupado. O melanismo em animais não afeta em nada na saúde, permitindo que o peludo tenha uma vida normal. 

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.