Epilepsia canina, como cuidar do seu amigo em casos de crise
reprodução shutterstock
Epilepsia canina, como cuidar do seu amigo em casos de crise

Existem inúmeras doenças que afetam tanto seres humanos como os seus animais de estimação . Entre elas está a epilepsia, uma doença neurológica caracterizada por crises convulsivas recidivantes (que são recorrentes), com ou sem perda de consciência.

A epilepsia pode ser idiopática, ou seja: o animal pode ter crises convulsivas sem uma lesão estrutural identificada. Acredita-se que a doença possa ter origem genética - por isso não é recomendado que se cruzem animais com os sintomas da doença. A doença também pode ser adquirida por fatores externos, como agressão cerebral prévia infecciosa, inflamatória, metabólica, neoplástica, tóxica ou traumática.

Entre os fatores mais comuns para o desenvolvimento da epilepsia em cães estão:

  • Fator hereditário: uma das causas mais comuns e que pode aparecer até os cinco anos de vida.
  • Infecção e tumores: atenção redobrada se o pet já teve doença causada por vírus, bactéria, fungo, protozoário ou tumores que atacaram o sistema nervoso.
  • Problemas cardíacos: problemas vasculares podem desencadear uma crise convulsiva nos peludos.
  • Acidentes como atropelamentos, quedas bruscas ou de grandes alturas que causam traumas no sistema nervoso.
A epilepsia pode vir de diversos fatores, como quedas bruscas e de grandes alturas
reprodução shutterstock
A epilepsia pode vir de diversos fatores, como quedas bruscas e de grandes alturas

Um dos fatores para identificar se o seu cachorro pode ter uma crise é observando o comportamento do pet. A médica veterinária Raquel Sillas explica que o animal pode apresentar alterações comportamentais, como se esconder, ficar seguindo o tutor, ganir ou parecer inquieto e assustado.

Em caso de crise, a veterinária explica que, ao contrário do que se faz com seres humanos, não se deve puxar a língua do animal e nem colocar a mão na boca. Devido aos movimentos involuntários, o cachorro pode acabar mordendo a língua ou a mão do tutor, causando ferimentos sérios para ambos. O recomendado é colocar uma almofada ou travesseiro sob a cabeça do pet, para evitar que ele fique se batendo no chão.

Você viu?

Se possível, o tutor deve segurá-lo no colo, com firmeza, para que o pet não se machuque. Após a crise, levar o animal ao veterinário imediatamente.

Como prevenir futuras crises?

Durante um ataque epilético, o animal perde a consciência, cai de lado e os movimentos involuntários começam
reprodução shutterstock
Durante um ataque epilético, o animal perde a consciência, cai de lado e os movimentos involuntários começam

De acordo com a profissional, o veterinário deve investigar a causa do acontecido minuciosamente, para assim poder indicar o melhor tratamento possível para a epilepsia do cachorro. O tutor também precisará evitar objetos que possam machucar o animal em caso de eventuais crises.

A epilepsia não tem cura, mas, seguindo o devido tratamento, pet e tutor podem ter uma vida perfeitamente normal, repleta de brincadeiras, passeios e tudo o que gostem de fazer. Mesmo que alguns anticonvulsivantes causem um pouco de sonolência, isso não interfere nas atividades cotidianas dos animais.

Em casas com escadas e piscinas, os tutores devem redobrar a atenção, para que o cachorro não sofra consequências fatais durante uma crise, como rolar escada abaixo ou se afogar.

A epilepsia canina é uma doença comum e não transmissível. Não se deve abandonar o pet ou o isolá-lo do convívio com os outros animais. Basta fazer o acompanhamento com o veterinário que todos terão uma vida normal e feliz.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários