Tamanho do texto

As substâncias produzida pelos próprios animais como forma de comunicação e transmissão de sensações são sintetizadas em laboratórios e podem ajudar um muitas situações de estresse do pet

Muitos cães e gatos podem mostrar um  comportamento mais agitado ou estressado - o que muitas vezes não faz bem para a saúde deles - sem motivo aparente. Precupados, alguns tutotres não sabem o que fazer, mas uma descoberta recente do mercado veterinário pode ajudar esses bichinhos a vive melhor: os  feromônios sintéticos.

Jorge Morais, fundador da rede Animal Place, explica que os feromônios "São  substâncias químicas que os animais liberam com a função de estabelecer a comunicação entre eles, transmitindo sensações e informações. Eles servem para tranquilizar, acalmar e marcar território". O veterinário ainda dá um exemplo na prática: "Para os gatos a liberação de feromônios esfregando as glândulas da região do pescoço e do focinho em móveis e em pessoas é uma forma de mostrar para os outros pets que aquilo é deles". 

gato batendo cabeça arrow-options
shutterstock
Gato marcando território

Sabendo da importância dos feromônios, alguns pesquisadores identificaram os principais e os sintetizaram para o uso em tratamentos que pretendem acalmar os pets . "São três feromônios felinos (linha Feliway) e um canino (Adaptil) que são utilizados por veterinários de todo mundo”, explica Denise Theodoro da Silva, veterinária técnica de campo da Ceva Saúde Animal, laboratório que produz a substância. 

Esses  feromônios sintéticos são utilizados em difusores e aromatizadores de ambiente para acalmar animais, já que essa substância irá transmitir a mensagem de tranquilidade para eles.

difusor sendo colocado na tomada arrow-options
Shuttersock
Os feromônios são usados em difusores


O Adaptil do Ceva, por exemplo, foi criado com base em um odor produzido por cadelas durante a amamentação que faz com que os cães se sintam seguros, protegidos, mais confortáveis e confiantes. Costuma ser indicado para socialização de filhotes, mudança de casa, estadia em hotéis,  ambientes barulhentos (fogos de artifício e festas) e para o pet que fica sozinho em casa e tem ansiedade de separação. 

Jorge Morais também indica o uso do feromônio sintético para a chegada de um novo membro na casa. “Normalmente quando você tem a introdução de um novo indivíduo no lar, para que ele seja aceito de forma melhor e mais tranquila, pode-se investir nesse feromônio, assim, ele reconhecerá esse novo ambiente como seu, evitando stress entre os pets.”

O veterinário ainda ressalta que não existe contraindicação e nem superdosagem da substância. “Normalmente o animal percebe e absorve aquilo que os sensores dele conseguem captar por meio do olfato. Eu desconheço casos que tenham causado algum malefício para o animal.” Porém é sempre recomendado buscar auxílio do profissional que conhece o pet para ter certeza de que o uso é seguro.