Tamanho do texto

Pulgas e carrapatos são os mais conhecidos, mas os parasitas internos também são muito comuns e tão perigosos quanto os externos

Parasitas internos e externos  estão entre os problemas mais comum em animais de estimação e podem causar sérios problemas de saúde. Pulgas, carrapatos e vermes são os mais famosos, mas Ricardo Cabral, veterinário da Virbac, explica que "Cada um tem sua característica própria, ciclo de vida e forma de contágio diferente, por isso, é muito importante entender suas particularidades para prevenir o pet de cada um deles da melhor forma”. 

Leia também: Vídeo de gata obesa se recusando a fazer exercício viraliza e abre discussão

Com os filhotes a atenção deve ser redobrada. “É uma idade onde o animal não tem um sistema imunológico competente, que ajuda a agir contra verminoses. Se houver uma grande quantidade de parasitas no filhote, podem ocorrer problemas mais graves como anemia, má nutrição, subdesenvolvimento e outras consequências”, afirma Ricardo.

 cães e gatos arrow-options
shutterstock
Parasitas podem atingir cães e gatos de qualquer idade


Conheça os parasitas internos e externos  que podem atingir o seu animal de estimação. 

Parasitas internos

Vermes intestinais e giárdia

As lombrigas (Ancylostoma ou Ascarídeos) são as mais conhecidas, mas o Dipylidium caninum também é um dos vermes que mais atinge cães e gatos . Esses dois se alojam no intestino delgado do pet e trazem diversos problemas. A giárdia, por outro lado, é um protozoário que entra no organismo do animal causando diversas infecções. 

A contaminação ocorre por via orofecal, ou seja, quando um cão come as fezes contaminadas ou algo sujo com ela e se torna um hospedeiro do verme. Isso pode acontecer em qualquer época do ano, independente de temperatura ou clima. 

Os principais sintomas são: diarreia, pelagem opaca, fraqueza, apatia, vômito, tosse, perda de apetite e peso. Para tratar o problema, o uso de vermífugos é indispensável.

Verme do coração

Transmitida pela picada de um mosquito, esta é uma das mais perigosas doenças em cães , já que no início pode não ter nenhum sintoma. Também conhecida como Dirofilariose Canina, o problema é causado por um parasita que atinge o sistema cardiopulmonar de cachorros.

O inseto transmissor costuma se reproduzir mais nas épocas de calor e chuva, além de preferir viver em locais com matas. Assim, caso você viva ou vá passear com o pet em uma praia, por exemplo, é importante protegê-lo com produtos inseticidas. Os vermífugos servem para prevenir e tratar o problema. 

Os principais sintomas são: respiração acelerada ou respiração curta e rápida, tosse e cansaço fácil, além de perda de peso, apatia e fraqueza. Quando os vermes adultos se alojam no coração, os sintomas de insuficiência cardíaca como tosse e cansaço fácil podem ficar mais intensos.

Leia também: Na moda para bebês, colar âmbar báltico está sendo usado em pets; isso pode?

Parasitas externos

Pulgas e carrapatos

Todos os donos sabem que mesmo com todos os cuidados as pulgas e carrapatos podem trazer problemas para os animais, principalmente para aqueles que costumam passear. “Os carrapatos são aracnídeos que se alimentam do sangue do hospedeiro. Já as pulgas são pequenas e ágeis, o que as tornam esquivas e difíceis serem visualizadas”, explica Ricardo.

Porém esse não é o problema mais grave: pulgas e carrapatos são transmissores de doenças sérias em pets. Esses parasitas também gostam de épocas quentes, mas em um país como o Brasil, que não tem suas estações muito bem definidas, eles costumam estar sempre presentes em áreas urbanas e rurais.

O principal sintoma é a coceira, facilmente identificada. A maioria dos pets é alérgica à saliva de pulgas e carrapatos, e por isso as picadas vêm acompanhadas de problemas dermatológicos.

“95% das pulgas estão no ambiente, na forma de ovos e larvas. Por isso é muito importante que haja o controle ambiental frequentemente”, diz o veterinário. Além disso, é preciso tratar todos os animais da casa, mesmo que apenas um esteja infestado. “Por exemplo, se o tutor tem um cachorro e um gato e trata só um animal , o outro também pode ser fonte de re-infestação”. O tratamento pode ser realizado através de produtos antiparasitários que podem ser encontrados em forma de spray, pipeta e coleiras.