Tamanho do texto

Traqueobronquite infecciosa em cachorros e rinotraqueite em gatos são as doenças para ficar de olho nessa época do ano

As temperaturas mais baixas do inverno podem ser muito boas para animais de raças típicas de locais frios. Para os cães, principalmente, - como Samoida e Chow Chow - a disposição é maior e a época se torna ótima para uma rotina de atividades físicas. Mas o cenário não é o mesmo para os pets filhotes ou idosos que ficam mais vulneráveis a doenças típicas da estação. 

 Além do aumento da dor nas articulações de pets mais idosos , é importante se atentar a traqueobronquite infecciosa em cachorros e, nos felinos, a rinotraqueite. Em cachorros, os sinais são parecidos com o da gripe: tosse seca, secreções nasais, espirros e a impressão de que o animal está engasgando. No caso dos gatos é parecido, somando falta de apetite e febre.

cachorro vestindo casaco
shutterstock
O inverno pode ser prejudicial para a saúde de muitos cães e gatos

A médica veterinária do Hospital Veterinário Cão Bernardo, Carolina Ferreira, conta que com alguns cuidados é possível evitar as doenças em cães e gatos nos dias mais frios. “Uma das tarefas mais importantes é não deixar que o pet tome chuva ou fique muito exposto ao vento. Para gatos, por exemplo, é importante não deixar a cama deles em contato direto com o chão”, indica. 

Outra dica da médica veterinária é a vacinação. Além daquelas que os animais precisam tomar durante o ano, há ainda as voltadas para prevenção das viroses comuns do inverno. “As temperaturas favorecem a proliferação, por isso as vacinas contra a traqueobronquite infecciosa canina, e a vacina V3 e V4 para os gatos, que protegem a parte respiratória e ocular, são importantes”, afirma Carolina. 

Leia também: Cuidado com o cotonete! Uso pode piorar quadro de otite canina

Além dos cuidados com a exposição ao frio e vacinação, o dono deve estimular o consumo de água e ficar atento à constância dos banhos, que não devem ser descartados durante esta época do ano. O que pode acontecer é a diminuição da frequência de acordo com orientação do veterinário que acompanha o pet. 

As roupas também podem ajudar os pets nesse período, mantendo o calor, principalmente nos animais com pelos curtos ou que não possuem subpelos. “É importante escovar os pelos para evitar proliferação de fungos, além de trocar as roupinhas a cada dois dias, para evitar acúmulo de sujeira e umidade”, finaliza Carolina.