Tamanho do texto

Essa doença é uma infecção que atinge a pele dos roedores e, quando não tratada, pode se convertem em epidemia

Sarna em coelhos é uma infecção perigosa que atinge a pele dos roedores. É bastante comum em climas mais temperados e úmidos, podendo trazer consequências não apenas para os coelhos, como também para cachorros e gatos que vivem ao redor do animal infectado. Pode se manifestar também em fazendas ou bichos silvestres, originando-se em locais de higiene precária.

Leia também: Vacinas para coelhos: quando dar e quais são as mais importantes

A sarna em coelhos afeta animais de todas as idades e sexo, mas é preciso ficar muito atento aos sintomas de infecção. Esses pequenos mamíferos são muito habilidosos em esconderem sinais de doença para não parecerem fracos diante dos predadores, e esse comportamento se mantém mesmo vivendo na segurança de casa.

Portanto, a recomendação é ficar atento às mudanças de conduta para conseguir detectar a patologia a tempo. A sarna é uma doença perigosa que pode levar um coelho à morte em poucas semanas. Além disso, quando não tratada a tempo, pode se converter em epidemia. 

Tipos de sarna em coelhos

Sarna em coelhos é uma infecção perigosa que atinge a pele dos roedores. É bastante comum em climas mais temperados e úmidos
reprodução shutterstock
Sarna em coelhos é uma infecção perigosa que atinge a pele dos roedores. É bastante comum em climas mais temperados e úmidos

Existe mais de um tipo de sarna, apresentando sintomas específicos e causadas por parasitas diferentes. Normalmente, a diferença entre elas está no local de ação do agente. Conheça um pouco de cada tipo. 

  • Sarna auricular

Causada pelo parasita Psoroptes communis, essa enfermidade afeta o pavilhão das orelhas, atingindo a parte profunda da pele. Os sintomas mais comuns são: inquietação, coceira, crostas, acúmulo de cera e mau cheiro. Quando não tratada, pode derivar em otite e provocar queda de pelo. 

  • Sarna sarcóptica

O ácaro Scabei sarcoptes, agente causador, penetra profundamente na pele e causa lesões primeiramente no focinho e patas, e posteriormente se prolifera para o restante do corpo. As lesões características da doença são formação de crostas brancas nos olhos, ouvidos, dedos boca e orelha, podendo em casos graves atingir os órgãos genitais.

Dentre os sintomas, é comum notar mau cheiro nas zonas afetadas, coceira, queda de pelo e rachaduras na pele que provocam sangramento.

  • Sarna notoédrica

Essa doenças é causada pelo Notoedres cali e afeta a cabeça do roedor. Os sintomas são parecidos com a sarna sarcóptica, ou seja, crostas, mau cheiro, queda de pelo e coceira. 

  • Sarna corióptica

Provocada pelo ácaro Chorioptes cuniculi, a sarna corióptica também afeta as orelhas, mas em menor intensidade. Os sintomas se assemelham da sarna auricular: coceira, crostas, acúmulo de cera e mau cheiro

  • Sarna demodécica

Esse tipo de sarna ataca as camadas mais profundas da pele e é causada pelo Demodex cuniculi. As consequências da doença são espessamento da derme, lesões nas orelhas, pescoço e face e queda de pelo. 

Leia também: Mas afinal, coelho come ou não cenoura?

Mesmo existindo vários tipos de sarna, alguns sintomas são semelhantes, como coceira, mudanças negativas na aparência do pelo, mal-estar e alterações no comportamento. De todos, a coceira é o mais preocupante, pois coçar constantemente as zonas com crostas desencadeia o aparecimento de outras infecções. 

Quando ignorado, as feridas podem se abrir e piorar, ficando com pus e sangue. Tais sinais são importantes estar atentos para recorrer a um veterinário o mais rápido possível. 

Formas de contágio

A sarna é uma doença perigosa que pode levar um coelho à morte em apenas umas semanas. Além disso, quando não tratada a tempo, pode se converter em epidemia
reprodução shutterstock
A sarna é uma doença perigosa que pode levar um coelho à morte em apenas umas semanas. Além disso, quando não tratada a tempo, pode se converter em epidemia

Em geral, o contágio acontece de um coelho infectado para outro saudável. O primeiro animal hospedeiro contrai a doença de um ácaro e, ao conviver com outros da mesma espécie, dissemina o parasita no ambiente. 

Assim que o ácaro se alojar na pele, o macho irá viver na superfície enquanto a fêmea abrirá buracos na pele para colocar seus ovos. Esse parasita vive no máximo por três semanas. 

Contudo, o contato direto não é a única forma de contaminação. Os ácaros podem ser transportados pelo vento de um ambiente infectado para um limpo ou o ser humano é usado de "transporte" quando vive em locais com sarna. 

Diagnóstico e tratamento da doença

Evite a todo custo remédios caseiros ou tratamentos recomendados por pessoas inexperientes. A sarna em coelhos deve ser curada com medicamentos apropriados e com supervisão médica.
reprodução shutterstock
Evite a todo custo remédios caseiros ou tratamentos recomendados por pessoas inexperientes. A sarna em coelhos deve ser curada com medicamentos apropriados e com supervisão médica.

Ao notar sinais de doença em seu coelho, leve-o ao veterinário para diagnosticar o problema. No caso da sarna é realizada uma raspagem para determinar o tipo de ácaro com a observação no microscópio. Quando detectado a tempo, o tratamento é rápido e dura apenas algumas semanas. 

O medicamento mais utilizado é a ivermectina, administrado por injeções subcutâneas de acordo com o peso do animal. Outras opções são os remédios monossulfiram e o fipronil. O veterinário irá indicar qual tratamento é o melhor a partir do tipo de sarna e extensão da doença.

O tratamento determinado deve ser acompanhado de outros cuidados diários. É importante oferecer alimentação de qualidade, manter a higiene da gaiola, dos objetos do coelho e dos ambientes nos quais possam alojar ácaros, descartar corretamente as fezes, eliminar restos de pelo e dar banho usando shampoo apropriado.

Leia também: Conheça as principais doenças que atingem o coelho

Evite a todo custo remédios caseiros ou tratamentos recomendados por pessoas inexperientes. A sarna em coelhos deve ser curada com medicamentos apropriados e com supervisão médica.