Tamanho do texto

A escabiose canina é o tipo de sarna mais comum em cachorros, podendo ser transmitida para seres humanos

Existem três tipos de sarnas que acometem os cachorros: a otodécica (ou sarna de ouvido), a demodécica (ou sarna negra) e a sarna sarcóptica - também conhecida como escabiose. Ela é tida como o tipo mais comum de sarna em cachorros e a única que pode ser transmitida dos pets para os seres humanos, sendo classificada assim como uma zoonose.

Leia mais:  A sarna negra provoca manchas vermelhas na pele do cão e queda de pelo

A escabiose canina é uma doença quase que exclusivamente canina, raramente atingindo outros animais domésticos - como os gatos. Ela é causada pelo Sarcoptes scabiei , um ácaro minúsculo que pode atingir os pets independente da idade, porte ou raça.

Como ocorre a contaminação?

No momento da contaminação, o ácaro fêmea "escava um túnel" na pele do animal, depositando ovos conforme se locomove. O período de incubação de cada ovo pode variar entre 3 e 5 dias, essa uniformidade tanto da postura de ovos quanto do período de incubação, pode garantir que uma infestação consiga gerar larvas de uma mesma fêmea por até dois meses. Sendo que um único agente transmissor consegue permanecer no ambiente por até 21 dias.

Assim como as pulgas, o ácaro também infesta o ambiente onde se encontra, principalmente objetos como mantas, almofadas e sofás, ampliando a sua capacidade de transmissão.

Quais são os sintomas e tratamentos da escabiose?

Os túneis - feitos pelo ácaro -, causam queda de pelo, pele avermelhada, crostas, borbulhas e escoriações. Mas principal característica da escabiose é a coceira intensa que ela provoca, maior do que os outros tipos de sarna. Tal coceira é tão acentuada que leva o cachorro a se ferir com as próprias patas - e até mesmo a se morder.

A escabiose canina pode causar queda de pelo e lesões na pele dos pets.
Reprodução/ Shutterstock
A escabiose canina pode causar queda de pelo e lesões na pele dos pets.


O método de diagnóstico mais usado pelos veterinários consiste em raspar a pele do animal e a colocar em um microscópio, tentando assim visualizar o ácaro. Outros sinal, chamado de "reflexo otopedal", é quando o pet se coça após ter a ponta de suas orelhas friccionadas.

O principal tratamento consiste na aplicação de produtos que matam o ácaro. Esses que variam, indo desde injeções, remédios orais ou shampoos. Mas atenção, esses remédios precisam ser prescritos por médicos veterinários responsáveis! Alguns produtos, como os escabicidas, podem ser letais para algumas raças de cães de pastoreio; como Sheepdog, Collie, o Border Collie dentre outros.

Veja mais:  Você conhece as doenças de pele em cães que são mais comuns?

Como a escabiose atinge os seres humanos?

A atuação do ácaro nos seres humanos é semelhante aos animais. A doença é extremamente contagiosa, sendo facilmente transmitida entre familiares e pessoas que frequentam o mesmo espaço (como escritórios e escolas). Os seus sintomas mais comuns são:

  • Coceira, geralmente intensa e que piora durante a noite;
  • Presença lesões, como pontinhos ou bolinhas com relevo, que surgem principalmente nas dobras da pele;
Um dos sintomas da escabiose, quando contraída por seres humanos, são bolas vermelhas pelo corpo.
Reprodução/ Shutterstock
Um dos sintomas da escabiose, quando contraída por seres humanos, são bolas vermelhas pelo corpo.


O ácaro prefere regiões quentes, portanto existem algumas regiões mais propensas a serem atingidas, como:

  • Cintura;
  • Cotovelos;
  • Dedos das mãos e pés;
  • Punhos;
  • Axilas;
  • Parte inferior das nádegas;
  • Região genital (no caso dos homens);
  • Seios (no caso das mulheres).

Leia mais:  Queda de pelo e muita coceira? Saiba como tratar a dermatite canina

A doença pode evoluir devido a falta de tratamento ou condições de risco (como sistema imunológico fraco e alta idade) até a chamada " escabiose crostosa" ou "sarna norueguesa". Nesses casos, uma série de crostas duras aparecem na pele do hospedeiros. Ela possuem uma aparência acinzentada e quebram facilmente quando tocadas. Nesse estágio da patologia, a transmissão se torna ainda mais fácil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.