Tamanho do texto

Muitas das doenças de carrapatos que atingem os cachorros também podem ser transmitidas para seres humanos

Os parasitas são uma das principais preocupações para os donos de animais. Além de causar grande incômodo para os pets, eles têm a capacidade de infestar todo um ambiente e desestabilizar completamente a vida da família. As fêmeas de algumas espécies de carrapatos chegam a consumir 8 ml de sangue por dia. Dependendo do tamanho do cachorro e da infestação, é suficiente para matar o animal devido a perda de sangue. Além disso, enfermidades, como as doenças de carrapatos, também podem infectar os bichos. 

Leia mais:  Carrapato em cães: conheça os riscos e saiba o que precisa ser feito

As doenças de carrapatos são transmitidas através da picada, sendo que enfermidades podem atingir até mesmo os humanos! No interior do parasita podem sobreviver diversas bactérias, que geralmente são as responsáveis pelas infecções. O melhor método de prevenção é erradicar esses ácaros do ambiente!

Quais são as doenças de carrapatos?

É preciso conhecer as doenças, assim como os seus sintomas para ajudar o diagnóstico e preservar a saúde do seu pet!

Carrapatos podem ser os vetores de diversas doenças.
Reprodução/ Shutterstock
Carrapatos podem ser os vetores de diversas doenças.


Babesiose

A babesiose é transmitida pelo Rhipicephalus sanguineus (também conhecido como carrapato-vermelho-do-cão), uma espécie comum nos grandes centros urbanos. Ao contrário da maioria dos carrapatos, ao sair do hospedeiro o Rhipicephalus procura ambientes altos, de preferência próximos ao ambiente onde os animais ficam e dormem.

As fêmeas podem por entre 2000 a 3000 ovos por dia e, quando adulto, o parasita consegue sobreviver até 19 meses sem se alimentar!

A transmissão da babesíose se dá quando o carrapato pica um animal doente e depois pica outro sadio. Os sintomas mais comuns da doença incluem febre, anorexia, urina escura, mucosas pálidas ou amareladas, depressão, isolamento dos demais animais e falta de interação com os tutores.

O quadro clínico da doença pode ser dividido em 4 formas:

Hiperaguda:  Essa manifestação costuma atingir principalmente cães recém-nascidos e filhotes, devido ao seu sistema imunológico ainda precário. Os sintomas são mais evidentes nessa fase.
Aguda:  Nesses casos a alteração da mucosa acontece com mais frequência e exames de sangue podem apontar anemia.
Crônica:  Esse quadro costuma se desenvolver quando o animal já está infectado a muito tempo. Sintomas como depressão e fraqueza se tornam mais nítidos.
Subclínica:  Na situação subclínica os sintomas costumam não ser tão aparentes, chegando ao ponto de não serem observados pelos tutores. 

A atuação da doença se dá nos glóbulos vermelhos do pet, podendo danificar o fígado, os rins e o baço. Em casos mais graves, quando problemas neurológicos se manifestam, o animal pode morrer em até 4 dias. O tratamento da  babesiose se dá pela ministração de medicamentos próprios por um veterinário. 

As doenças de carrapatos chegam na corrente sanguínea do cão através da picada.
Reprodução/ Shutterstock
As doenças de carrapatos chegam na corrente sanguínea do cão através da picada.


Erliquiose

A erliquiose é outra doença que tem como seu principal transmissor o carrapato-vermelho-do-cão, mas transfusões sanguíneas também podem servir como fonte de contágio.

Os humanos também podem ser contaminados por essa enfermidade caso sejam mordidos pelos carrapatos. Os principais sintomas nos animais são falta de apetite, perda de peso, febre, secreções e hemorragias nos olhos e nariz, dificuldade de respirar e hematomas na pele.

Caso a doença não seja tratada adequadamente os sintomas pioram e se tornam semelhantes a meningite humanas. Nesses casos, o animal pode apresentar alteração dos sentidos e percepção, formigamento nos membros, falta de coordenação nos movimentos, alterações no humor, perda de consciência, demência e até mesmo começar a mancar. A intensidade dessas manifestações depende de fatores específicos de cada animal, um cão com imunidade baixa ou mais velho pode apresentar os sintomas mais rapidamente.

O diagnóstico rápido  é a principal maneira de evitar o falecimento do animal. Caso a doença não atinja as meninges é capaz que o pet recupere completamente a sua qualidade de vida.

Veja também:  8 maneiras de proteger o animal de estimação de paralisias

Febre maculosa

A febre maculosa é transmitida principalmente pelo Amblyomma cajennense (também conhecido como "carrapato estrela"), parasita geralmente encontrado em capivaras e animais de grande porte - como os cavalos. Ele costuma se aglomerar em locais de sombra ou de passagem de seus hospedeiros. 

Para que a transmissão da febre maculosa ocorra, são necessárias no mínimo 6 horas de fixação do parasita em seu hospedeiro. O contágio mais comum é quando o carrapato ainda é jovem, no estado de larva ou ninfa, pois quando é adulto a sua picada é dolorosa de modo que ele é rapidamente percebido e removido. 

Os sintomas da doença, que também pode ser transmitida para seres humanos, são febre elevada e de início súbito, dor de cabeça intensa, dor muscular, dor nas articulações, náuseas, vômitos, diarréia, manchas vermelhas pelo corpo, cansaço e fraqueza.

Se não diagnosticada, a febre maculosa pode matar o hospedeiro em até 2 semanas!

Possíveis alterações físicas e comportamentais do seu cachorro pode indicar a presença de alguma das doenças de carrapatos.
Reprodução/ Shutterstock
Possíveis alterações físicas e comportamentais do seu cachorro pode indicar a presença de alguma das doenças de carrapatos.


Doença de Lyme

O principal vetor da doença de Lyme é o carrapato Ixodes ricinus. Os parasitas podem chegar até os 10 mm de comprimento quando alimentados e são desprovidos de olhos, tendo como principal sistema sensorial o tato de suas patas dianteiras.

A doença é mais comum nos Estados Unidos e em algumas regiões da europa.  Os sintomas precoces são protuberâncias avermelhadas na região da picada, manchas na pele,  febre, calafrios, fadiga, dores no corpo e dor de cabeça .

Com o desenvolvimento da doença, quadros mais perigosos como meningite, paralisia temporária de um lado do rosto, dormência ou fraqueza dos membros, além de movimentos musculares prejudicados aparecem no paciente. Sintomas menos comuns incluem problemas no coração, inflamações nos olhos e fígados e fadiga severa.

Como evitar as doenças de carrapatos?

A presença de carrapatos no ambiente sempre será um fator de risco para as doenças. Entretanto, você ou o seu pet podem ser contaminados durante atividades ao ar livre. 

Evite que o seu pet chegue perto de animais desconhecidos, sempre cheque o seu pelo a procura de parasitas e evite regiões com mato ou condições sanitárias precárias. Sempre que for chegar perto de animais de grande porte, use calças e camisas longas e de preferência de cor clara, para que seja possível identificar os carrapatos. 

Leia também:  Você conhece as doenças de pele em cães que são mais comuns?

Caso os sintomas de alguma das doenças de carrapatos se manifestando no seu pet, procure um médico veterinário imediatamente!

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.