O peixe  betta é originário do Sudoeste Asiático (Indochina) e é conhecido no Brasil como peixe de briga siamês, pois é bastante agressivo com seus companheiros de espécie. Ele vive em água doce e suas escamas coloridas e nadadeiras imponentes chamam atenção da maioria dos amantes de peixes.

Leia mais:  Está pensando em montar um aquário? Conheça as espécies de peixes para novatos

Por ser barato, resistente e fácil de cuidar, quase todo mundo já teve esta espécie quando crianças. Na hora de escolher um bichinho para o aquário, o  peixe betta  se tornou a principal escolha nas casas brasileiras, permanecendo neste posto até hoje. Entretanto, apesar dele não exigir muito trabalho do dono, é um animal como outro qualquer e pode adoecer. 

O betta fica doente por vários motivos, por exemplo, se há cloro na água ou algum outro produto tóxico pode fazer mal ao peixe. Ou se a água estiver muito fria ou muito quente também é ruim. Por sorte, estes problemas de saúde podem ser evitados com procedimentos simples. 

undefined
Reprodução Pinterest
O peixe betta é tão chamado de peixe de briga siamês por ser agressivo com seus semelhantes

Se o aquário sempre estiver em boas condições, a água for limpa e fresca e as refeições serem feitas regularmente, não há motivos para o betta ficar doente. Esses são os cuidados mínimos que todo peixe deve receber. Para se precaver e ficar atento a saúde do seu peixinho, conheça as doenças que mais o atinge. 

Barbatana Caudal Rasgada

Dentre todas as doenças da lista esta é a mais comum em peixes bettas. Como eles tem barbatanas bem longas, elas estão suscetíveis a uma má e pobre qualidade da água, embora pareça que o animal está mordendo a própria cauda por causa de estresse ou tédio. A cauda do peixe começa a mudar radicalmente de aparência, ficando com aspecto de destruída ou rasgada. Ele também passa a apresentar fraqueza, machas brancas estranhas, bordas pretas e vermelhas ao longo da zona afetada. 

Fique de olho no estado do betta, pois não pode deixar que estes sintomas avancem. A podridrão do aquário poderia comer outros tecidos da pele e passar de um simples problema para uma doença fatal. O tratamento é bem simples, consite em trocar diariamente a água e conferir a fonte da mesma. Com o tempo a cauda do peixe voltará a crescer. 

Mais:  Íctio: conheça a doença que atinge muitos peixes ornamentais

Hidropsia

A hidropsia não é uma doença exatamente, mas sim uma manifestação do mau estado interno ou degenerativo do peixe, aparecendo em decorrência de outras condições, como inchaço e acumulação de líquido no fígado e rim. Pode ser causada por parasitas, vírus, má nutrição e bactérias. 

Apesar de não ser uma doença, a hidropsia é grave e pode ser observada se a zona abdominal estiver bem inchada, os olhos esbugalhados e algumas escamas ficarem eriçadas. Falta de apetite e necessidade de subir à superfície em busca de oxigênio também são sintomas. A hidropsia não é contagiosa. 

undefined
Reprodução Pinterest
Fique de olho caso seu peixinho mude de comportamento ou aparência, pois ele pode estar doente


ICH ou doença do ponto branco

O ICH é bastante comum e é causada por um parasita que se aloja no corpo do betta para sobreviver. Esta doença começa a mudar o comportamento do peixe. Ele fica muito nervoso, ansioso, as escamas se tornam opacas e está constantemente esfregando o corpo nas paredes do aquário. Tempos depois, pontos brancos aparecem no bichinho, ou seja, cistos que envolvem os parasitas. 

Se notar algum destes sintomas em seu betta, leve-o imediatamente para o veterinário. Caso o ICH não seja tratado, o peixe pode morrer de asfixia devido o coração acelerado. Entre os tratamentos então banhos de agua salgada, medicamentos e termoterapia.

Veja também:  Mergulhador tem peixe como melhor amigo e o encontra todos os dias há 30 anos

Septicemia

Está doença é causada por bactérias e derivada do estresse causado por vários fatores: mudanças bruscas de temperatura da água, mau estado da comida, superlotação, chegada de peixes novos no aquário ou ferimentos. Os sintomas são letargia, falta de alimentação e marcas vermelhas como sangue por todo o corpo.

A Septicemia não é contagiosa e o tratamento mais comum é colocar antibióticos na água, que serão absorvidos pelo betta. Consulte um veterinário caso desconfie que seu peixe está com a doença para ele indicar a dose apropriada do remédio, pois os antibióticos devem ser usados com moderação. 

undefined
Reprodução Pinterest
Faça visitas regulares ao veterinário para garantir a saúde do seu betta


Fungos bocal

Este problema é causado por uma bactéria que pode ser benéfica ou maléfica e nasce naturalmente em aquários e lagos. Ele decorre de condições do habitar do animal que não são apropriadas ou estressantes, como superlotação ou pouco espaço e pouco circulação de água limpa e nova. A doença causa manchas tipo "algodão ou gaze" nas brânquias, boca e nadadeiras por todo o corpo. 

Outras doenças

  • Constimpação - é bastante comum em bettas e os sintomas são estômago inchado, o peixe deixa de comer e quase não libera excrementos.
  • Piolho de peixe - não é muito frequente, mas é possível notar a doença por aparecer parasitas arredondados grudados no corpo do bichinho. Úlceras está entre os sintomas.
  • Parasita intestinal - nota-se a doença por causa de vermes visíveis através da pele. Também causa emagrecimento. Por sorte não é frequente. 
  • Velvet - causa a coloração dourada ou amaronzada no corpo ou barbatanas. A impressão que está doença passa é que o peixe foi borrifado com pó de ouro. 
  • Doença do Lodo - bastante comum e é fácil de se ver. O betta aparece com um lodo acinzentado no corpo ou barbatanas, como consequência, está constantemente se coçando nos objetos do aquário. 

Leia também:  Vai viajar e não sabe como manter o peixe bem cuidado? Confira dicas

É possível previnir todas estas doenças com ações simples. Sempre limpe o aquário e forneça tudo que o animal precisa para viver. Além disso, observe seu peixe betta, pois se ele estiver doente, você notará mudanças no comportamento ou aparência. Desta forma, o problema poderá ser identificado mais rápido e o tratamento será mais efetivo. Por último, faça visitas regulares ao veterinário. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários