Tamanho do texto

As companhias aéreas brasileiras já oferecem o serviço de transporte, mas o dono precisa arcar com custos e fornecer uma série de documentos

Os animais de estimação ganharam um papel de maior protagonismo com o passar do tempo. Hoje, muitos acompanham os donos para onde eles forem. Sabendo disso as companhias aéreas se adequaram à nova realidade e passaram a oferecer espaço nos voos para os animais de estimação. Mas, as regras para animais são diferentes e mais rígidas. 

cachorro no avião arrow-options
Shuttersock
Para viajar de avião com o pet é preciso seguir vários passos

Leia também: Vai fazer uma viagem internacional com seu pet? Atente para as regras

Carlos Cortez, Diretor de Marketing da Allianz Travel, empresa líder na oferta de seguro viagem, explica que "hoje é muito comum e viável voar com cães e gatos, mas é preciso cumprir as exigências impostas por cada empresa”.  Segundo ele, é importante estar ciente de alguns pontos para viajar de avião com o pet . São eles: 

Atestado de saúde

A maioria das companhias aéreas exige um atestado de saúde, mais conhecido como Certificado de Inspeção Veterinária. Esse documento garante que o animal está em condições para viajar e deve ter a assinatura de um veterinário registrado no Conselho Regional de Medicina. A emissão pode ser feita até 10 dias antes da data da viagem, mas é preciso ficar atento porque há prazo de validade. 

Documentos exigidos

Além do atestado de saúde, que tem validade, são exigidos outros documentos. Os principais estão listados a seguir: 

  • O principal documento exigido é a carteira de vacinação em dia;
  • Cada país tem requisitos próprios para autorizar o ingresso de cães e gatos no seu território. Por isso é necessário entrar em contato com a embaixada/consulado do país de destino e pedir ao médico-veterinário os atestados solicitados;
  • Para viagens internacionais, algumas outras documentações são necessárias como o Certificado de Aclimatação, que atesta que o animal pode ser exposto a temperaturas extremas (quente ou fria) sem prejudicar a saúde;
  • Passaporte do animal: o Ministério da Agricultura emite, gratuitamente, um documento para livre trânsito do pet, que pode ser requisitada aqui;
  • Apresentação de comprovante de idade do animal. A maioria das companhias aéreas só aceita transportar animais com mais de oito semanas de vida.

Custo adicional

É preciso pagar uma passagem também para o animal. O custo adicional normalmente é fixo para os pets que vão na cabine e variável para transporte no compartimento de cargas da aeronave. 

Caixa de transporte

cachorro sendo colocado no compartimento de carga do avião arrow-options
Shuttersock
O animal pode viajar na cabine do avião junto com o dono ou em uma área especial do compartimento de cargas da aeronave


O que vai determinar se o pet vai viajar na cabine junto com o dono ou em uma área especial do compartimento de cargas são as dimensões e o peso da caixa de transporte somados ao peso do animal. As regras de limite variam de acordo com cada companhia aérea, mas em todas a caixa de transporte é exigida. 

Leia também: Vai viajar de avião com o pet? Confira dicas para comprar a caixa de transporte

Restrição de raças

De vez em quando surge na mídia um caso de um cachorro de raça que tem o focinho diminuído ou achatado que acabou morrendo durante uma viagem de avião. Isso acontece porque esses cães correm risco de terem problemas respiratórios durante o voo. Exatamente por isso algumas companhias acabam optando por não aceitar pets de raças como pug e pitbull. 

Reserva com antecedência

Por último, vale ressaltar que o número de animais de estimação na cabine é limitado, então é necessário fazer a reserva com antecedência para garantir o lugar do bichinho de estimação no avião