Tamanho do texto

No Brasil não existe uma certificação para esse tipo de serviço canino, mesmo assim é necessário o treinamento com profissionais especializados

O bem que os cães fazem para seus donos já é algo comprovado, não à toa, cada vez mais esses animais estão sendo utilizados como companheiros emocionais ou na ajuda de tratamentos médicos por pacientes hospitalares e pessoas com problemas psiquiátricos, como síndrome do pânico, depressão e ansiedade. Mas como esses pets são habilitados a prestar estes serviços de ajuda aos humanos?

Leia também: 4 sinais de que seu cachorro tem TOC e como tratá-lo

Bruno Groba, especialista em comportamento animal da Groba Family Adestramentos, explica que existe diferença entre cachorros terapeutas e cães de assistência emocional. “O cão terapêutico vai num asilo, hospital, ou trabalha com psicólogo, fonoaudiólogo. Ele vai voluntariamente naquele lugar e não tem nenhum tipo de treinamento específico, só distrair e animar as pessoas”, conta Bruno. As únicas exigências para esse trabalho são as vacinações em dia e um temperamento tranquilo e amigável. 

cachorro terapeuta arrow-options
shutterstock
No Brasil não existe certificado para cachorro terapeuta


Já os cães de assistência emocional são semelhantes aos cães de serviço (como cão guia, por exemplo). “O cachorro de assistência emocional é do tutor que adquiriu aquele cão, e por laudo medico ele pode levar o pet em todos os lugares, desde shoppings até voos, sem obrigatoriedade de caixa de transporte”, completa o adestrador.

No Brasil não existe uma certificação nacional para treinar uniformemente esses cães. “Pelo ponto de vista técnico isso é um sério problema, pois não conseguimos ter um padrão no treinamento destes cachorros e nas autorizações para utilização destes animais para esses tipos de serviço”, conta. Se nos Estados Unidos o pet recebe um “diploma” que o habilita a ser um animal terapêutico, aqui isso não é necessário.

Bruno também alerta para outro assunto que deve ser motivo de preocupação para possíveis tutores de cães terapêuticos : os canis duvidosos. “Outro problema que temos sem ter esta certificação são os criadores irresponsáveis, que vendem filhotes afirmando que a raça tem as características desejadas para realizar estes serviços, mas eles não têm nenhuma metodologia ou estudos para conseguir realizar estas afirmações.”

Leia também: Yorkshire, poodle e outras raças são predispostas a problemas hepáticos

Portanto, depois de adquirir um cão de forma responsável, para torná-lo apto aos serviços de terapia ou assistência emocional, é preciso procurar alguém com experiência para tal. “Hoje, no Brasil, temos alguns treinadores que habilitam cães de assistência, porém cada treinador utiliza uma metodologia e avaliação diferentes para formação destes animais”, explica.

Mesmo com essas dificuldades é importante dar valor ao trabalho dos pets. “Temos que lembrar que os trabalhos realizados por esses cães são fundamentais e de grande valor para seus tutores, no caso do cachorro de assistência emocional, e para os que recebem aqueles animais, no caso de cães terapêuticos”, finaliza.

Com isso, caso queira transformar seu animal de estimação em um cão de terapia , o melhor caminho é procurar um adestrador que trabalhe com esse tipo de comportamento, sempre visando o bem estar do pet e das pessoas que o receberão.