Filhotes , sejam de cães ou de gatos, conquistam o coração de quem os conhece. Pequenos, fofos, e necessitados de atenção, os filhotinhos precisam do cuidado da mãe durante mais tempo do que muitos tutores imaginam, e, além disso, muitos deles fazem xixi e cocô em lugares errados por não terem controle total de seus músculos.

Leia também: As raças de cachorro que mais sofrem com o frio e o que pode ser feito

Essas são só algumas das curiosidades desconhecidas sobre os filhotes . Separamos sete itens que novos ou futuros tutores nem imaginam sobre seus cães e gatos bebês, mas são informações que podem ajudar na hora de conhecer melhor seu amigo de quatro patas.

Filhote de cachorro fofo
shutterstock
Filhote de cachorro fofo


Xixi e cocô nem sempre são propositais

Adotar um cão filhote implica em ensiná-lo muitas coisas, dentre elas onde fazer xixi e cocô. Mesmo aprendendo o lugar correto, às vezes eles podem deixar escapar suas necessidades no lugar errado. Quem explica o motivo disso acontecer é a veterinária Milena Guimarães. “os músculos do esfíncter anal (por onde saem as fezes) e o, do esfíncter uretral (por onde sai a urina) só se fortalecem depois de 4 meses ou até mais. Por esse motivo eles defecam e urinam por todos os lugares.”

Milena dá algumas dicas para lidar com a situação. “No começo e interessante deixar uma área grande como ‘banheiro’, e ir ensinando com paciência onde se deve urinar e defecar, sem traumatizar o pet ”, conta. Caso ele seja traumatizado, a consequência pode trazer graves problemas ao animal. “Ele pode entender que não é agradável urinar e defecar, ao invés de entender que o lugar que é errado, e isso faz com que ele segure”, finaliza.

Leia também: Dar frutas para o cachorro é saudável? Confira os cuidados que devem ser tomados

Até os dois meses de vida os filhotes precisam da mãe
shutterstock
Até os dois meses de vida os filhotes precisam da mãe


Machos e fêmeas fazem xixi agachados

Os machos só começam a levantar a perna para urinar quando certos hormônios começam a circular em sua corrente sanguínea no caso dos cães . A veterinária conta que por isso, muitos tutores optam por castrar o pet quando ainda é bem filhotinho. “Temos que colocar em mente que a castração precoce faz evitar que os machos marquem território, mas a falta do hormônio circulante poderá desenvolver problemas ortopédicos futuros.”

Você viu?

Não adote um filhote muito novo

Segundo a veterinária, é sempre bom esperar mais do que os “recomendados” 45 dias de vida que muitas pessoas acreditam ser a idade ideal para adotar um novo pet. “O correto é escolher um filhote com idade entre 7 e 12 semanas. A diferença parece ser pouca, mas a partir de 7 semanas eles começam a ter mais noção de higiene e hierarquia (correção), coisas que aprendem com a mãe e brincando com os irmãozinhos”, explica.

Esse tempo ajuda na formação de “noção” do animal , que vai perceber que certas brincadeiras não são legais.  “Ele levará mordidas e descobrirá que elas doem. Isso evita brincadeiras brutas com os futuros tutores”, conta.

Os dentes dos animais bebês também caem

Assim como os humanos, filhotes de animais também trocam a dentição. “Os dentinhos nascem a partir de 3 semanas de vida e começam a ser trocados com 4-7 meses de vida e os gatos, com 7 meses”, diz Milena. E, assim como nós, eles também sentem certo desconforto durante o nascimento e a troca dos dentes.

“Até os dentinhos serem trocados, a gengiva irá coçar, por isso é importante sempre ter brinquedos condizentes a ração e porte”, conta, alertando sobre os perigos de brinquedos muito duros. “Um cão da raça Pit Bull não tem a mesma formação bucal e delicadeza de um Spitz. Brinquedos mais duros podem machucar um cãozinho mais delicado e brinquedos mais molinhos podem ser destruídos por um cão mais rude, além de poderem ser ingeridos e causarem problemas futuros.”

Ter cuidado com objetos pequenos é importante
shutterstock
Ter cuidado com objetos pequenos é importante



Leia também: Vai viajar nas férias? Confira 5 hotéis petfriendly para levar o pet junto

Cuidado com objetos pequenos e tóxicos

Bebês adoram colocar coisas na boca para conhecerem o mundo, e com os animais de estimação não é diferente. “Por isso temos que ter muito cuidado ao deixar pequenos objetos, linhas ou produtos tóxicos pela casa, assim evitando acidentes.” Com gatos isso também é importante. Por mais que os bichanos sejam mais seletivos com o que colocam na boca, eles raramente conseguem cuspir por causa da aspereza de sua língua.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários