Tamanho do texto

Existem documentos necessários para uma viagem internacional com animais de estimação; caso eles não sejam tirados com antecedência, as chances de o animal não poder embarcar são altas

O planejamento de uma viagem internacional passa por muitas etapas: escolha do local, verificar se há vacina obrigatória, visto, etc. Para os animais de estimação é a mesma coisa, eles precisam do chamado " Passaporte Pet " e outras documentações para poderem embarcar ao lado do dono. Tudo isso deve ser providenciado com bastante antecedência, caso contrário as chances de o bichinho não poder viajar são grandes. 

passaporte pet arrow-options
Divulgação
O "Passaporte Pet" está entre os documentos para viagens com animais

Leia também: Quando o seguro viagem para pets é necessário? Entenda 

Normalmente os prazos para a documentação a ser providenciada são os maiores causadores de problemas. “Atendemos clientes que precisaram deixar seus bichinhos para trás e retornar após semanas para busca-los por conta de uma vacina que não foi aplicada no prazo correto”, conta Marta Mitico, sócia-fundadora da BR-Visa Migration Solutions. 

Isso aconteceu com Lucas Nascimento. O jornalista e blogueiro ficou mais de 40 dias viajando pela Europa, mas apesar do planejamento e das reservas em estadias pet friendly para que sua cadela fosse junto, Anira teve que ficar no Brasil.  Os empecilhos foram vacinas fora do prazo e o Certificado Zoossanitário Internacional (CZI), emitido com detalhes para cada destino - como Lucas ia para muitos lugares a documentação se mostrou bastante burocrática. 

homem com cachorra no colo arrow-options
Arquivo pessoal
Lucas e sua cadela Anira, que não pode viajar com ele

"Fiquei muito tempo fora e queria levar a Anira por saber que os animais podem adoecer e até falecer por ficar longe dos donos. Ela é acostumada a dormir e acordar na minha cama, a ir para o escritório trabalhar comigo. É um grude. Mas durante o processo de vacinação para dar a entrada na documentação ela ficou doente e não consegui dar todas dentro do tempo de validação. Não poder levá-la foi horrível", conta Lucas. 

Leia também:  Tudo que você precisa saber antes de viajar de avião com o pet

A solução para o blogueiro foi deixar Anira com a mãe e o irmão, pessoas que a cadela já estava acostumada a conviver. Além disso, ele "Fazia chamada de vídeo ou ligava para ela todos os dias, nem que fosse só para ela ouvir sua voz". 

Para evitar que situações como a de Lucas aconteçam, Marta Mitico indica que o dono comece a preparar toda a documentação pelo menos 120 dias antes da viagem internacional com pet. 

O Passaporte para Trânsito de Cães e Gatos, mais conhecido como "Passaporte Pet", pode ser tirado gratuitamente nas Unidades do Vigiagro ou na Secretaria de Defesa Agropecuária (SDA) em até 30 dias úteis. Mas, para isso o animal precisa estar microchipado e com carteira de vacinação atualizada, atestado de saúde e Certificado Veterinário Internacional (CVI). 

Uma vez emitido, o "Passaporte Pet" será válido para toda a vida do animal. Em todas as viagens, o dono deverá solicitar ao veterinário responsável pelo cão ou gato que registre as informações sanitárias no documento no prazo máximo de 10 dias antes. Uma Unidade do Vigiagro deve ser procurada para a legalização. 

Quando o país de destino possui acordo de equivalência com o Brasil, o Passaporte Pet pode valer também como o CVI, de acordo com o Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento . Essa informação pode ser encontrada junto ao Vigiagro.  Outros locais possuem requisitos específicos para autorizar o ingresso de cães e gatos no seu território, como o CZI. Por isso é muito importante uma pesquisa prévia para ter tempo hábil de cumprir com todas as exigências. 

Além de tudo isso, Marta ressalta que é preciso verificar as regras das companhias aéreas que serão utilizadas. “As permissões são diferentes entre as empresas, não há uma regulamentação. Temos conhecimento de donos que não puderam transportar seus pets como haviam planejado porque algumas raças não são permitidas, como pug e buldogue - consideradas mais propensas a terem problemas respiratórios durante o voo. São regras diversas e distintas que tornam todo o processo dificultoso", finaliza.