Recentemente, um cão da raça pug foi o primeiro cão a testar positivo pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2) no Estados Unidos, após ter contato com os donos infectados. A veterinária Annie Harvilicz, veterinária e chefe do Animal Wellness Centers contou ao New York Post que esse animais podem ser mais suscetíveis a ter a Covid-19 pelas características da raça.

Imagem de rosto de um pug
shutterstock
Pugs podem ser mais suscetíveis ao novo coronavírus

De acordo com Annie, o pug tem o nariz mais achatado e os pulmões mais fracos, o que pode ser um grande fator, visto que pessoas com problemas respiratórios estão no grupo de risco da doença causada pelo novo coronavírus. "Os pugs são braquicefálicos. Isso os dá a aparência de um focinho mais curto e causa mais problemas respiratórios", afirma ela. 

Leia mais: Gatos de NY são primeiros bichos de estimação com Covid-19 nos EUA

Além disso, a veterinária explica que animais muito acostumados a lamber os donos podem estar mais suscetíveis à contaminação. Annie analisou o caso do pug que testou positivo e percebeu que o outro cão da família não contraiu a doença. "Animais de estimação com testes positivos provavelmente estão recebendo grande carga viral porque o coronavírus não está se replicando também em cães", disse ela. "Acho que estamos experimentando ocorrências estranhas de animais com testes positivos."

Outras raças com os rostos mais achatados como shit zus, bulldogs e chow-chows, também podem ter mais riscos de se contaminar. Apesar de recentes casos registrados de pets com o novo coronavírus, não há nenhuma evidência que os animais podem ser agentes transmissores.

    Veja Também

      Mostrar mais