Tamanho do texto

Tratamento com florais, chás e até mel podem não só ser ineficientes como também podem piorar algumas doenças dos pets

Visando mais praticidade muitos donos de pets têm adotado métodos de tratamentos caseiros quando seus animaizinhos demonstram alguma alteração no seu comportamento, ou até apresentam alguns sintomas de doenças. Tudo isso sem consultar um veterinário antes. O problema é que muitas vezes esse tratamento não é suficiente e pode até agravar algumas doenças. 

Leia também: Fique atento! As doenças em cães e gatos mais comuns no inverno

cachorro
shutterstock
Tratamento com florais, chás e até o mel em podem não só ser tratamentos ineficientes, como também podem piorar algumas doenças.

A veterinária Mayre Galhardo explica quais são os tratamentos caseiros mais comuns e quais são os perigos de cada um deles.

Florais

Os florais utilizam essência de flores em sua fórmula e são utilizados quando o pet apresenta mudanças em seu comportamento, como agitação excessiva, ansiedade ou até depressão. Porém, segundo a veterinária, antes de somente tratar sintomas, é necessário entender o motivo dessa alteração pois essa medicação pode não ser suficiente. 

“Há casos que o paciente está com alteração renal, cardiológica, ou mesmo alguma doença infecciosa incubada, por exemplo, e pode começar a ficar mais quietinho. Não por estar depressivo, mas sim por estar manifestando alguma efemeridade. Antes de iniciar os medicamentos é preciso identificar a origem do problema através de uma consulta com um veterinário”, recomenda Mayre.

Chá de boldo

cachorro tomando chá
shutterstock
Os chás nem sempre são eficientes para os pets


Leia também:  Alternativas caseiras para tratar um gato com diarréia

O chá de boldo é usado por alguns donos de cachorro principalmente quando percebem que seus pets estão com enjoo ou até vomitando. “Nos casos de vômito é ainda mais grave, pois o paciente pode estar com alguma dor na coluna ou alteração renal e o boldo não irá resolver. Caso haja demora na resolução, o problema poderá se agravar e não terá tempo hábil de reverter o quadro”, explica a veterinária.

Chá de camomila

A veterinária explica que há determinadas substâncias nos chás que podem intoxicar os cães e gatos, e usa como exemplo outro chá muito utilizado: o de camomila. 

“Se você observar que seu pet está com muita dor no abdômen e administrar um chá de camomila, há grandes perigos. Seu animalzinho pode estar com uma enfermidade grave, como algum tipo de neoplasia em baço, e a resolução é somente a cirurgia. Por isso, é necessário levá-lo a um médico antes de se antecipar e medicá-lo com alguma coisa que possa piorar sua situação”, alerta Mayre

Mel

cachorro com tosse
shutterstock
O mel nem sempre ajuda com a tosse em cães e gatos

 “Algumas pessoas dão mel para seus animais  quando eles estão com tosse, porém, como sempre, é necessário investigar a causa desse sintoma antes de qualquer tratamento. A tosse pode ter origem alérgica, infecciosa ou mesmo cardiológica", explica a veterinária. "Além do mel ser ineficiente nesses casos, ele pode piorar a enfermidade caso seu pet seja diabético, e pode estar contaminado com alguns microorganismos, fazendo com que seu animalzinho tenha vômitos e diarreia”, afirma.

Além dos exemplos citados acima, Mayre lista outros costumes de donos de pets que não devem ser adotados: “Dar leite em caso de envenenamento é contraindicado pois pode ajudar o veneno a agir mais rapidamente. Diclofenaco é usado em casos de dores musculares, mas podem ser fatais para cães e gatos, e o Paracetamol pode ser letal para gatos. Por fim, há algumas receitas caseiras na internet que dizem que quiabo é bom para cinomose, virose que ataca cães, mas isso não procede.”