Tamanho do texto

Por mais que não seja aconselhado pessoas muito ocupadas terem um pet, algumas raças se adaptam a esse estilo de vida

Se você trabalha demais, tem pouco tempo livre e vive ocupado, a recomendação é não adotar um cachorro. Por mais que um animalzinho faça companhia e alegre a casa, cuidar de um implica muita responsabilidade. Você precisa dar atenção, cuidar e oferecer o melhor ambiente possível, independente das raças de cães que escolha. 

Leia também: 9 raças de cachorro para quem mora sozinho

Porém, se você ama muito esses peludos e está disposto a conciliar suas obrigações com os cuidados, existem algumas raças de cães que se adaptam a esse estilo de vida. As características da personalidade permitem que convivam com pessoas com pouco tempo e disponibilidade.

Pense bem antes de adotar definitivamente

Se você ama muito esses peludos e está disposto a conciliar suas obrigações com os cuidados, existem algumas raças de cães que se adaptam ao ritmo de vida corrido
reprodução shutterstock
Se você ama muito esses peludos e está disposto a conciliar suas obrigações com os cuidados, existem algumas raças de cães que se adaptam ao ritmo de vida corrido

Por mais que algumas raças se adaptem bem a vida de pessoas ocupadas, também precisarão de carinho e cuidados como qualquer outro animal. Os cães ainda tem outra desvantagem se comparado a demais espécies: a necessidade constante de atenção. Esses pets podem desenvolver sérios problemas de comportamento se ficarem sozinhos por muito tempo. 

Destruição de móveis, morder sapatos, fazer xixi e cocô em qualquer lugar, latir freneticamente, ter ansiedade de separação , chorar e gemer são alguns exemplos que problemas de conduta que um animal solitário desenvolve. Para evitar que sua ausência ou escassa dedicação resulte nisso, será preciso dedicar bastante tempo na socialização e educação. 

Dessa forma, se você insiste em adotar um pet, reserve um período para adestrá-lo e socializá-lo. É uma etapa importante e necessária para que você não tenha dores de cabeça no futuro, principalmente se optar por um filhote. Se precisar, contrate um profissional para promover a educação. 

Além disso, pensando nos cuidados diários, você precisará estar em casa para garantir o bem-estar do animal, como dar banho, escovar o pelo, passeios, alimentação adequada, provisão constante de água fresca, higiene dos acessórios, dar vacinas, desparasitar, visitar regularmente o veterinário. Sem isso um bichinho não pode viver de forma adequada. 

Leia também: Como identificar se o cão sofre com a síndrome da ansiedade de separação

Mas, caso nem isso você possa fazer, o melhor é pagar ou pedir para alguém fazer isso. Se compartilha a casa com alguém, converse com a pessoa sobre sua vontade de ter um cachorro e se ela estaria disposta a ajudar com os cuidados. É uma alternativa caso não tenha como oferecer o básico. 

Características a se considerar na hora de escolher o pet

Opte por animais adultos ou idosos, pois os filhotes e jovens exigem muitos cuidados, atenção constante, tem muita energia acumulada e precisarão de adestramento
reprodução shutterstock
Opte por animais adultos ou idosos, pois os filhotes e jovens exigem muitos cuidados, atenção constante, tem muita energia acumulada e precisarão de adestramento

Se depois de pensar muito e tiver resolvido todas as pendências, como se poderá adestrá-lo e oferecer os cuidados diários, está na hora de escolher o pet adequado. Como já foi dito, algumas raças são mais recomendadas do que outras por causa da personalidade, mas é importante avaliar outras características também. 

Opte por animais adultos ou idosos, pois os filhotes e jovens exigem muitos cuidados, atenção constante, tem muita energia acumulada e precisam de adestramento. Um cão adulto ou idoso não tem tanta vontade de brincar e passear, já foi educado e só necessitam de cuidados básicos. Além disso, você estará dando um lar para um pet renegado no abrigo. 

Fuja de raças com muita energia. Cães com histórico de trabalho, como aqueles de caça ou pastoreio, não devem ser considerados. Embora ajam exceções, melhor optar por exemplares conhecidamente mais calmos, que não precisem de muito espaço na casa e sejam mais independentes. 

Cães com pelagem longa e que exijam muitos cuidados também não são uma boa opção. Pessoas com pouco tempo não terão como se dedicar ao pelo do animal, que normalmente precisa de escovação, banho e tosa constante. Para evitar problemas de saúde pela escassez de dedicação, a recomendação é escolher exemplares de pelo curto. 

Por mais que existam exceções, na maioria das vezes os cães de porte grande não são recomendados para pessoas ocupadas . Animais grandes necessitam de espaço disponível, tem muita energia, os passeios devem ser longos e diários e dá mais trabalho para cuidar num geral. A menos que algum especialista te recomende determinada raça, melhor optar pelos de pequeno porte. 

Leia também: A importância da socialização para os animais

Dentre as raças que mais se encaixam nessas características são Poodle, Pug, Cavalier King Charles Spaniel, Bichón, Mastim e Buldogue. Apesar de cada cão ser único, esses exemplares se assemelham quando o assunto é porte pequeno a médio, personalidade calma, baixos cuidados e conseguem ficar algum tempo sozinho. 

Contudo, antes de realmente adotar e escolher a raça, é importante consultar um veterinário ou especialista em comportamento animal para te ajudar nessa decisão. Certamente os profissionais saberão te aconselhar sobre qual a raça de cão se adaptará melhor ao seu estilo de vida. 

Por mais que seja bom optar por um cachorro de raça, já que é conhecida previamente sua personalidade, considere adotar um vira-lata. Animais que viveram na rua são bem mais independentes, ficam tranquilamente horas sozinhos, exigem menos cuidados e a saúde é de ferro. Além disso, você estará dando amor e um teto para um pet provavelmente rejeitado.

Por que não adotar um gato?

Em vez de escolher um cachorro, por que não adotar um gato? Eles são independente e se viram bem sozinhos
reprodução shutterstock
Em vez de escolher um cachorro, por que não adotar um gato? Eles são independente e se viram bem sozinhos

Em vez de adotar um cachorro, por que não optar por um gato? Os felinos se viram bem sozinhos e exigem pouca atenção do dono, ou seja, são perfeitos para pessoas com pouco tempo. Se puder, o ideal é ter dois bichanos. Dessa forma eles terão com quem brincar e nem notarão a sua ausência. 

Leia também: No Dia Internacional do Gato, conheça as vantagens de adotar um bichano

Independente se você escolher gatos ou algumas das raças de cães , o importante é não se esquecer de demonstrar afeto diariamente. Por mais que o tempo seja escasso, o animal precisa do amor e carinho do dono.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.