Agosto é conhecido como o “ mês do cachorro louco ”. O motivo do nome é que nesse mês, de acordo com o veterinário Ricardo Cabral, da Virbac, "As condições climáticas – temperatura, incidência de chuvas, ar – podem auxiliar no cio das cadelas", fazendo com que elas "sincronizem o cio ". Por causa das fêmeas férteis, os machos começam a disputar entre si para decidir quem vai acasalar. 

Mesmo que isso seja algo “natural” da espécie, o problema pode ser grave se o cão estiver contaminado com raiva , já que ele irá transmitir pela saliva quando atacar seus “inimigos”, criando um ciclo de animais contaminados. 

cachorro mordendo humano
shutterstock
Mês do cachorro louco pode prejudicar machos com transmissão de doenças

Ricardo acrescenta que como o Brasil é um país tropical, esse fator pode acontecer em outras épocas do ano. "Isso vai depender mais da raça e do porte do animal, além do estado de saúde e condição física dele”, explica. Mas, foi agosto que ficou conhecido como o "mês do cachorro louco" e, por isso, o período é utilizado para campanhas de conscientização da população para raiva. 

Neste ano, por questões de  atraso das entregas das vacinas antirrábicas, a  Prefeitura de São Paulo cancelou os postos móveis de vacinas para os pets, o que está previsto para começar apenas a partir de novembro. Por isso, os veterinários estão se mobilizando para divulgar a importância da vacinação. 

“Quando diagnosticados com raiva, muitas vezes os animais são encaminhados para eutanásia quando diagnosticados, portanto, a prevenção através da vacina é de extrema importância”, alerta o veterinário que ainda explica um pouco mais sobre a doença. “Ela afeta o sistema nervoso central e o tempo entre o animal ser mordido e apresentar os sintomas pode variar muito. A variação tem a ver com o local que foi realizada essa mordida, porque o vírus sobe pelo sistema neurológico.”

Leia também: 5 cuidados que o dono deve ter antes de levar o cachorro para tomar banho

O grande vilão disso tudo é o morcego . “Este mamífero voador é um dos principais exemplos de transmissor, já que para se alimentar ele precisar morder o animal. Quando morde um cão, o pet passa a transmitir a raiva nas fases mais avançadas da doença quando eles estão mais agressivos”, diz.

cachorro bravo
shutterstock
A contaminação da raiva é pela saliva e secreções do animal infectado



Além das doenças virais, como raiva e leishmaniose , as brigas entre os machos também podem trazer outros problemas. “Os conflitos podem prejudicar regiões corporais do cão, causando perfurações de pele, músculos, olhos, narinas, boca e orelhas, entre outras regiões mais expostas, e que dependendo da intensidade, podem levar ao óbito”, explica Ricardo.

 E, em vez de apenas tomar providências quando chega o “ mês do cachorro louco ”, Ricardo reforça que o ano todo se deve tomar cuidado com a doença. “O cão ou gato devem ter sempre a vacinação em dia, independente de campanha de vacinação ou do mês, para evitar que a doença se prolifere em meses suscetíveis, como é o caso de agosto”, finaliza.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários