Assim como os humanos, cães também podem desenvolver complicações na coluna vertebral e sentir dores intensos. Porém, às vezes, eles expressam esse incômodo de variadas maneiras e nem sempre é fácil identificá-lo. Para isso, é preciso entender alguns sinais de que o pet não está bem e tentar agir o mais rápido possível para não haver uma evolução do problema. 

+Displasia coxofemural afeta as articulações do pet e é dolorosa

As dores na coluna vertebral podem indicar uma possível hérnia de disco e levar à paralisia
shutterstock
As dores na coluna vertebral podem indicar uma possível hérnia de disco e levar à paralisia

A lesão na coluna vertebral é também chamada de discopatia, ou seja, quando os discos das vértebras não funcionam mais corretamente e passam por uma falha, o que é, ainda, uma hérnia de disco. Mas a boa notícia é que apesar de ter consequências graves, há maneiras de evtiá-las e formas de tratamento bastante eficazes.

O que é uma discopatia

Como explicado anteriormente, é uma falha na estrutura óssea da coluna. A função dos discos entre as vértebras é impedir o contato entre elas, sendo por fora cheios de fibras e com interior gelatinoso e sua degeneração causa atrito entre as partes. 

Toda a estrutura vertebral forma a chamada medula espinhal, responsável pelo equilíbrio do pet, além de permiti-lo andar e movimentar-se de forma flexível. Portanto, se ocorre choque entre as vértebras, desestabiliza todo o resto, prejudicando a locomoção do animal.

Dois podem ser motivos da discopatia: o cachorro sofreu alguma queda ou trauma na coluna , assim como o envelhecimento pode levar a certas dificuldades e falhas motoras. Essa condição é conhecida, inclusive, por provocar paralisia e impedir o cãozinho de andar.

Além disso, há predisposição genética para alguns cachorros desenvolverem esse problema de saúde. É muito mais comum naqueles acima de cinco anos de idade, pelo desgaste natural dos discos ao longo do tempo e gera mudanças no sistema neurológico do animal. 

undefined
Reprodução/ Redes Sociais

A hérnia de disco causa fortes dores na coluna vertebral

Sinais de problemas na coluna

Normalmente o pet sente uma dor intensa e aguda, o que reflete em outras consequências. Dependendo do nível do incômodo, é comum ter mais dificuldade de se mover aos poucos e até chegar ao nível de não consegui sair do lugar com as próprias pernas.  

É comum ele ficar mais apático e desanimado devido ao incômodo, além de ficar com o pescoço rígido e os ombros baixos e a postura torta. Vai relutar muito ao ter de caminhar. As orelhas ficam para baixo ou para trás, em uma típica demonstração de dor.

Gradualmente ele vai perdendo as funções neurológicas e também deixa de controlar ações, antes, voluntárias, como fazer xixi e cocô. O movimento peristáltico para de funcionar e tudo que é ingerido acaba passando direto pelo intestino, sem a digestão correta. Por isso, a incontinência urinária e fecal é outra complicação causada pela lesão na coluna vertebral.

Outra complicação causada pela alteração no sistema nervoso é a redução da sensibilidade e do tato do cachorro. Pouco a pouco sente com menos intensidade o que toca, sinal bem perigoso, afinal, ele pode se queimar ou sofrer alguma fratura sem perceber. Ou seja, exige atenção constante do tutor para garantir que esteja sempre bem.

Você viu?

Diagnóstico

É claro que o único que a indicar o diagnóstico é o veterinário. Mesmo se o pet apresentar esses sintomas, leve-o à clínica mais próxima para confirmar a suspeita por meio de  exames médicos .

Depois de avaliado visualmente e tocado pelo profissional tem de passar por testes de imagem e de contraste, como raio-X da coluna e da medula espinhal, sendo esta última a mielografia. Além disso, é importante tirar uma tomografia da região e fazer uma ressonância magnética. Pode ser feita também a coleta de amostras do líquido da medula.

Dor na coluna vertebral do pet e dificuldade de andar? Pode ser hérnia de disco
Reprodução/ Redes Sociais
Dor na coluna vertebral do pet e dificuldade de andar? Pode ser hérnia de disco


Meu cão tem hérnia de disco, e agora?

Se o pet foi diagnosticado com o problema é hora de seguir as indicações do veterinário. Existem variados tipos de tratamento para a discopatia, seja por meio de fisioterapia, medicamentos para aliviar a dor e até intervenção cirúrgica dependendo da gravidade. Esta última é mais arriscada, mas pode ser a melhor saída para o pet recobrar as funções da medula óssea, retirando a hérnia.

O repouso e a imobilização do bichinho podem ser as melhores soluções se o quadro não é tão sério. Se isso for feito logo no início do aparecimento dos sinais, junto com a ação de corticoides, a recuperação tende a ser mais rápida.

A fisioterapia veterinária ajuda a fortalecer a musculatura do animal e garante um realinhamento da coluna, em alguns estágios. Do mesmo jeito exercícios físicos comuns são positivos e aumentam a resistência do corpo. 

A acupuntura é uma alternativa (ou um complemento) ao uso de certos medicamentos no combate à dor e melhora a saúde do pet de forma geral.

undefined
Reprodução/ Redes Sociais

A dificuldade de caminhar é um dos sinais da hérnia

Raças com mais propensão à discopatia

Algumas raças têm predisposição genética ou estrutura mais propensa a desenvolver problemas na coluna. As pernas curtinhas e as costas muito longa provoca dificuldade de sustenção e ao envelhecer o cãozinho já tem dificuldade de descer escadas, por exemplo. Mas cães de grande porte também podem desenvolver a hérnia de disco. Dentre elas estão:

  • Basset Hound
  • Dachshund
  • Dobermann
  • Lhasa Apso
  • Beagle
  • Shih Tzu
  • Corgi
  • Pequinês

Gato tem hérnia de disco?

Apesar do problema ser bastante raro em felinos, pode acometê-los e de uma forma bem agravada. A causa normalmente é uma infecção ou algum tumor na coluna vertebral. O diagnóstico é realizado com raio-X e deve ser feito o mais rápido possível para evitar uma complicação na doença.

Não deixe de observar seu pet sempre e perceber quando ele dá sinais diferentes e muda o comportamento. Quanto mais cedo uma doença é descoberta mais rápido e eficaz será o tratamento. Além, é claro, de levar o bichinho pelo menos a cada três meses no veterinário para um check-up geral. 

+Cachorro obeso: como evitar e reverter a situação

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários