Tamanho do texto

A doença acontece quando o organismo do cachorro não consegue produzir insulina ou usá-la corretamente

Assim como ocorre nos humanos, a diabetes em cães é uma alteração do sistema endócrino, que é responsável pela distribuição de hormônios que regulam muitas funções do organismo. A grande preocupação é que a doença tem sido diagnosticada com bastante frequência pelos veterinários. 

Leia também: Você sabia que os pets têm anemia?

Cachorro gordo da raça Pug
shutterstock
A diabetes em cães aparece com frequência em pets acima do peso

O veterinário Felipe Rocha explica que "O diabetes em cães é uma patologia que ocorre quando o organismo do cachorro não é capaz de produzir insulina ou não consegue utilizá-la corretamente. Isso acarreta níveis elevados de açúcar no sangue, colocando o cão em sérios riscos de saúde". Por isso, quanto antes for diagnosticada, mais fácil é o tratamento e melhor a qualidade de vida do pet. 

Por que a insulina é importante para o cachorro?

A insulina é um hormônio produzido no pâncreas e utilizado pelas células para possibilitar ao organismo aproveitar a glicose (açúcar) do sangue para seu melhor funcionamento. Ela pode ser vista como o combustível do corpo, que produz energia que será utilizada para realização dos processos de multiplicação de células, digestão e até mesmo para a reparação de tecidos.

"Por não detectar insulina, as células 'avisam' o organismo que começa a queimar mais gorduras e proteínas, afim de produzir energia. O organismo acumula glicose no sangue, mas as células, sem a insulina, não são capazes de entender isso. Esse processo ocorre em humanos, cachorros e várias outras espécies de animais", explica Rocha.

Esse processo desencadeia graves problemas de saúde para o cão, fazendo-o beber água acima do normal e, consequentemente, urinar mais vezes, levando-o até a desidratação, uma vez que os rins filtram a glicose da urina. Outro problema sério é o acúmulo de toxinas no sangue devido a "queima" acelerada de proteínas e gorduras.

Os tipos de diabetes em cães

  1. Diabetes tipo 1: Este tipo é mais frequente em cães. É quando o pâncreas não produz insulina suficiente, também chamada  insulinodependente, pois o pet precisará tomar insulina a vida toda.
  2. Diabetes tipo 2: Neste caso a insulina é produzida em quantidades normais, mas o organismo não consegue identificá-la e nem consegue usar adequadamente a quantidade necessária para o funcionamento correto. Este tipo de diabetes é mais comum em cães obesos e gatos.

Quais são os principais sintomas do diabetes em cães?

Os sintomas da diabetes em cachorros são decorrentes do excesso de produção de glicoses. Muitos deles são fáceis de identificar, como a perda de peso, mesmo comendo mais vezes ou em maiores quantidades diárias. Outros sintomas são:

  • Urinar com muita frequência e em maior quantidade;
  • Beber muita água;
  • Aspecto cansado, sem disposição para atividades físicas simples;
  • Aparecimento de cataratas, que são irreversíveis e evoluem rapidamente, exigindo atenção dos tutores e rápido atendimento veterinário.

Também podem ocorrer convulsões, inchaço abdominal, vômitos e diarreias, mas estes são sintomas de muitas outras patologias, o que obriga maior pesquisa médica, com exames mais detalhados para um diagnóstico correto.

O tratamento da diabetes em cães

Cachorro ao lado de injeção de insulina
shutterstock
Os cães que possuem diabetes do tipo 1 devem tomar insulina todos os dias

Para o paciente diagnosticado com o diabetes tipo 1 a insulina é obrigatória por toda a vida. Porém, alguns cuidados com a alimentação e atividades físicas devem ser tomados pelos tutores, principalmente para os pets que estão mais gordinhos .

Uma dieta adaptada ao estado clínico do cão é indicada, sendo que a Alimentação Natural pode favorecer o controle de peso. Com uma formulação balanceada e específica para cada caso, rica em fibras e carboidratos, a AN proporciona maior saciedade e auxilia no controle da glicose. Além disso, por conter mais água que os alimentos comerciais, ela oferecerá maior hidratação.

O doutor Felipe Rocha alerta: "Uma orientação importante é que a rotina alimentar do cão deve ser rígida, servindo diariamente a quantidade correta e sempre nos mesmos horários, isso evitará a oscilação da glicemia".

Os exercícios físicos moderados, oferta de água filtrada e abundante e muito amor (este até em doses maiores) estão liberados, pois, mesmo sendo um tratamento para a vida inteira, essas atitudes garantirão uma vida normal, saudável e muito alegre ao seu mascote.