Olá, amigos do Canal do Pet! Hoje eu vim falar um pouco sobre o cachorro elétrico. 

+ Dicas para manter a segurança do animal de estimação dentro de casa

Corre para lá, morde os móveis, rouba as meias, mexe no lixo. Isso acontece com o seu pet? Faz parte da sua rotina? Saiba que você pode estar lidando com um cachorro elétrico , aquele cheio de energia para gastar, que vive procurando o que fazer.

Nem sempre isso só acontece com filhotes (naturalmente mais agitados), mas há cães que mesmo depois de adultos mantêm esse comportamento em razão do seu temperamento.

Portanto, o que fazer quando a impressão que se tem é a de que é impossível tirar a “pilha” dele? O primeiro passo é conhecer bem o seu animal. Identifique o que o deixa agitado para poder planejar os próximos passos.

É importante também, caso o comportamento tenha mudado repentinamente (de um cão tranquilo para muito agitado), levá-lo ao veterinário e checar se há questões ligadas à saúde envolvidas.

Hora de pensar em atividades!

Cães com bastante energia demandam mais atividades físicas e estimulação mental. Isso quer dizer que você deverá proporcionar ao seu animal momentos de gasto de energia, brincadeiras interativas, estímulos dos mais diversos tipos. Passear com ele todos os dias é fundamental e para cachorros com esse perfil, o ideal é que seja um passeio longo e vigoroso. E, pelo menos, dois passeios por dia. Além de ser um exercício físico, cheirar e conhecer outros indivíduos caninos durante as caminhadas constitui também uma atividade rica em estímulos e uma válvula de escape para aliviar a energia acumulada.

undefined
shutterstock
Longos passeios com o cachorro elétrico podem ajudar

Na impossibilidade de manter com ele uma rotina de passeios e exercícios, hoje existem outras alternativas, como creches caninas e passeadores, que são ótimas opções para o tutor que trabalha o dia inteiro.

Adestramento

Treinar comandos com o cão é outra forma de promover uma atividade que o estimula mentalmente. Ensinar o “Senta”, o “Deita”, o “Fica” e o “Vem” se torna uma excelente maneira de alcançar uma forma de comunicação eficiente com o pet, além de ajudar em várias situações do no dia a dia.

+ Confira todas as dicas para que a adoção de gatos ocorra com sucesso

Falta do que fazer e ansiedade podem levar a mais agitação

Nas situações em que o cão for ficar sozinho em casa, vale investir em atividades em que ele possa se entreter sozinho, o chamado enriquecimento ambiental. Brinquedos que dispensam comida à medida que são movimentados ou mordidos, ossos adequados ao porte e perfil do cão, petiscos congelados, esconder alimentos e petiscos pela casa. Tudo para deixar o ambiente com várias opções de atividades para o cachorro.

Por falar em ficar sozinho, cães agitados tendem a ficar mais ligados ainda quando o tutor vai sair ou está para chegar. Inclusive, você sabia que o seu comportamento pode ajudar a piorar o quadro de agitação dele nessas situações?

Se você é daqueles que se despedem de forma calorosa ou que fazem muita festa quando chega em casa, é hora de repensar. Para nós, essa é uma demonstração de carinho, mas, para os nossos cães, a atitude pode deixá-los ansiosos e, consequentemente, mais agitados. O ideal, nesses casos, é ignorá-los por um tempo (tanto na saída, quanto no retorno à casa) ou apenas falar de forma tranquila, sem muita euforia, até que se acalmem. 

Lembre-se também de que todo o tipo de treinamento requer paciência, carinho, dedicação, repetição e boa vontade! Então, é só curtir os momentos de alegria com seu cachorro elétrico!

Um abraço,

Alexandre Rossi

    Veja Também

      Mostrar mais