Tamanho do texto

Para André Almeida, o ambiente de um bloquinho de Carnaval não é adequado para cães; mas se o dono quiser levar, precisa estar atento o tempo todo aos sinais que o animal dá

Cada dia que passa os cachorros são tratados mais como membros da família. Assim, os tutores pensam em levá-los para todos os lugares: passeios no shopping, viagens e até bloquinhos na época de folia. Mas, será que levar o cachorro no Carnaval é seguro? 

Leia também: Como escolher corretamente a fantasia de Carnaval para cachorro

Para levar o cachorro no Carnaval é preciso seguir alguns cuidados; o ambiente de um bloquinho não é muito indicado para os pets
shutterstock
Para levar o cachorro no Carnaval é preciso seguir alguns cuidados; o ambiente de um bloquinho não é muito indicado para os pets


Para André Almeida, do Adestramento Comportamental, o ambiente dos bloquinhos não é adequado para os animais: muito barulho, cheiros diferentes, pessoas alteradas... Porém, se mesmo assim o tutor quiser levar o cachorro no Carnaval , é preciso tomar alguns cuidados. O adestrador explica melhor no vídeo abaixo. 



O que você precisa se atentar ao levar o cachorro no Carnaval

  • Vacinação: as vacinas representam o método de proteção mais importante para os animais. Elas evitam que os cães, quando saem na rua, contraíam doenças perigosas como a cinomose. Por isso, estar com todas as doses em dia é extremamente importante para poder levar o cachorro para um bloquinho de Carnaval, por exemplo. 
  • Vermifugação: quando o animal tem contato com outros animais ou frequenta a rua, pode contrair muitos parasitas intestinais. É a vermifugação que vai controlar isso. Assim, para evitar que o pet adoeça, é preciso estar com ela em dia. 
  • Identificação do cão : levar o animal para um ambiente muito movimentado é um ato de risco e todas as medidas de segurança devem ser tomadas. Entre elas está a identificação do animal. Prenda na coleira ou no peitoral uma plaquinha com o nome do bichinho, o telefone do dono e todas as informações que julgar necessárias. 
  • Equipamento de segurança: para evitar que a plaquinha de identificação precise ser utilizada, garanta que o coleira, o peitoral, a guia ou o que for usar para manter o cachorro ao seu lado esteja em ótimas condições. É preciso também se preocupar com o conforto do bichinho e ter certeza de que esses itens não estão apertando ele. 
  • Água: a hidratação é muito importante, principalmente nos dias mais quentes. Tenha certeza de que no local do bloquinho terá água fresca disponível para oferecer ao animal. Excesso de calor e falta de água podem levá-lo a um quadro de hipertermia
  • Hora do dia: jamais saia de casa com o cachorro nas horas mais quentes do dia, entre 11h e 15h da tarde, quando o sol está muito forte e o asfalto quente. Passear no calor não será nada agradável para ele. 

Além disso, é preciso prestar atenção nos sinais que o cachorro está dando o tempo inteiro. Orelhas, rabo e expressão corporal podem mostrar se ele está feliz, preocupado, tenso, tremendo. O acúmulo de pessoas e a grende quantidade de cheiros e sons pode causar no cachorro um problema comportamental naquele momento, levando-o a morder alguém, ou até deixá-lo traumatizado posteriormente.

Leia também: Porque você não deve se despedir do cachorro antes de sair de casa

Se a experiência ruim não for interrompida rapidamente, o animal pode associar que naquele local aconteceu determinada coisa e todas as vezes que passar por ele entrar num comporatamento ruim, estressante. Se o lugar for perto de casa, o cão pode até não querer mais sair na rua. Isso terá que ser revertido posteriormente com treinamento. 

Assim, para que a ida do cachorro no Carnaval seja tranquila, a situação deve ser controlada e monitorada o tempo inteiro. Vale lembrar que para levar o animal, ele deve se socializar bem e estar acostumado a passear em parques e locais com mais pessoas. Pense sempre no melhor para o bichinho. Uma dica é procurar saber se existem blocos feitos especialmente para os cachorros na sua cidade.