A terapia assistida por animais tem sido muito utilizada em tratamentos de doenças - foto ilustrativa
shutterstock
A terapia assistida por animais tem sido muito utilizada em tratamentos de doenças - foto ilustrativa


Terapia com animais vem sendo cada vez mais utilizada para a redução de transtornos emocionais, como aniedade e depressão. Foi o que fez um hospital público infantil, em Santiago, no Chile, que aposta em um grupo de cães de apoio para ajudar crianças a lidarem com a ansiedade diante dos procedimentos médicos.

Durante a pandemia da Covid-19, no entanto, os cachorros tiveram um papel ainda mais importante. Além do serviço de apoio para os pacientes do hospital, os cães passaram a prestar apoio também aos funcionários que estiveram na linha de frente no atendimento aos pacientes infectados pelo novo coronavírus, ajudando a amenizar a exaustão emocional

Os cães provocam uma sensação de “magia e ilusão”, tanto nos funcionários quanto nos pacientes e seus familiares, segundo disse Fernanda Romero à agência AFP. Fernanda é representante da Fundação Trégua, que promove a terapia canina em conjunto com a ONG Creft, no hospital pediátrico Exequiel González.

Você viu?

O trabalho dos cães terapêuticos começa no momento em que a criança da entrada na sala de cirurgia até sua completa recuperação. Os cães atuam em áreas como odontologia, cirurgia ambulatorial, saúde mental, reabilitação física e gestão de pessoas.

Os cães são treinados desde filhote, para que se acostumem aos diversos ambientes e criem maior vinculo com os pacientes, ajudando a controlar a ansiedade das crianças. E, na pandemia, os médicos, enfermeiros e técnicos do hospital chileno também se juntaram aos pacientes ajudados pelos cães.

“Trabalhamos com a equipe em pausas ativas, com o objetivo de reduzir o estresse e a ansiedade, principalmente considerando o contexto pandêmico”, afirma Nicole Fraust, que também faz parte da Fundação, à equipe da AFP.

Para Nicole, ajuda muito tirá-los do contexto de trabalho, na companhia de um cachorro. Visando a preocupação com a saúde mental do pessoal que atua na linha de frente no atendimento de cerca de 1,6 milhão de infectados com Covid-19 até o momento, no Chile, além das 35 mil mortes confirmadas.

A Fundação não registra transmissão de infecções entre cães e pacientes. Por precaução, o pelo dos animais são desinfectados a cada vez que eles vão até um novo paciente.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários