Transmitida pelo carrapato contaminado, a Doença de Lyme também pode ser chamada de borreliose

Uma grande preocupação da maior parte dos donos de animal de estimação é o carrapato, já que ele pode transmitir um leque imenso de doenças. Além da doença do carrapato, já muito conhecida, há também a babesiose, a erlichiose e a Doença de Lyme. 

Leia mais: 8 maneiras de proteger o animal de estimação de paralisias

A Doença de Lyme em cães é transmitida pelos carrapatos
shutterstock
A Doença de Lyme em cães é transmitida pelos carrapatos

A Doença de Lyme também pode ser chamada de borreliose, nome que se refere ao tipo de bactéria responsável pela enfermidade, a  Borrelia burgdorferi  . Ela chega até o cachorro por meio da mordida de um cachorro infectado e pode até levar o animal a óbtido. 

O primeiro caso da borreliose foi identificado nos humanos em 1975. Os cachorros foram acometidos alguns anos depois, no ano de 1984. A partir daí se tornou uma zoonose, doença que pode ser transmitida tanto para os homens, como para os animais. 

Transmissão da doença

A contaminação da doença por parte dos cães e humanos ocorre por um ciclo. O carrapato saudável pica um cachorro ou uma pessoa contaminada com a bactéria  Borrelia burgdorferi  , se tornando um hospedeiro. Quando ele pica outro ser vivo saudável, transmite a doença. Esse ser vivo contaminado pode ser picado por outro carrapato saudável e iniciar um novo ciclo. 

Leia também: Você sabe o que é o Centro de Zoonoses? Entenda a importância dele

Sintomas da Doença de Lyme nos cães

Os sintomas mais comuns da Doença de Lyme nos cães são: dores e inflamações articulares, ou seja, o animal vai evitar subir em locais altos, como camas e sofás, vai se recusar a sair de casa e ficar o tempo inteiro deitado; dores musculares graves, o que fará o cachorro mancar muito; febre; vômito; inchaço nos glânglios linfáticos;  e falta de apetite.

Os sintomas da Doença de Lyme incluem perda de peso, dores musculares e nas articulações
shutterstock
Os sintomas da Doença de Lyme incluem perda de peso, dores musculares e nas articulações

O cachorro começa a apresentar essas condições de dois a cinco meses após a contaminação. Tudo pode aparecer de forma cíclica, ou seja, ele fica um tempo mancando e tem uma melhora repentina, algum tempo depois o problema volta, por exemplo. 

Com o passar do tempo os sintomas da borreliose vão piorando. Caso o animal não seja tratado ou não responda aos medicamentos passados pelo veterinário ele pode sofre com paralisias e, mais tarde, com asfixia, chegando ao óbito.

Diagnóstico e tratamento

O dono que perceber algum comportamento estranho no cachorro deve levá-lo imediatamente a um veterinário de confiança. O diagnóstico da Doença de Lyme nos cães será feito, principalmente, a partir do exame de sangue para constatar a presença da bactéria no organismo. Além disso, serão analisadas as articulações e músculos, feitos exames complementares e até mesmo o isolamento, se preciso. Só então será possível saber qual o estágio da doença (crônico, agudo ou progressivo) e qual será o tratamento ideal para ela. 

Leia mais: Leptospirose canina: transmissão, sintomas e tratamento

A maioria dos casos é tratada com antimicrobianos à base de doxiciclina e amoxicilina, analgésicos e anti-inflamatórios. 

Medidas de prevenção

É muito difícil manter o cachorro longe de carrapatos, em qualquer passeio na rua, no parque ou ida ao petshop ele está exposto. O que se pode fazer é tentar prevenir esse contato. Colocar uma coleira anti-carrapato no animal, passar repelentes em spray disponíveis no mercado e dar banhos carrapaticidas são ótimas formas de prevenir a Doença de Lyme. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.