O verme causador da filariose atinge os cães principalmente através da picada de alguns tipos de mosquito e se aloja no coração do animal

Mais conhecida como "verme do coração", a filariose em cães também pode ser chamada de dirofilariose. O verme causador da doença é muito parecido com a famosa lombriga e se aloja no coração, onde vive e se reproduz de forma parasitária. Ele chega até os animais através da picada de um mosquito infectado. Gatos e humanos ( é uma zoonose ) também podem ser atingidos da mesma forma, mas a incidência é bem menor. 

A filariose em cães é uma doença que atinge o coração deles
shutterstock
A filariose em cães é uma doença que atinge o coração deles

No início da doença os sintomas são brandos e podem ser confundidas com outras doenças . Por esse motivo o diagnóstico precoce da filariose em cães se torna muito difícil. Geralmente se descobre a condição quando o estágio já está bastante avançado, dificultando muito o tratamento. 

Ciclo da doença

Um mosquito (da espécie Anopheles, Aedes ou Culex) infectado pica o cachorro injetando lavas do verme que irão se desenvolver, chegar até a corrente sanguínea e se instalar no coração do animal. O verme vai se multiplicando e soltando lavas, que vão circulando pelo corpo do animal durante a maturação. 

A partir daí, todas as vezes que um mosquito saudável picar o cão contaminado, ele entrará em contato com o verme do coração e se tornará transmissor da doença. 

Sintomas

Os sintomas vão depender da fase em que a doença se encontra. No início, geralmente, não há nenhum sinal e aos poucos eles vão aparecendo, cada vez mais intensos. O tempo para isso costuma girar em torno de 6 meses. A gravidade deles será diretamente proporcional a quantidade de vermes instalados no coração. 

No princípio são cansaço, dificuldade de respirar, apatia, muito sono e falta de apetite. Os mais graves são febre, perda de peso, tosse, sedentarismo, aumento do abdômen, aparição de lesões na pele, intolerância a luz e cegueira. 

Alguns casos nenhum dos sintomas citados são apresentados, mas isso não significa que eles não estão sendo afetados. A grande quantidade de vermes no coração vai diminuindo a capacidade do músculo de pulsar, impedindo-o de funcionar em algum momento. Além disso, o bombeamento do sangue fica comprometido, assim como a oxigenação do corpo. Isso pode gerar doenças em outros órgãos. 

Diagnóstico

O diagnóstico da filariose em cães pode ser feito apenas por um veterinário
shutterstock
O diagnóstico da filariose em cães pode ser feito apenas por um veterinário

Se algum dos sintomas for notado o animal deve ser levado ao veterinário que irá indicar uma série de exames para identificar o problema. O principal deles para detectar o verme do coração é o exame de sangue que irá denunciar a presença de lavas e de anticorpos no sangue. 

Um eletrocardiograma será feito para a confirmação e diagnóstico mais exatos. Raio-x e eco cardiograma também pode ajudar. 

Tratamento

O tratamento vai variar de acordo com o estágio da doença. Se ele não estiver avançado os medicamentos indicados pelo veterinário poderão ser ministrados em casa. Eles terão o dever de matar os vermes e o corpo do animal tratará de eliminá-los. 

No estágio um pouco avançado, o animal deverá ficar internado por um tempo recebendo remédios mais fortes e tendo acompanhamento constante. Depois será liberado para finalizar as medicações em casa. 

Já no nível muito avançado pode ser que haja a necessidade de realizar uma cirurgia de retirada dos vermes para que só então algum remédio comece a fazer efeito. 

Prevenção

Como em qualquer tipo de doença, a melhor forma de cuidar da filariose em cães é a prevenção. Embora não haja uma vacina , há diversas formas de tentar impedir que o mosquito chegue perto do animal. Colocar telas de insetos nas janelas, dedetizar a casa, passar repelente ou usar uma coleira com substâncias que espantam mosquitos podem ser ótimas formas de prevenção, principalmente para quem mora em áreas consideradas de risco. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.