Câncer de mama em cachorras: prevenção, causas, sintomas e tratamentos
Agnes Faria
Câncer de mama em cachorras: prevenção, causas, sintomas e tratamentos

Entenda como essa doença também pode atingir os animais

O câncer de mama não é uma doença comum somente entre os humanos. No mundo animal, por exemplo, ele também é bastante frequente. Segundo o Conselho Federal de Medicina Veterinária, ele atinge 45% das cachorras, sendo que metade desses casos são tumores malignos.  

Principais causas

O câncer de mama é uma doença multifatorial, isto é, não existe uma única causa para o aparecimento. No entanto, de acordo com a médica veterinária Kelly Moura, o estímulo hormonal é a principal causa do tumor de mama em cadelas. Mas há outros fatores que também podem contribuir para o surgimento da doença, como a obesidade.  

Sintomas e diagnóstico

O câncer de mama é uma doença silenciosa e que avança rapidamente. Com diagnóstico precoce é possível iniciar os tratamentos o quanto antes e aumentar as chances de vida do pet. Por isso, é essencial estar atento aos sintomas, que são: inchaços, dores, secreções e caroços na região mamária. 

Conforme explica a médica veterinária Kelly Moura, o diagnóstico também pode ser feito por meio de exames clínicos, como tomografias computadorizadas, radiografias de tórax e ultrassonografias de abdômen. 

> Surdez em animais de estimação: conheça os sinais e os cuidados importantes 

Tratamentos para a doença 

Segundo Kelly Moura, o tratamento mais indicado para o câncer de mama em cachorras é a remoção da cadeia mamária e dos linfonodos. “Após o processo cirúrgico, a cachorra deve ser cuidada à base de anti-inflamatórios, analgésicos e antibióticos”, acrescenta. 

Em casos mais graves, a opção complementar à cirurgia é a quimioterapia. Ela é realizada através da administração de medicamentos pela corrente sanguínea. É um tratamento que dura, em média, quatro meses. 

> Doenças renais em pets: saiba como identificar e veja 5 dicas para prevenir

Retorno do câncer

De acordo com Kelly Moura, o regresso da doença pode ocorrer em duas situações: quando a cadeia mamária e os linfonodos não são retirados completamente, ou quando o câncer é muito agressivo e há uma metástase (migração das células cancerígenas para outro local do corpo – o pulmão costuma ser o principal destino). 

Prevenindo a doença 

As chances de câncer em cachorras podem ser reduzidas com algumas medidas de prevenção. A médica veterinária explica que a castração após o primeiro cio, previne em até 95% as chances de desenvolver a doença. Caso a castração ocorra depois do segundo cio, essa taxa cai para 85%. Se for realizada após o terceiro cio, as chances de prevenção são de 70%.  

“A castração precoce é a principal maneira de prevenção. Não vai adiantar nada castrar quando a cadela tiver três anos. Isso porque ela já foi exposta aos hormônios responsáveis pela formação dos tumores”, enfatiza Kelly Moura. 

Confira mais dicas para cuidar da saúde dos pets na revista ‘Guia dos pets’

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários