Doenças comuns entre seres humanos e animais de estimação não são raras. Muitas vezes os sintomas são os mesmos e cada vez mais aumenta o número de problemas de saúde que acometem o pet e seus tutores. Por isso é importante ficar atento para a saúde dos nossos bichinhos do mesmo jeito que cuidamos da nossa.

O Canal do Pet  separou junto com o médico veterinário da MSD Saúde Animal, Márcio Barboza, cinco problemas de saúde que você pode ter em comum com o seu pet e talvez não sabia. Confira.

Tutores e seus pets podem adquirir as mesmas doenças
shutterstock
Tutores e seus pets podem adquirir as mesmas doenças


1. Cachorro também pode fazer xixi na cama!

Calma, não estamos falando que esses pets fazem nosso colchão de banheiro. Alguns pets são terríveis, mas muitos podem estar sofrendo de incontinência urinária, principalmente se estiverem na fase idosa. "O animal não consegue mais controlar a própria bexiga e passa a fazer xixi frequentemente em lugares inapropriados", diz Barboza.

É preciso que um médico veterinário examine o animal e recomende o tratamento adequado, que pode ser por meio de um medicamento ou até mesmo de uma cirurgia. Esta situação é muito comum em cadelas castradas, que podem perder o controle do xixi após a cirurgia devido à falta de produção do estrogênio. O hormônio pode ser reposto através de medicação.

2. Animais também podem ter diabetes.

Infelizmente a doença também pode atingir os pets e é muito mais comum do que se imagina. O organismo do animal também pode parar de produzir insulina ou em fazer isso pouca quantidade. A diabetes não tem cura. O tratamento com insulina exclusiva para os pets permite que eles tenham uma boa qualidade de vida.

3. Parecida com gripe humana, os cães podem ter tosse dos canis

A tosse dos canis é uma síndrome respiratória complexa transmitida por vírus ou bactérias que pode afetar animais de todas as raças e idades, causando crises de tosse nos cachorros. A doença pode ser transmitida aos animais sadios tanto pelo contato com um pet doente, quanto pelo ar. Por isso, a vacinação de administração intranasal, que deve ser feita anualmente, é a medida mais efetiva e indolor de prevenção.

4. Vírus da Imunodeficiência Felina (FIV)

Esse vírus, também conhecido como FIV, na sigla em inglês, deixa o sistema imune dos gatos bem debilitado, dificultando para o organismo combater infecções. A doença pode ser comparada ao efeito do HIV em humanos. Febres persistentes, pelos frágeis e perda de apetite são pos sintomas mais comuns em gatos contaminados. Além disso, inflamações nas gengivas e infecções crônicas na pele, olhos, bexiga e vias aéreas superiores podem indicar esse problema sério de saúde.

5. Problema de tireoide

Se seu gato é hiperativo, inquieto e tem perdido muito peso (mesmo comendo muito) ele pode estar com hipertireoidismo. Isso acontece quando a glândula tireoide, no pescoço, produz hormônios em excesso, assim como acontece com os seres humanos.

Uma solução para a disfunção do gato é dar uma injeção de iodo radioativo, de forma que se concentre na glândula tireoide e emita radiação, matando células ativas demais. Apesar desse tratamento, o bichano precisa ser mantido em isolamento por várias semanas, já que ele pode emitir radiação em suas caixinhas de areia por algum tempo.

Já os cachorros têm mais probabilidade de sofrer de tireoides pouco ativas. Os tutores precisam ficar atentos a certos sinais comuns aos humanos, como aumento de peso, preguiça e lentidão. Uma terapia de substituição do hormônio da tireoide pode ajudar a tratar o problema


    Veja Também

      Mostrar mais