Tamanho do texto

Descubra coisas incríveis sobre esse mamífero aquático

O ornitorrinco é provavelmente um dos mais distintos animais que habitam o nosso planeta. Aqui estão algumas coisas que você provavelmente não sabia sobre essa criatura um tanto quanto peculiar:  

+A beleza dos animais resgatados do mercado negro em fotos

1. Eles não têm estômagos


Os ornitorrincos não são os únicos que abdicaram por uma parte produtora de ácido de suas tripas. Além deles um quarto dos peixes também possuem um esôfago que se conecta diretamente com os seus intestinos. Esses animais não perderam somente o estômago físico,  mas também os genes requeridos para produzir um com a evolução - o que quer dizer que eles provavelmente nunca irão voltar a ter um.

2. O bico dos ornitorrincos os dão um sexto sentido


O bico de um ornitorrinco é composto de milhares de células que conseguem detectar os campos elétricos gerados por todos os seres vivos. Ele é tão sensível que o ornitorrinco pode caçar com os seus olhos, orelhas e nariz todos fechados, confiando inteiramente em seu bico.

3. Eles costumavam ser gigantes


Esse parece ser o caso com muitos dos animais modernos - os animais antigos eram versões maiores e mais monstruosas do que nós temos agora. E ornitorrincos não são diferentes. No ano de 2013, baseado na descoberta de um único dente, pesquisadores identificaram um ornitorrinco pré-histórico que tinha o dobro do tamanho do animal que conheçemos.

4. Monotremata quer dizer "buraco único" em grego


O ornitorrinco é uma das cinco espécies de monotremados existentes - somente ele e quatro espécies de equidnas - que se dividiu do resto dos mamíferos 166 milhões de anos atrás. Esses mamíferos que botam ovos recebem o seu nome por conta do buraco que serve como ânus e genitália ao mesmo tempo. No ano de 2008, cientistas decifraram o DNA completo de um ornitorrinco em um estudo envolvendo mais de cem cientistas de oito países diferentes e eles descobriram que, de acordo com a aparência do animal, o genôma do ornitorrinco incluí genes derivados dos super diferentes mundos dos répteis, aves e mamíferos.

+Filhote abandonada com 4 dias de vida está muito diferente agora

5. Eles amamentam sem mamilos


Apesar dos ornitorrincos nascerem de ovos, seus bebês se alimentam de leite materno assim como os mamíferos. Ornitorrincos fêmea, entretanto, não possuem mamilos. Ao invés disso, o leite sai por dutos de glândulas mamárias em seus abdômens e os bebês bebem o leite sulgando do pelo da mãe.

6. Os machos possuem esporões venenosos


Ornitorrincos são uns dos poucos mamíferos venenosos - uma de suas características mais reptilianas. Mas diferentemente das cobras, o veneno de um ornitorrinco não se encontra em seus dentes. Ao invés disso, os machos possuem esporões em cada perna traseira na qual o veneno fica guardado - mas somente ás vezes. Apesar do esporão ficar lá sempre, a glândula venenosa a qual ele está conectado só é ativada e produz veneno durante a temporada de acasalamento, indicando que ele é usado para machucar outros machos que estiverem competindo.

7. Eles possuem membranas retráteis


Apesar deles somente conseguirem ficar submersos por alguns minutos, os ornitorrincos ficam muito melhores quando estão na água do que quando estão na terra. Muito como uma lontra, eles reduzem sua pelagem densa para adicionar bolhas de ar que agem como isolamento nos rios nos quais eles caçam. Em terra firme, os membros curtos do ornitorrinco requerem que ele gaste 30% a mais de energia para mover-se quando comparado com um mamífero terrestre de tamanho similar. Dito tudo isso, eles possuem uma adaptação em particular que os ajuda em suas viagens terrestres. A membrana entre suas patas dianteiras - muito útil para nadar nos rios - se retrai quando o ornitorrinco sobe a margem do rio para expor garras pontudas.

8. Os cientistas pensaram que o primeiro ornitorrinco que eles encontraram era na verdade uma farsa


Quando o primeiro espécime de um ornitorrinco foi mandado da Austrália para a Inglaterra no final do século XVIII, os cientistas que o examinaram pensaram que alguém estava pregando uma peça neles. "É naturalmente excitante a ideia de uma preparação enganosa por meios artificiais," escreveu o zoologista inglês George Shaw na primeira descrição científica de um ornitorrinco, publicada em 1799. Além disso, um dos mais marcantes e estranhos aspectos do ornitorrinco - sua habilidade de botar ovos - não foi descoberto por mais cem anos.

9. Eles usam cascalho como dentes improvisados


Ornitorrincos não possuem dentes dentro de seus bicos, o que faz com que seja difícil que ele mastigue algumas de suas comidas favoritas - mas eles têm uma solução muito engenhosa para esse problema. Junto as minhocas, insetos, mariscos ou qualquer outra coisa que irá ser o jantar do ornitorrinco, ele também pega cascalhos da margem do rio. O ornitorrinco empacota tudo em sua bochecha para carregar até a superfície onde ele come, usando os pedaços de cascalho como dentes improvisados para quebrar algumas comidas mais difíceis.   

+Confira 20 curiosidades incríveis sobre os leões

10. E suas caudas servem para muitos propósitos 


Diferentemente dos castores, que possuem caudas muito similares as deles, os ornitorrincos não usam suas caudas para bater na água como aviso, ou até para levá-los pela água. Na maior parte do tempo, a função primária da cauda de um ornitorrinco é a de guardar até metade da gordura no corpo do animal para o caso de falta de comida. A pelagem na parte de cima da cauda também faz com que ela seja útil em afastar a sujeira quando estiver cavando um buraco ou juntando folhas para fazer um ninho. Uma ornitorrinco fêmea também usa seu rabo para segurar ovos que estão sendo incubados sob seu corpo quente.




    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.