Tamanho do texto

Alterações nas fezes do animal podem ser sinais de doenças e por isso o dono precisa ficar sempre atento

Uma das principais rotinas dos donos de cães é recolher as fezes do animal, nesse momento é importante ficar atento à aparência e consistência dos dejetos. Ricardo Cabral, médico veterinário da Virbac, conta que "Alterações na qualidade, na quantidade e na frequência podem ser sinais de doenças leves, como uma verminose, e graves, como tumores intestinais". 

Tais alterações podem ser de diversos tipos: diarreia, ressecamento, presença de sangue ou muco, coloração, aumento ou diminuição da frequência. Cada uma delas em particular pode indicar a origem do problema. 

Leia também: Saiba o que é a coprofagia e como ela pode ser evitada

cachorro defecando arrow-options
Shuttersock
Prestar atenção nas fezes do cachorro é muito importante

"O tutor recolhe diariamente as fezes do cachorro e sabe qual é a aparência normal, então qualquer alteração levanta uma bandeirinha amarela de atenção. A alteração mais comum é a diarreia , que pode ter muitas causas: doenças infecciosas, inflamatórias, neoplásicas e parasitárias, que são as mais frequentes e podem ser prevenidas com o uso de vermífugos", explica o veterinário. 

Quando o dono observa que as fezes estão em formato de bolinha, que a frequência  diminuiu e que o cachorro fica na posição para defecar, não sai nada e sente dor,  o problema pode ser o ressecamento . Ricardo Cabral diz que isso normalmente é causado por alteração no peristaltismo do intestino ou alimentação inadequada. 

A presença de sangue nas fezes pode ser causada pelo ressecamento ou por fatores mais graves, entre eles estão perfuração de um órgão por ingestão de objeto pontiagudo, gastroenterite hemorrágica, parvovirose , rotavirus, cronavirus, entre outros. 

Já o muco , geralmente de cor amarelada, costuma indicar que o cachorro está sofrendo com intolerância ou alergia alimentar e parasitas.

"Qualquer alteração no formato, na consistência ou na frequência das fezes do cachorro deve ser levado em conta. Pode ser que seja uma alteração simples de alguma coisa que o pet comeu e não fez bem, mas o tutor precisa observar porque se isso não passar dentro de um ou dois dias é preciso recorrer ao veterinário. Na consulta, muitas perguntas a respeito das alterações serão feitas e se o dono souber respondê-las o diagnóstico é muito mais fácil", afirma Ricardo.