Tamanho do texto

As irritações ou feridas que aparecem na pele após a tosa podem ter diferentes causas, mas alergia a lâmina não é uma delas

A tosa pode ter várias funções: estética, higiênica ou até no auxílio do tratamento de algumas doenças. A opção conhecida como higiênica, por exemplo, é indispensável para os cachorros com muito pelo porque evita o acúmulo de sujeira em regiões como o ânus do animal. Porém, a aparição de irritações e feridas após o procedimento pode deixar os donos apreensivos, além de muitos acham que o cão desenvolveu alergia à tosa e começam a evitá-la. 

Leia também: Medo de tosa? O que fazer com os cães que apresentam esse comportamento

O veterinário Jorge Morais, fundador da rede Animal Place, conta que "Frequentemente aparecem feridas na face ou na região próxima às partes íntimas do animal e os tutores descrevem como alergia à tosa , mais especificamente à lâmina". Porém, a lâmina é feita de aço cirúrgico, material hipoalergênico usado também na fabricação de próteses utilizadas em pets e humanos.

A imagem mostra uma mulher usando uma máquina de tosa para cortar o pelo do cachorro
Reprodução/ Shutterstock
Muitos donos acreditam que o cachorro possa ter alergia à tosa, mas isso não acontece

Então, se não existe alergia à lâmina da tosa, o que pode estar causando as feridas e irritações? O Dr. Jorge Morais explica que "A inflamação de pele pode estar relacionada  à fricção da lâmina associado a falta de higiene ou cuidado dos profissionais na hora de fazer a tosa”. 

O que causa a aparição das lesões na pele após a tosa?

Uma das principais causas do problema é o uso incorreto da lâmina. De acordo com Morais, se o funcionário do pet shop passar a lâmina nas patas, por exemplo, e essa mesma peça for usada em áreas mais delicadas do corpo do animal, pode haver contaminação. “Essa parte do corpo geralmente fica mais suja, com terra, lama, poeira e outros resíduos”, explica. “Outro erro é reutilizar a lâmina que teve contato com a região próxima ao ânus onde há maior concentração de bactérias”, acrescenta.

Além disso, as lâminas que foram usadas por muito tempo podem se aquecer, causando pequenas queimaduras no corpo dos pets. “É preciso que o profissional esteja atento e faça a troca do equipamento assim que o objeto começar a aquecer, usando um intervalo ainda menor de tempo em animais de pelo longo", detalha o veterinário.

Leia também: Conheça os tipos de pelos de cachorro e saiba como cuidar de cada um

Como evitar o problema?

Avaliar a reputação do pet shop e a preocupação do estabelecimento com a higiene é a primeira coisa que o dono deve fazer antes de levar o cachorro para tosar. Outras ações que podem ajudar a diminuir a incidência das lesões é dar banho antes do procedimento e secar bem o animal, em temperatura média, para prepará-lo para a tosa.

Morais recomenda também a utilização um kit de lâminas previamente higienizado. “É preciso trocar o kit de ferramentas e fazer a limpeza e o resfriamento das lâminas com produtos específicos para este fim, nunca utilizando o mesmo material em outros animais. A lâmina utilizada para a tosa higiênica nunca deve ser a mesma utilizada no corpo e na face do bichinho.”

Leia também:  Saiba como escolher a máquina de tosa ideal para o cachorro

Agora que você já sabe que alergia à tosa não existe, se perceber que o animal apresenta alguma lesão após o procedimento, procure um veterinário.