Tamanho do texto

Causada por bactéria, a infecção atinge, principalmente, os olhos e o trato respiratório superior do gato

Os  gatos costumam apresentar algumas doenças com mais frequência e a clamidiose felina é uma delas. A infecção, causada pela bactéria  Clamidia psittaci , atinge os olhos e os sistema respiratório do gato. Deve ser tratada com muito cuidado, além de ser autamente contagiosa, é considerada uma zoonose, ou seja, pode ser transmitida para humanos (o que é incomum) e pássaros.

A clamidiose felina é mais comum em gatos que vivem nas ruas, em jardim ou que são livres para saírem de casa. Porém, mesmo que seu bichano fique dentro de casa o tempo inteiro, é preciso tomar cuidado com a doença. Confira os sintomas e todas as informações sobre a infecção. 

Um dos sintomas da clamidiose felina é a vermelhidão nos olhos
shutterstock
Um dos sintomas da clamidiose felina é a vermelhidão nos olhos


Contágio da clamidiose felina

Como já foi dito, a clamidiose é causada por uma bactéria. A Clamidia psittaci  pode ser encontrada em muitos ambientes, mas só se reproduz quando está em um hospedeiro. Assim, o contágio só acontece quando ocorre o contato com as secreções dos animais já contaminados ou o contato direto de um bicho com o outro. 

Por isso, gatos que vivem em grupos são mais suscetíveis do que os não saem de casa. Gatas prenhas podem transmitir a doença para os filhotes durante e depois do parto. 

Sintomas da clamidiose felina

Muitos gatos que têm a bactéria no organismo podem não apresentar sinais clínicos. Os bichanos que mostram sintomas da infecação respiratória costumam ter, principalmente, olhos vermelhos e inchados, com muita produção de secreção, corrimento nasal, espirros e tosse. 

Com o passar do tempo e a evolução da doença que não foi devidamente tratada, as secreções, que antes eram transparentes, podem ficar mais amareladas ou esverdeadas. Machucados ao redor ou nos olhos, febre, letargia, perda de peso e dificuldade para respirar podem ser observados nessa fase. 

O pior estágio é quando a inflamação se torna uma pneumonia, o que pode levar o gato à óbito. 

Vale ressaltar que nem sempre os sintomas são observados em conjunto, portanto, se perceber algum deles no seu gato, leve o animal imediatamente ao veterinário para uma consulta. 

Leia também:  Tudo que você precisa saber da relação entre toxoplasmose e gato

Diagnóstico da clamidiose felina

Para ter um diagnóstico, o veterinário precisará saber se houve alguma alteração comportamental no gato e todas as informações relacionadas aos sintomas percebidos (tempo de duração, piora, entre outros). Por isso, tudo começa com o dono que deve prestar muita atenção no seu animal de estimação. 

O veterinário realizará exame clínico e poderá pedir também laboratoriais, para garantir a acertividade do diagnóstico. 

Tratamento da clamidiose felina

Higienizar o olho do gato com clamidiose felina faz parte do tratamento
shutterstock
Higienizar o olho do gato com clamidiose felina faz parte do tratamento

O tratamento só deve ser feito mediante receita do veterinário. O tratamento pode contar com antibióticos para impedir a reprodução da bactéria e pomadas oftálmicas. Mesmo com a medicação, é importante que o dono faça a higiene do animal, limpando os olhos dele com gaze limpa e umedecida (com água ou soro). 

Manter o gato isolado, sem ter contato com outros, mesmo que saudáveis, é essencial para a eficácia do tratamento. É importante também que o bichano use cone elizabetano para evitar que cuteque o olho machucado.  

Não é raro, depois de todo o tratamento realizado, o gato voltar a apresentar os sintomas. Se isso acontecer, procure o veterinário novamente. 

Leia também:  A demência senil em gatos é uma doença irreversível, mas pode ser retardada

Prevenção da clamidiose felina

A principal forma de prevenção da clamidiose felina é a vacinação. Evitar que o gato saia de casa sozinho também é opção. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.